Entenda por que os ganhos de Michael Jackson diminuíram em 2019

GettyImages/KMazur
O rei do pop continua reinando mesmo depois de morto, sendo o artista falecido que mais fatura

Resumo:

  • Desde sua morte, em 2009, Michael Jackson gerou faturamentos anuais de US$ 100 milhões ou mais por oito vezes;
  • Os números deste ano sofreram impacto negativo devido ao lançamento de um documentário que expôs escândalos de abuso no rancho Neverland;
  • A popularização do streaming promete manter o nome do artista em alta, já que sua música atrai novos fãs até hoje.

Não há muitos artistas vivos capazes de faturar na marca da centena de milhão em um único ano, mas Michael Jackson fez isso oito vezes desde sua morte em 2009. Mais recentemente, ele contabilizou US$ 400 milhões antes dos impostos em 2018, elevando seu total pós-morte para US$ 2,4 bilhões.

LEIA MAIS: As celebridades mortas mais lucrativas de 2019

Por esse motivo, ver seu número cair para US$ 60 milhões neste ano (ainda no primeiro lugar na nossa lista de celebridades mortas com maior lucro) pode parecer um choque. Seria fácil atribuir a queda às alegações de abuso divulgadas no documentário “Deixando Neverland”, mas essa não é a verdadeira razão por trás da queda.

Os números do ano passado incluíram um ganho extraordinário de quase US$ 300 milhões para a venda da participação de Jackson na EMI Music Publishing, bem como um novo contrato de gravação com a Sony e dinheiro de um especial da CBS no Halloween; o total deste ano estava destinado a ser um fração do total de 2018. Mas mesmo depois dos problemas no início de 2019, os totais de streaming de Jackson nos Estados Unidos subiram de 1,8 bilhão para 2,1 bilhões, um aumento de 17%.

“Michael Jackson talvez tenha sofrido um pouco demais na mão dos críticos, mas provavelmente recebeu uma quantidade igual de apoio dos fãs”, diz David Bakula, vice-presidente sênior de Insight e Analytics da Nielsen. “Ele continuará a crescer porque o streaming continua a crescer e porque ele tem algumas músicas pop incrivelmente populares”.

Assim, os dias de ganhos anuais de US$ 100 milhões de Jackson depois de morto podem ter chegado ao fim (não tanto por causa de uma reação pública, mas porque grandes acordos e vendas de ativos que alimentaram as celebrações de seu pós-vida foram concluídas). Entre eles: conversas para o filme “This Is It” e “Michael Jackson Immortal World Tour”, bem como a quantia de US$ 750 milhões de Jackson pela metade do catálogo da Sony / ATV em 2016, além da venda de sua participação na EMI.

LEIA TAMBÉM: Por que o Rancho Neverland, de Michael Jackson, finalmente será vendido

Jackson ainda pode contar com mais pagamentos da Sony, dinheiro do show “Michael Jackson One” em Las Vegas e milhões de seu próprio catálogo na Mijac Music, que ainda é de sua posse. E também há o vasto complexo de Neverland, agora conhecido pelo nome original de Sycamore Valley Ranch, que, por US$ 31 milhões, pode finalmente ser vendido.

Também há novos caminhos a serem explorados. Um musical com tema de Michael Jackson, cuja execução em Chicago foi cancelada no início deste ano, está programado para estrear na Broadway em agosto de 2020. Esse tipo de produção pode ajudar o artista a encontrar novos públicos enquanto se conecta com os antigos, aumentando seu alcance, assim como Spotify e Apple Music tem.

E TAMBÉM: Michael Jackson vira um problema para a grife Louis Vuitton

“O streaming da música ajuda a expor o legado a novos potenciais fãs”, diz Jeff Jampol, que administra artistas mortos, como Jim Morrison e Janis Joplin, e também trabalhou com a obra de Jackson. “Depois de fazer isso, eles podem comprar uma camiseta, um pôster ou um conjunto de caixas é uma ótima ferramenta de marketing.”

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).