Visa e Mastercard consideram sair do consórcio da libra

Ulrich Baumgarten/Getty Images
O Facebook segue com planos de lançar a libra em 2020

Resumo:

  • Desde o anúncio de seu lançamento, a libra, criptomoeda do Facebook, vem enfrentando críticas de líderes mundiais;
  • Na quarta-feira (9), dois senadores norte-americanos escreveram cartas às empresas Visa e Mastercard pedindo que saíssem da Libra Association;
  • Nenhuma das duas empresas respondeu, mas a pressão continua.

As empresas de pagamento Visa e Mastercard atualmente fazem parte do consórcio de companhias que apoiam a nova criptomoeda do Facebook, a libra. No entanto, elas podem estar reconsiderando sua participação na Libra Association após retaliações vindas de diversos líderes mundiais.

LEIA MAIS: Tudo que você precisa saber sobre a libra, a criptmoeda do Facebook

Um desses líderes foi o ministro de finanças francês Bruno Le Maire, que disse que criptomoedas abrem precedentes para lavagem de dinheiro e outros tipos de fraudes online, e enquanto esses riscos existissem, ele não poderia autorizar o desenvolvimento da libra em solo europeu.

Além de Le Maire, dois senadores do partido democrata norte-americano -Sherrod Brown, de Ohio, e Brian Schatz do Hawaii- escreveram cartas à Mastercard, à Visa e à Stripe (empresa de softwares), alertando que achavam que a libra era um perigo em potencial à economia global.

Para tentar reverter a situação com o lado europeu ao menos, representantes das companhias que participam da Libra Association, incluindo Visa e Mastercard, participarão de uma conferência em Genebra no dia 14 de outubro. Lá, eles planejam apontar uma mesa de diretores e revisar alguns pontos do estatuto da Libra Association, de acordo com um relatório do “The Wall Street Journal”.

Apesar desses obstáculos, o Facebook mantém seu objetivo de lançar a libra em 2020.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Tenha também a Forbes no Google Notícias

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).