As 25 maiores empresas privadas dos Estados Unidos em 2020

Getty Images
Getty Images

Após 12 anos de liderança da Cargill, a Koch Industries toma o primeiro lugar novamente

A Koch Industries retoma o primeiro lugar no ranking anual da Forbes das maiores empresas privadas dos Estados Unidos. Isso quebra uma sequência de 12 anos de liderança da gigante do agronegócio Cargill. As receitas da Koch em 2019 foram estimadas em US$ 115 bilhões, um aumento de 4,5% em relação ao ano anterior. Enquanto isso, o faturamento da Cargill em seu ano fiscal mais recente (até maio de 2020) foram de US$ 114,6 bilhões –US$ 400 milhões a menos do que a Koch. As receitas da Cargill aumentaram US$ 1,1 bilhão ou 1% em relação ao ano anterior. No relatório anual da empresa, o CEO da Cargill, David MacLennan, descreveu 2020 como desafiador, mas lembrou às partes interessadas que a empresa de 155 anos já viu crises antes. Ele descreveu as receitas como estáveis.

As duas empresas têm sido os pilares da lista de empresas privadas da Forbes. Ambas apareceram em nossa lista inaugural em 1985 e em todas os rankings desde então. Em 1985, a Cargill assumiu o primeiro lugar com US$ 30 bilhões em vendas, enquanto a Koch Industries teve vendas de US$ 12 bilhões e ficou em quarto lugar.

LEIA MAIS: 8 bilionários que ganharam e perderam com as eleições dos EUA

As empresas nesta lista tendem a permanecer estáveis. A maioria não tem intenção de se tornar pública. Das 219 empresas na lista de 2020, 65% estiveram no ranking nos últimos 10 anos. Quinze das 20 primeiras estavam na lista em 1985.

No entanto, neste ano houve um movimento diferente. A rede de supermercados Albertsons, classificada em terceiro lugar no ano passado, fez um IPO de US$ 800 milhões em junho e, portanto, não aparece mais no ranking. A Albertsons esteve a ponto de sair da lista algumas vezes desde que se tornou privada em 2013. A primeira foi em 2015 por meio de uma oferta pública que foi adiada devido às condições de mercado. A segunda foi uma proposta de fusão com a Rite Aid, de capital aberto, em 2018, que foi cancelada quando os acionistas da Rite Aid rejeitaram o negócio.

A saída de Albertsons abriu espaço entre os dez primeiros para outra empresa, a rede de supermercados H-E-B, de San Antonio. A empresa, que tem 340 lojas no Texas e no México, ocupa a nona posição, com receita estimada de US$ 31,2 bilhões. Suas lojas populares no Mercado Central competem com a Whole Foods por compradores interessados ​​em alimentos orgânicos, especiais e preparados. Algumas unidades oferecem cervejas locais na torneira. A empresa familiar é dirigida pelo presidente e CEO, Charles Butt, que é neto da fundadora, Florence Butt. A empresa está na lista desde 1985, quando ocupou a 25ª posição.

Além da Albertsons, 19 outras empresas não entraram na lista neste ano por causa IPOs, queda nas receitas ou aquisições. A Rock Ventures, nº62 em 2019, representa a holding da Quicken Loans e um portfólio de outras empresas de propriedade do bilionário Dan Gilbert. As empresas de empréstimos hipotecários e de serviços financeiros formaram uma nova companhia chamada Rocket Companies, que começou a operar em agosto.

A Oxbow, uma empresa de marketing e produção de carvão de propriedade de William Koch –irmão mais novo do presidente da Koch Industries, Charles Koch– saiu da lista porque suas receitas caíram abaixo do limite de US$ 2 bilhões. A Drummond, outra empresa de carvão, também saiu devido à queda no faturamento causa por pressão nos pressão nos preços pela baixa demanda global por carvão.

O Airbnb está na lista pela segunda vez, mas parece improvável que a empresa permaneça por mais um ano. Classificada em 90º, com receita de US$ 4,8 bilhões em 2019, a companhia deve abrir capital em breve.

Onze empresas ingressaram no ranking em 2020, uma combinação de novas marcas e repatriados. A Standard Industries é a estreante mais bem colocada, na 69ª posição, e conquista seu lugar devido às novas informações da empresa sobre sua estrutura. As listas anteriores incluíam a G-I Holdings (nº159 em 2019) com o entendimento de que era a empresa-mãe da Standard Industries, bem como de outros fabricantes de materiais de construção, como GAF e BMI Group. A Standard Industries entrou em contato com a Forbes para explicar que ela é a controladora, com receita de US$ 6,1 bilhões em 2019.

Outro recém-chegado é a Kynetic, em 168º lugar. A empresa de comércio eletrônico fundada pelo bilionário Michael Rubin é dona da Fanatics, da Rue Gilt Group e da ShopRunner. A Fanatics vende online roupas esportivas licenciadas, equipamentos esportivos, memorabilia e itens colecionáveis, e tem acordos com ligas esportivas profissionais, incluindo a NBA, a NFL e a NHL.

LEIA TAMBÉM: Os 50 clubes de futebol mais valiosos das Américas

Os que retornaram à lista incluem a rede de supermercados Big Y, com sede em Massachusetts, no 210º lugar, e a construtora Hoffman Corp. de Portland, Oregon, no 205º. Ambas as empresas apareceram pela última vez na lista em 2008, quando o corte foi de US$ 1 bilhão em receitas. No entanto, as duas saíram do ranking quando o limite foi elevado para US$ 2 bilhões em 2009.

Metodologia

A lista da Forbes das maiores empresas privadas dos Estados Unidos inclui apenas nomes com receita superior a US$ 2 bilhões no ano fiscal mais recente. A maioria das participantes não tem planos de mudar seu status privado. Muitas gostam da liberdade das expectativas de ganhos trimestrais e obrigações reduzidas. (Empresas privadas com dívidas negociadas publicamente devem apresentar demonstrações financeiras à Securities and Exchange Commission). Excluímos as empresas sediadas fora dos Estados Unidos, as que não pagam imposto de renda (como Mohegan Tribal Gaming Authority), as de propriedade mútua (como State Farm Seguros), cooperativas (como a Central Grocers), e as com menos de cem funcionários e com mais de 50% de propriedade de outra empresa pública, privada ou estrangeira. Também deixamos de fora as empresas cujo principal negócio é concessionárias de automóveis ou investimento e/ou gestão imobiliária. Sempre que possível, nossos números de receita para cada empresa excluem vendas de subsidiárias de capital aberto. Nossas fontes de dados incluem divulgações voluntárias pelas companhias, registros da Comissão de Valores Mobiliários e Câmbio e estimativas de pesquisadores da Forbes e fontes externas.

Veja a seguir as 25 primeiras empresas da lista:

1. Koch Industries
Estado: Kansas
Setor: Diversificado
Receita: US$ 115 bilhões
Número de empregados: 100 mil

2. Cargill
Estado: Minnesota
Setor: Alimentos, bebidas e tabaco
Receita: US$ 114,6 bilhões
Número de empregados: 155 mil

3. Deloitte
Estado: Nova York
Setor: Serviços administrativos
Receita: US$ 47,6 bilhões
Número de empregados: 330 mil

4. PricewaterhouseCoopers
Estado: Nova York
Setor: Serviços administrativos
Receita: US$ 43 bilhões
Número de empregados: 276 mil

5. Publix Super Markets
Estado: Flórida
Setor: Mercado de alimentos
Receita: US$ 38,1 bilhões
Número de empregados: 207 mil

6. Ernst & Young
Estado: Nova York
Setor: Serviços administrativos
Receita: US$ 37,2 bilhões
Número de empregados: 289.965

7. Mars
Estado: Virgínia
Setor: Alimentos, bebidas e tabaco
Receita: US$ 37 bilhões
Número de empregados: 130 mil

8. Reyes Holdings
Estado: Illinois
Setor: Alimentos, bebidas e tabaco
Receita: US$ 35 bilhões
Número de empregados: 29 mil

9. H-E-B
Estado: Texas
Setor: Mercado de alimentos
Receita: US$ 31,2 bilhões
Número de empregados: 135.500

10. Pilot Flying J
Estado: Tennessee
Setor: Lojas de conveniência e postos de gasolina
Receita: US$ 29,5 bilhões
Número de empregados: 26.696

11. C&S Wholesale Grocers
Estado: New Hampshire
Setor: Alimentos, bebidas e tabaco
Receita: US$ 25,8 bilhões
Número de empregados: 15.500

12. Enterprise Holdings
Estado: Missouri
Setor: Serviços
Receita: US$ 22,5 bilhões
Número de empregados: 90 mil

13. Bechtel
Estado: Virginia
Setor: Construção
Receita: US$ 21,8 bilhões
Número de empregados: 55 mil

14. Cox Enterprises
Estado: Georgia
Setor: Mídias
Receita: US$ 21,1 bilhões
Número de empregados: 50 mil

15. Fidelity Investments
Estado: Massachusetts
Setor: Financeiro
Receita: US$ 20,9 bilhões
Número de empregados: 50 mil

16. Love’s Travel Stops & Country Stores
Estado: Oklahoma
Setor: Lojas de conveniência e postos de gasolina
Receita: US$ 20,6 bilhões
Número de empregados: 27 mil

17. Southern Glazer’s Wine & Spirits
Estado: Flórida
Setor: Alimentos, bebidas e tabaco
Receita: US$ 20 bilhões
Número de empregados: 22 mil

18. Meijer
Estado: Michigan
Setor: Mercado de alimentos
Receita: US$ 18,1 bilhões
Número de empregados: 70 mil

19. JM Family Enterprises
Estado: Flórida
Setor: Bens de consumo duráveis
Receita: US$ 17,7 bilhões
Número de empregados: 4.329

20. Gordon Food Service
Estado: Michigan
Setor: Alimentos, bebidas e tabaco
Receita: US$ 15,5 bilhões
Número de empregados: 20 mil

21. Medline Industries
Estado: Illinois
Setor: Equipamentos de saúde e serviços
Receita: US$ 13,9 bilhões
Número de empregados: 27 mil

22. Allegis Group
Estado: Maryland
Setor: Serviços administrativos
Receita: US$ 13,6 bilhões
Número de empregados: 20 mil

23. Wawa
Estado: Pensilvânia
Setor: Lojas de conveniência e postos de gasolina
Receita: US$ 13 bilhões
Número de empregados: 37 mil

24. Kingston Technology
Estado: Califórnia
Setor: Hardware e equipamentos tecnológicos
Receita: US$ 12,8 bilhões
Número de empregados: 3.000

25. RaceTrac Petroleum
Estado: Georgia
Setor: Lojas de conveniência e postos de gasolina
Receita: US$ 12,6 bilhões
Número de empregados: 9.213

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).