“Hamilton”, de Lin-Manuel Miranda, se torna uma das peças mais lucrativas da Broadway

gettyimages-Bruce-Glikas
gettyimages-Bruce-Glikas

Com a venda de sua obra para a Disney, Miranda aparece pela primeira vez entre as celebridades mais bem pagas do mundo

Lin-Manuel Miranda sabe, mais do que ninguém, que não se deve jogar uma oportunidade fora. Enquanto aparecia junto ao presidente da Walt Disney, Bob Iger, no “Good Morning America” em maio, o criador da peça mais concorrida da Broadway simultaneamente tuitava para os 3,1 milhões de seguidores do #HamFam: Em vez de ter que esperar até o próximo ano para assistir “Hamilton” nas salas de cinema, os fãs poderão prestigiar a obra no Disney+ a partir do fim de semana do Dia da Independência.

“Nunca fiquei tão feliz e nervoso na minha vida”, escreveu Miranda. “Todos nós assistiremos isso juntos no dia 3 de julho, certo?”

LEIA MAIS: Casamento de streaming e publicidade é tendência, diz estudo da WPP

É fácil ver a versão cinematográfica de “Hamilton”, que tem Miranda e todo o elenco original, como mais uma vítima da pandemia global, que deixou o show business em um pause indefinido. Mas, em um caso clássico de “com limões se faz uma limonada”, o acordo com o Disney+, estimado em US$ 30 milhões para Miranda, foi a cereja do bolo financeiro para o musical de hip-hop vencedor do Tony Award sobre o alvorecer dos Estados Unidos. Além de elevar o faturamento do espetáculo para mais de US$ 1 bilhão em receita global, de acordo com as estimativas da Forbes, também colocou Miranda entre as celebridades mais bem pagas do mundo pela primeira vez. O compositor-ator-produtor estreia no número 62 do Celebrity 100 de 2020, com ganhos estimados de US$ 45,5 milhões antes de impostos e taxas.

Miranda se recusou a comentar sobre seu sucesso financeiro. O mesmo aconteceu com a Disney e o produtor líder do programa, Jeffrey Seller. Mas “Hamilton” fala por si só. Depois de estrear na Broadway em 2015, a competição por lugares ficou tão alta que ingressos chegaram a ser vendidos por US$ 11 mil. Caso a Broadway reabra em 8 de setembro, os ingressos com valor nominal começam em US$ 149, mas podem custar até US$ 2.200 com revendedores.

Até agora, as apresentações na cidade de Nova York arrecadaram US$ 649,9 milhões, segundo a Broadway League. Já a turnê que passou por lugares como Los Angeles, Chicago, West Palm Beach, Dallas arrecadou outros US$ 167,2 milhões, segundo a Pollstar. A temporada prolongada no West End de Londres vendeu outros US$ 38,6 milhões em ingressos, com base em uma análise da Forbes sobre os preços médios das entradas para o espetáculo. Adicione vendas de camisetas, o álbum do elenco, livros e mercadorias relacionadas –além da venda para a Disney–,e o show está entre uma elite de produções que geraram receita de mais de US$ 1 bilhão.

E foi muito mais rápido do que outros fenômenos da Broadway. Os três principais musicais em bilheteria têm mais de 16 anos. “Hamilton”, que completou cinco anos em 2020, estava no caminho certo para superar outro sucesso, “The Book of Mormon”, antes que a Covid-19 obrigasse os teatros da Broadway a fechar as portas.

Muito disso é fruto da relevância cultural. O retrato otimista de um país para todos, na qual atores pretos retratam os fundadores dos EUA, parecia perfeitamente cronometrado quando foi lançado durante a presidência de Obama. O clima político hiperpartidário dos primeiros dias da República se relacionou suavemente também com a era Trump. Além disso, uma das brigas partidárias mais virulentas da história americana no centro da história, que termina com Aaron Burr matando Hamilton em um duelo, levanta questões sobre o número de rivalidades políticas tóxicas que ressoam hoje ainda hoje em dia. 

“Hamilton” oferece algo para todos. Os progressistas abraçam a jornada triunfante dos imigrantes de Alexander Hamilton (a letra que diz “imigrantes: nós fazemos o trabalho” arranca aplausos durante as apresentações). Os conservadores amam o clássico conto de um órfão com ética de trabalho implacável que se eleva para se tornar o primeiro secretário do Tesouro do país. Os cults devoram sua voz inteligente nas ruas e a trilha sonora contemporânea.

“É ótimo termos arte neste momento que geralmente une as pessoas, em que precisamos ter algo em comum”, diz a historiadora Renee Romano, do Oberlin College, que co-editou um livro de ensaios sobre Hamilton. “Somos tão polarizados de várias maneiras. É muito bom ter algo parecido com um tópico seguro de conversa no jantar de Ação de Graças.”

Miranda cresceu em um bairro hispânico de Manhattan e foi educado em uma escola para crianças superdotadas no Upper East Side. Ele cresceu ouvindo gravações da Broadway, música latina e hip-hop –um caldeirão de influências musicais que levou para os palcos de Nova York. Aos 28 anos, recebeu um Tony Award por “In the Heights”, outro musical de hip-hop ambientado no bairro de Washington Heights, semelhante ao de sua infância.

O multitalentoso de 40 anos desempenhou vários papéis na criação de “Hamilton”, que ele adaptou da biografia de Ron Chernow, best-seller de 2004. Ele escreveu o libreto e a partitura e, por um tempo, desempenhou o protagonista no palco. Isso lhe deu acesso a várias fontes de receita do título, incluindo royalties de autoria e uma porcentagem dos lucros.

VEJA TAMBÉM: Filmes lançados em streaming poderão concorrer ao Oscar em 2021 por conta de coronavírus

A Forbes estima que Miranda ganhou US$ 14 milhões em royalties e participação nos lucros das várias produções de Hamilton exibidas em todo o mundo antes dos cinemas serem fechados. Mas a maior parte de seus ganhos veio da compra da Disney.

O grito lírico de “Hamilton” acontece em 3 de julho. “Esse é um tema universal de superação de adversidades”, diz a investidora de “Hamilton”, Brisa Trinchero. “Sinto que essa mensagem é necessária agora mais do que nunca. É bastante inspiradora.”

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Inscreva-se no Canal Forbes Pitch, no Telegram, para saber tudo sobre empreendedorismo: .

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]orbes.com.br).