5 previsões de business intelligence para 2019

GettyImages
Plataformas de software convertem dados em inteligência acionável que fornece às empresas as informações necessárias para tomar decisões de negócios.

As organizações utilizam business intelligence (BI) e análises para resolver problemas de negócios e melhorar as operações. Essas plataformas de software convertem dados em inteligência acionável que fornece às empresas as informações necessárias para tomar decisões de negócios táticas e estratégicas.

VEJA TAMBÉM: 5 benefícios de aplicar Business Intelligence nos negócios

No entanto, o ambiente de negócios atual é extremamente complexo. Os dados vêm de um número cada vez maior de fontes e precisam ser facilmente consumidos por diversos usuários de negócios – e não apenas pelos analistas. Para acompanhar as mudanças dinâmicas na maneira de fazer negócios e a crescente complexidade dos dados, o BI e as análises precisam mudar também.

Felizmente, como CEO de uma empresa que ajuda a resolver os desafios da análise empresarial, um ótimo aspecto do meu trabalho é ver quem está impulsionando a inovação.

Veja, na galeria de imagens a seguir, 5 previsões que possivelmente veremos ganhar força no mercado de business intelligence em 2019:

  • 1. Automação

    O BI é impulsionado pela tecnologia e, como praticamente todas as outras ferramentas, está sendo alterado pela transformação digital. Exemplos disso podem ser vistos em datacenters corporativos que estão mudando de sistemas baseados em hardware para sistemas virtuais e na nuvem. As redes corporativas são outro exemplo de como as redes herdadas, que exigem configurações manuais, estão sendo substituídas rapidamente por tecnologias automatizadas e orientadas por software.

    Os fornecedores de BI estão procuram ajudar as pessoas a automatizar diferentes partes do processo. O Gartner prevê que até 2020, mais de 40% das tarefas de ciência de dados serão automatizadas e executadas por máquinas.

    A demanda por automação de dados é impulsionada, em grande parte, pela escassez de habilidades analíticas. Não há quantidade suficiente de analistas qualificados. Mas os usuários corporativos também precisam acessar rapidamente os dados, sem antes esperar que um analista os prepare. A automação é uma ótima ferramenta para ajudar a reduzir o tempo que leva para um usuário perceber o valor de um produto ou serviço.

  • 2. Storytelling

    À medida que as organizações continuam a consumir grandes quantidades de dados, os usuários exigem novas soluções que os ajudem a interpretar e contextualizar as informações para que possam tomar decisões conscientes e com clareza. Contar histórias cria uma narrativa eficaz e isso pode transformar dados em ações de negócios. A combinação de arte e ciência e a racionalização de dados por meio de um processo criativo imparcial não podem ser realizadas com um dashboard.

    Toda imagem conta uma história. Com o BI, a narrativa cria profundidade para ajudar a visualizar os dados, dando interpretação e fornecendo contexto. Assim como uma imagem evoca mais do que palavras, atrai a imaginação e a emoção, o storytelling no BI traz vida às informações, de uma forma que os números brutos simplesmente não conseguem.

    As plataformas de business intelligence da próxima geração usarão histórias que combinam texto, imagens e vídeo para criar uma experiência envolvente e informativa. Ao contar histórias convincentes sobre os dados da empresa, as plataformas de BI comunicarão a importância da percepção das informações, da qual todos os usuários podem se beneficiar.

    Plataformas de BI com capacidade de contar histórias estão começando a entrar no mercado. Mas ainda não vi um líder significativo do setor com essa capacidade. Espero desenvolvimentos significativos nesta área em 2019.

  • 3. Mobilidade

    Anos atrás, alguns previram a mobilidade como o próximo grande mercado de business intelligence graças à enorme oportunidade criada por smartphones, tablets e a força de trabalho móvel em constante crescimento. O objetivo do BI móvel (MBI) era disponibilizar painéis e relatórios resumidos para o pessoal da linha de negócios. Infelizmente, os fornecedores da ferramenta simplesmente reproduziram a experiência do computador para dispositivos móveis, criando uma solução descompactada e difícil de usar.

    No próximo ano, acredito que veremos um uso diferente e mais eficaz do MBI à medida que ele evolui para melhor atender às diferentes maneiras pelas quais os usuários consomem dados em vários dispositivos. O storytelling será fundamental para o sucesso, já que os smartphones estão se tornando o meio de acesso à informação. No entanto, eles exigem menos complexidade de dados e precisam de análises preditivas que são fornecidas aos usuários de dispositivos móveis.

    Como acontece com praticamente todas as outras tecnologias baseadas em software, o MBI precisará automatizar o processo de análise e permitir o consumo de dados móveis como um autoatendimento. À medida que o MBI for reinventado, ele transformará todo o modelo de entrega de dados.

  • 4. NLQ

    Com a onipresença de dispositivos móveis e os avanços em reconhecimento de fala e assistentes ativados por voz como Alexa e Siri, há uma oportunidade crescente de consultas em linguagem natural (NLQ) para recuperação de dados de BI.

    A NLQ é particularmente benéfica para os usuários corporativos, pois permite que eles façam perguntas sem precisar saber sobre a linguagem de consulta. No próximo ano, acho que a interface de pesquisa de texto testemunhará o início do fim, sendo suplantada pelo NLQ, particularmente no que se refere à mobilidade.

  • 5. Interface do usuário

    Por décadas, os painéis de controle têm sido a principal interface para os usuários de dados consumirem análises de BI. Da mesma forma, durante dezenas de anos, a tecnologia da informação foi a intermediária entre os usuários e seus aplicativos e serviços. Hoje, esses consumidores estão aproveitando aplicativos e serviços entregues sob demanda. Assim como centros de dados e redes legadas são gradualmente substituídas por outras baseadas em nuvem e software, os painéis de BI serão transformados para dar vida a grandes quantidades de dados complexos.

    Em 2019, as plataformas de BI começarão a reinventar suas interfaces de usuário para permitir que muitas contas diferentes consuma dados e análises. Começaremos a ver a integração da análise analítica e automatizada em diversos aplicativos, como o UCaaS, o e-mail e outros – e a execução em praticamente qualquer dispositivo.

    Os usuários corporativos estão impulsionando essa demanda com sua necessidade de prover suporte a estratégias multicanais e acesso à análise de dados que oferece base a seus clientes e aplicativos interconectados. A transformação digital que está invadindo as organizações de TI empresariais também pressiona a indústria de BI a evoluir, para atender aos muitos grupos de usuários que consomem informação de várias fontes e de diversos dispositivos. Em 2019, acredito que essas previsões virão para apoiar a evolução da inteligência de negócios.

1. Automação

O BI é impulsionado pela tecnologia e, como praticamente todas as outras ferramentas, está sendo alterado pela transformação digital. Exemplos disso podem ser vistos em datacenters corporativos que estão mudando de sistemas baseados em hardware para sistemas virtuais e na nuvem. As redes corporativas são outro exemplo de como as redes herdadas, que exigem configurações manuais, estão sendo substituídas rapidamente por tecnologias automatizadas e orientadas por software.

Os fornecedores de BI estão procuram ajudar as pessoas a automatizar diferentes partes do processo. O Gartner prevê que até 2020, mais de 40% das tarefas de ciência de dados serão automatizadas e executadas por máquinas.

A demanda por automação de dados é impulsionada, em grande parte, pela escassez de habilidades analíticas. Não há quantidade suficiente de analistas qualificados. Mas os usuários corporativos também precisam acessar rapidamente os dados, sem antes esperar que um analista os prepare. A automação é uma ótima ferramenta para ajudar a reduzir o tempo que leva para um usuário perceber o valor de um produto ou serviço.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).