Da Netflix a Domino’s Pizza: as 10 ações com as melhores performances da década

ReproduçãoForbes
A Netflix foi o nome da década na categoria ações

Quanta diferença uma década faz. No início de 2010, o desemprego nos Estados Unidos estava acima de 8%, as economias da zona do euro da Grécia à Itália oscilavam à beira do colapso e os mercados acionários globais sofriam com uma década praticamente perdida. Medo e incerteza eram as palavras de ordem. No entanto, no final de 2019, um grupo de empresas de tecnologia, como Apple, Netflix, Google, Microsoft e Amazon, haviam conduzido o mercado norte-americano por uma das melhores décadas da história, incluindo alguns recordes.

O S&P 500 mais do que triplicou em valor nos últimos dez anos, retornando a 13,5% ao ano, à medida que os lucros corporativos e o espírito animal dos investidores dispararam. As taxas de títulos longos do tesouro caíram pela metade (de 4,65% para 2,35%) e a taxa de desemprego nos EUA agora está em 3,6%. Nos últimos dez anos, houve bolhas ocasionais em tudo, de maconha e criptografia a falsos estoques de carne. Também houve fraudes em ações chinesas e alguns episódios ruins, como o da Valeant Pharmaceuticals. De um modo geral, os mercados permaneceram saudáveis. A relação preço/lucro do S&P 500 começou a década com 17,6 vezes e deprimiu os lucros das empresas. Hoje, esse número se expandiu modestamente para 21, uma vez que os lucros corporativos aumentaram quase tão rapidamente quanto as ações.

LEIA TAMBÉM: Under 30 2020: 19 jovens destaques de finanças da lista norte-americana

Apesar dos ruídos econômicos que variaram de uma crise da dívida na Europa a um crash repentino e às tarifas da China, o maior fator de prosperidade atual foi a inundação de capital fácil estimulada pelo Federal Reserve e pelo Banco Central Europeu. As taxas de juros nos EUA estiveram perto de 0% na maior parte da década e, em países como Suíça e Japão, na verdade, tornaram-se negativas. Com baixas taxas e rendimentos de dividendos sob pressão, abriu-se caminho em Wall Street – especialmente para empresas com ativos digitais e hard assets (ativos tangíveis). As ações das empresas de tecnologia da informação, bens de luxo e assistência médica registraram ótima  performance. Companhias como a fabricante de chips gráficos Nvidia, serviços de nuvem, como a Amazon, e a produtora de semicondutores Broadcom, aumentaram mais de 1.000% desde 2010. Outros setores, como o de energia, mostraram-se mais lentos. Assim, à medida que os EUA conquistaram independência energética, as ações de empresas de exploração, como a Apache Corp, de Houston, caíram 74,5% ao longo da década. As da Devon Energy registraram queda de 63%.

A Forbes analisou os retornos totais das ações de maior capitalização no Russell 1000 e no S&P 500 de cada ano da década para eleger a empresa de melhor performance em cada um deles e, no final, escolheu a melhor da década:

2010: Netflix

Valorização das ações: 218% 

2011: Domino’s Pizza

Valorização das ações: 112%

2012: Sarepta Therapeutics

Valorização das ações: 477%

2013: Nexstar Media Group

Valorização das ações: 436% 

2014: Agios Pharmaceutics

Valorização das ações: 367% 

2015: Exelixis

Valorização das ações: 291% 

2016: US Steel

Valorização das ações: 319% 

2017: Nektar Therapeutics

Valorização das ações: 386% 

2018: MongoDB 

Valorização das ações: 182% 

2019: Avalara

Valorização das ações: 131% 

Ação da década pela S&P 500: 

Netflix (3.915%)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).