10 mais importantes previsões tecnológicas para 2020

Getty Images
As estimativas foram divulgadas pelo IDC e incluem nuvens conectadas e fábricas de inovação digital

Resumo:

  • Negócios cada vez mais habilitados tecnologicamente tem mais chances de competirem em seus mercados;
  • Surge o cargo executivo de Chief Trust Officer, responsável por monitorar como os dados coletados por novas tecnologias contribuem com a empresa;
  • Serviços e armazenamento em nuvem e inteligência artificial são os principais nortes das previsões do IDC.

O foco das dez previsões do IDC (International Data Corporation), divulgadas durante um webcast da empresa na semana passada, são no aumento da economia digital. Até 2023, a instituição prevê que mais da metade (52%) do PIB global virá de empresas transformadas digitalmente. Esse ponto de inflexão digital mostra o surgimento de uma nova espécie de empresa, a empresa prioritariamente digital.

LEIA MAIS: Entenda por que a inteligência artificial já está na era de ouro

Para impulsionar a supremacia digital, uma companhia deve dedicar metade de seu orçamento ao suporte à inovação, estabelecendo fábricas de grande escala e alto desempenho e um ecossistema de terceiros para produzir produtos digitais e fornecer serviços digitais de atacado com base em taxas. Esta última será uma competência empresarial totalmente nova, semelhante ao gerenciamento da plataforma da Amazon para vendedores de terceiros. Os recursos de TI continuarão sua migração para a nuvem (ou várias nuvens) e haverá um grande investimento em sistemas de automação e orquestração, usando inteligência artificial e aprendizado de máquina.

De maneira geral, quase tudo nas novas empresas digitais conta com inteligência artificial. Dadas as exigências competitivas em constante evolução em todos os setores, as empresas habilitadas para IA percebem e respondem as mudanças de mercado em metade do tempo comum.

Com a crescente dependência da tecnologia ​​e dos dados que a alimentam, veremos o surgimento de uma nova função executiva, o Chief Trust Officer, uma função que supervisionará segurança de dados, privacidade e considerações éticas, entre outras tarefas que exigem análise minuciosa.

A visão periférica será uma habilidade e um conhecimento muito importante para todas as equipes de liderança de empresas digitais. Os limites tradicionais da indústria estão desaparecendo rapidamente e, para participar de novas economias que se combinam com diferentes setores, os executivos precisam entender melhor como seu próprio negócios e seus mercados se interconectam com outros, para que possam fornecer estrategicamente uma experiência holística para seus clientes. Por exemplo, o ecossistema conectado de passageiros abrange a cadeia de valor tradicional da indústria automobilística, mas está focado na experiência total.

Veja, a seguir as previsões de TI da IDC para 2020:

  • Acelere para a inovação
    Até 2023, mais de 50% de todos os gastos em TIC (Tecnologias da Informação e Comunicação) serão direcionados para transformação e inovação digital (acima de 27%, em 2018), crescendo em 17% de CAGR (Taxa de Crescimento Anual Composta) contra -3,5% para o restante das TIC.

  • Nuvens conectadas
    Até 2022, 70% das empresas integrarão o gerenciamento de nuvens em seus servidores públicos e privados, implementando tecnologias, ferramentas e processos de gerenciamento híbrido e multicloud unificado.

  • Criação de borda
    Até 2023, mais de 50% da nova infraestrutura de TI corporativa implantada estará na borda, em vez dos datacenters corporativos, acima dos 10% hoje. Até 2024, o número de aplicativos na borda aumentará 800%.

  • Fábricas de inovação digital
    Até 2025, quase dois terços das empresas serão produtoras de software com código implantado diariamente, mais de 90% dos novos aplicativos serão nativos da nuvem, 80% do código de origem externa e haverá 1,6 vezes mais desenvolvedores.

  • Explosão de aplicativos do setor
    Até 2023, mais de 500 milhões de aplicativos e serviços digitais serão desenvolvidos e implantados com abordagens nativas da nuvem, maioria dos casos de uso de transformação digital.

  • IA inevitável
    Até 2025, pelo menos 90% dos novos aplicativos corporativos vão trabalhar com IA; até 2024, mais de 50% das interações da interface do usuário usarão visão computacional, fala, processamento de linguagem natural e realidade aumentada e virtual habilitados para IA.

  • Promoção da confiança
    Até 2023, 50% do grupo chinês G2000 nomeará um Chief Trust Officer, que trabalhará a credibilidade em funções de segurança, finanças, RH, risco, vendas, produção e jurídico.

  • Toda empresa é uma plataforma
    Até 2023, 60% do G2000 terá milhares de desenvolvedores em um ecossistema de desenvolvimento digital; metade dessas empresas gerará mais de 20% da receita digital por meio de seu ecossistema ou plataforma digital.

  • Mashups para várias indústrias
    Até 2025, 20% do crescimento da receita será proveniente de ofertas de “espaço em branco”, que combinam serviços digitais de indústrias anteriormente não vinculadas. Um quinto dos parceiros são de indústrias ainda não usadas no processo.

  • Guerras de plataformas tecnológicas:
    Até 2023, as cinco principais megaplataformas de nuvem pública consolidarão pelo menos 75% de participação de mercado; os dez principais fornecedores de SaaS pureplay (servidores pré-montados para empresas) gerarão uma média de quase 20% de receita com a expansão dos serviços de PaaS (plataforma como serviço).

Acelere para a inovação
Até 2023, mais de 50% de todos os gastos em TIC (Tecnologias da Informação e Comunicação) serão direcionados para transformação e inovação digital (acima de 27%, em 2018), crescendo em 17% de CAGR (Taxa de Crescimento Anual Composta) contra -3,5% para o restante das TIC.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).