6 modelos de receita para implantar em startups

GettyImages/Hero Images
Conhecer a percepção dos clientes sobre sua startup é essencial para escolher o modelo de receita adequado

Resumo:

  • Um modelo de receita é como uma startup ganha dinheiro e agrega valor, sua espinha dorsal;
  • A familiaridade com diferentes formatos é fundamental para encontrar o tipo certo para seus clientes e o problema que você está procurando resolver;
  • Separamos seis desses modelos que você precisa conhecer antes de escolher qual é o melhor para o seu negócio.

Um modelo de receita é como uma startup ganha dinheiro e agrega valor, sua espinha dorsal. Dessa forma, trocar ou implementar com frequência o modelo de receita errado pode causar falhas, considerando o tempo e os custos associados a essas mudanças.

LEIA MAIS: Da ideia até a escala: conheça os 5 estágios de uma startup

A maneira mais simples de começar é se concentrando na concorrência e nas percepções dos clientes. A competição fornece uma referência de modelo, enquanto as percepções dos clientes revelam se há um potencial de inovação por meio da implementação de diferentes modelos.

A familiaridade com diferentes formatos é fundamental para encontrar o tipo certo para seus clientes e o problema que você está procurando resolver.

Aqui estão 6 que você precisa conhecer:

  • Sob demanda

    Quando a demanda do cliente é atendida conforme necessário ou sob demanda, uma startup ganha dinheiro por cada transação concluída. Uber, Airbnb e Instacart são três exemplos conhecidos de startups sob demanda. Indústrias como transporte, hospitalidade, alimentação e saúde passaram por mudanças radicais na maneira como os clientes resolvem problemas sob demanda.

    Esse modelo não muda a maneira como as pessoas costumavam resolver um problema. Por exemplo, sempre se procurou meios de transporte conforme necessário, startups como Uber e Lyft apenas tornaram o processo mais eficiente. Se o problema que você deseja solucionar for frequente, mas inconsistente, o modelo sob demanda pode ser uma opção viável.

  • Comércio eletrônico

    Hoje, cerca de 10% das vendas no varejo nos Estados Unidos são provenientes de comércio eletrônico. O modelo de comércio eletrônico cresceu exponencialmente na última década, à medida que mais e mais compradores confiam na internet para praticamente toda e qualquer compra.

    Atualmente, novos modelos como o “dropshipping” permitem que você inicie de forma rápida e barata um site de comércio eletrônico desenvolvido por uma plataforma como o Shopify, na qual você pode vender produtos sem possuir ou manter inventário. As startups de comércio eletrônico ganham dinheiro em cada item vendido com base em suas margens, que representa custos como fabricação, distribuição e marketing.

  • Marketplace

    A Amazon é um site de comércio eletrônico e um marketplace. A empresa possui e vende seus próprios produtos, mas também permite que empreendedores vendam para os compradores da página. Um marketplace tem oferta, demanda e intermediário. A plataforma criada por uma startup serve como intermediário que combina compradores com vendedores.

    Os marketplaces ganham dinheiro para facilitar as transações entre os lados da demanda e da oferta. A Uber, que implementa os modelos de negócios sob demanda e de mercado, fica com cerca de 25% de todas as viagens.

    Algumas maneiras de diferenciar um mercado incluem verificação e correspondência superiores, com foco em segmentos não atendidos e garantindo a mais alta qualidade de suprimento.

  • Membership

    O Dollar Shave Club é um site de membership que fornece produtos de beleza direto aos consumidores. Esse tipo de modelo oferece aos membros pagantes certas vantagens, produtos ou serviços por uma taxa fixa, geralmente mensal. O YouTube Premium é um exemplo de associação que oferece aos usuários conteúdo sem anúncios com outras vantagens, como a capacidade de baixar vídeos e músicas.

  • Licenças

    Empresas como Shutterstock, Adobe e Microsoft vendem licenças. Produtos digitais exclusivos podem ser entregues a consumidores e empresas de várias maneiras. Vender um software como serviço (SaaS) é uma maneira, o licenciamento é outra, a diferença entre os modelos está na posse do produto. As licenças geralmente pertencem e são operadas pelos usuários, enquanto os produtos SaaS são acessados ​​e usados ​​por um navegador da web.

    Uma empresa como a Shutterstock possui dois modelos de receita, associação e licenciamento. O Microsoft Office é vendido como uma licença, embora sua proposta de valor também possa ser entregue como SaaS. Existem prós e contras para os dois modelos. O formato certo para a sua startup dependerá do seu produto, das necessidades do cliente, do mercado e da concorrência.

  • Freemium

    Dropbox, MailChimp, Skype e Evernote são alguns exemplos de startups que implementam um modelo freemium. O Freemium é uma estratégia de preços que implica fornecer gratuitamente aos usuários as principais funcionalidades do produto e, ao mesmo tempo, oferecer mais recursos se eles atualizarem para planos pagos. É uma estratégia eficaz de aquisição de usuários que pode concentrar usuários sem impor um custo inicial.

Sob demanda

Quando a demanda do cliente é atendida conforme necessário ou sob demanda, uma startup ganha dinheiro por cada transação concluída. Uber, Airbnb e Instacart são três exemplos conhecidos de startups sob demanda. Indústrias como transporte, hospitalidade, alimentação e saúde passaram por mudanças radicais na maneira como os clientes resolvem problemas sob demanda.

Esse modelo não muda a maneira como as pessoas costumavam resolver um problema. Por exemplo, sempre se procurou meios de transporte conforme necessário, startups como Uber e Lyft apenas tornaram o processo mais eficiente. Se o problema que você deseja solucionar for frequente, mas inconsistente, o modelo sob demanda pode ser uma opção viável.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).