5 aplicações do blockchain além da criptomoeda

gettyimages-Andriy-Onufriyenko
O blockchain acabou se transformando em sinônimo de tecnologia segura, com muitas outras aplicações além das criptomoedas

Resumo:

  • É por meio do blockchain que as transações das criptomoedas são asseguradas, por isso eles passam por uma forte associação;
  • Além das criptomoedas, o blockchain acabou se transformando em sinônimo de tecnologia segura;
  • Veja outras 5 aplicações do blockchain.

É impossível não associar o blockchain às criptomoedas. Essa tecnologia foi introduzida no mercado em 2008 com o anúncio do Bitcoin, a criptomoeda mais conhecida ainda nos dias atuais. Até hoje, é por meio do blockchain que as transações das criptomoedas são asseguradas, usando uma rede de registros rastreáveis e sem a necessidade de intermediação de uma entidade ou órgão regulador.

O que nem todo mundo sabe, é que, por ser uma arquitetura de dados que não permite alteração ou cópia de informações, algo que comumente acontece em outros ambientes digitais, o blockchain acabou se transformando em sinônimo de tecnologia segura, com muitas outras aplicações além das criptomoedas. Além da segurança, essa tecnologia reduz a complexidade de operações e permite maior controle e rastreabilidade das informações.

LEIA MAIS: Universidade de Malta cria primeiro programa de pós-graduação focado em blockchain

“Houve muita exploração de possíveis soluções capazes de utilizar o blockchain e, aos poucos, começam a ficar mais claros os reais usos da tecnologia, em vários setores. É importante entender que, sendo uma nova tecnologia, ainda há muito o que melhorar em usabilidade e até mesmo na credibilidade perante os usuários, mas, ao mesmo tempo, há um número exponencialmente crescente de desenvolvedores dedicados, e em muito breve começaremos a ver mudanças relevantes a modelos de negócios de vários setores, como saúde, investimentos e até o agronegócio”, explica Carlos Gamboa, cofundador da Fisher Venture Builder, responsável por um relatório recém-lançado sobre o tema, que aponta tendências e outros usos dessa tecnologia que começam a despontar em diversos segmentos.

 Veja, na galeria de fotos a seguir, quais são eles:

  • Investimentos

    No mercado financeiro, o uso do blockchain tem potencial de provocar grandes transformações. Com a tecnologia, será muito mais fácil “fracionar” e transacionar as frações de um ativo, desde ações de empresa até uma propriedade imobiliária, o que, consequentemente, traz mais liquidez, reduz os custos por transação e torna mais universal o acesso a diversos ativos.

    Outra aplicabilidade nessa área está relacionada às transações globais desses ativos, que poderiam ser feitas por pessoas em qualquer lugar do mundo. Ou seja, para o mercado de investimentos, o blockchain pode representar uma injeção de liquidez e universalização de acesso para negociações de diversos ativos.

  • Saúde

    Uma das características do blockchain é a rede distribuída de registro de dados. Esse fator resolveria um problema bastante comum na saúde: a gestão de registros médicos. Dificilmente os pacientes têm o controle de acesso dos seus históricos de saúde em uma base única, onde ele é detentor da informação – exames, laudos, apontamentos médicos e receitas geralmente estão espalhados nos diversos sistemas dos prestadores por onde ele circulou ou até mesmo em arquivos físicos.

    Com o uso do blockchain, todo esse conjunto de dados poderia ser compilado em um único lugar, facilitando o acesso e, principalmente, dando ao paciente o direito de usar os dados de acordo com os seus critérios, em situações em que isso possa contribuir para um aumento da assertividade dos tratamentos.

  • Logística

    Assim como na saúde, a área de logística envolve diversos prestadores de serviços, geografias, nacionalidades. Uma rede compartilhada como o blockchain permitiria a melhor acompanhamento e certificação de toda a cadeia, além de origem, destino e tipo de produto transportado. Isso garante uma operação totalmente transparente.

  • Agronegócio

    Nesse setor, o principal benefício seria a transparência e a procedência das commodities. O histórico completo de um determinado tipo de grão, por exemplo, pode ser rastreado com o uso do blockchain, possibilitando ao comprador saber a origem, qualidade e condições de armazenamento.

  • Internet das Coisas – IoT

    O blockchain possibilita a criação de sistemas de micropagamentos entre dispositivos, o que permitiria a estes dispositivos realizar tarefas em benefício da rede e ser “remunerados” por isso. Em outras palavras, seria possível uma geladeira gerar informações sobre o ambiente em que se encontra, informando a um termostato se deve ou não ligar o ar-condicionado. Esse mesmo termostato pode contatar a central mais próxima dos bombeiros caso detecte um potencial de incêndio. Isto tudo automaticamente. Isso é de extrema relevância em um mundo onde, até 2025, a expectativa é que tenhamos 25 bilhões de dispositivos conectados – de celulares e computadores até geladeiras e sistemas de iluminação.

Investimentos

No mercado financeiro, o uso do blockchain tem potencial de provocar grandes transformações. Com a tecnologia, será muito mais fácil “fracionar” e transacionar as frações de um ativo, desde ações de empresa até uma propriedade imobiliária, o que, consequentemente, traz mais liquidez, reduz os custos por transação e torna mais universal o acesso a diversos ativos.

Outra aplicabilidade nessa área está relacionada às transações globais desses ativos, que poderiam ser feitas por pessoas em qualquer lugar do mundo. Ou seja, para o mercado de investimentos, o blockchain pode representar uma injeção de liquidez e universalização de acesso para negociações de diversos ativos.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Tenha também a Forbes no Google Notícias

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).