Victoria’s Secret continua a cair com resultados do último trimestre

Alex Tai/SOPA Images/LightRocket via Getty Images
John Mehas, CEO da Victoria’s Secret disse acreditar que a marca precisa mudar sua abordagem de vendas

Resumo:

Victoria’s Secret fecha mais um trimestre em baixa, afetando as ações da L Brand;
A Bath & Body Works, também do grupo, tem mantido a empresa estável com o crescimento contínuo de suas vendas;
O CEO da Victoria’s Secret acredita que a abordagem da marca precisa mudar em face de seus novos concorrentes.

A Victoria’s Secret continua afetando as ações da L Brand, empresa de varejo à qual pertence. Nos resultados do último trimestre, a Bath & Body Works, empresa de produtos para banho e corpo que também está sob a administração da L Brand, é quem vem mantendo os resultados da grande varejista estáveis. As vendas da Victoria’s Secret caíram em 7% -e já haviam tido uma queda de 2% no mesmo período ano passado.

LEIA MAIS: Victoria’s Secret terá brasileira como 1ª modelo transgênero

A Bath & Body Works, no entanto, teve um aumento de 9% em suas vendas. Ano passado, o incremento foi de 13%. A ascensão da Bath & Body Work e a queda da Victoria’s Secret já são tendência para a grande varejista. No total, os negócios da L Brand tiveram uma queda de 2%, o que ainda assim é preocupante já que a previsão era de apenas 1%.

No último trimestre, a Victoria’s Secret fechou 38 de suas lojas físicas, em grande parte por conta de seus novos competidores, que têm uma abordagem mais orgânica à venda de lingerie. No começo do ano, John Mehas, CEO da Victoria’s Secret que assumiu o cargo em 2019, disse ao canal de notícias CNN que “existe uma grande crença de que a companhia precisa evoluir.”

Comparado ao mesmo período ano passado, as ações da L Brand caíram 30%, e fecharam em baixa pela fechou em baixa pela 52ª semana seguida.

Além da nova competição enfrentada pela Victoria’s Secret, a L Brand também tem de lidar com a reação do público à proximidade de seu CEO e cofundador, Les Wexner, a Jeffrey Epstein. Epstein foi preso em julho de 2019 por tráfico sexual envolvendo menores e foi encontrado morto em sua cela em agosto.

A perda total da empresa foi de US$ 252 milhões, uma queda de US$ 0,91 por ação. Ano passado no mesmo período, a perda foi de US$ 42,75 milhões.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Tenha também a Forbes no Google Notícias

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).