SoftBank busca controlar WeWork através de pacote de financiamento

Operação pode injetar R$ 1 bi para reestruturação da empresa de escritórios compartilhados.

Redação, com Reuters
Compartilhe esta publicação:
Getty Images

Pacote de financiamento pode dar ao Softbank grande controle sobre o WeWork

Acessibilidade


O SoftBank Group preparou um pacote de financiamento para o WeWork que lhe daria controle sobre a empresa de escritórios compartilhados, disse uma pessoa familiarizada com o assunto.

LEIA MAIS: Cofundador da WeWork, Adam Neumann perde status de bilionário

O pacote aumentaria significativamente a participação do SoftBank, que já possui cerca de um terço do WeWork, e diluiria ainda mais a influência do cofundador Adam Neumann, disse a fonte, que se recusou a ser identificada por causa da sensibilidade do assunto.

A Reuters relatou que o SoftBank estava em negociações para fazer um investimento de US$ 1 bilhão para permitir que o WeWork passe por uma grande reestruturação.

Sem uma nova infusão de dinheiro, o WeWork corre o risco de ficar sem dinheiro já no final de dezembro, disse a fonte.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

VEJA TAMBÉM: SoftBank deve perder mais de US$ 5 bilhões com Uber e WeWork

A companhia de escritórios compartilhados está trabalhando com o JPMorgan Chase para negociar um acordo de dívida de US$ 3 bilhões depois que uma oferta pública inicial foi cancelada no mês passado em razão de preocupações dos investidores sobre como ela foi avaliada e o modelo de negócios da empresa, informou a Reuters na semana passada.

“O WeWork conseguiu uma grande instituição financeira de Wall Street para organizar um financiamento”, disse uma porta-voz. “Aproximadamente 60 fontes de financiamento assinaram acordos de confidencialidade e estão se reunindo com a administração da empresa.”

A companhia perdeu US$ 1,9 bilhão em 2018 e “queimou” mais US$ 2,36 bilhões no primeiro semestre deste ano, de acordo com documentos.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: