Maior parte de recursos para compra de sítio em Atibaia pode ter saído da Oi, diz Lava Jato

Grupo de telecomunicação teria repassado dinheiro para empresas de Fabio Luis Lula da Silva .

Redação, com Reuters
Compartilhe esta publicação:
Reuters
Reuters

A força-tarefa da operação Lava Jato afirmou hoje (10), que a maior parte dos recursos utilizada na compra do sítio de Atibaia usado por Lula pode ter origem em repasses do grupo Oi/Telemar

Acessibilidade


As provas levantadas até o momento nas investigações sobre a relação da Oi com empresas de um dos filhos do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva indicam que a maior parte dos recursos utilizada na compra do sítio de Atibaia usado por Lula pode ter origem em repasses do grupo Oi/Telemar para empresas de Fabio Luis Lula da Silva, afirmou a força-tarefa da operação Lava Jato hoje (10).

A Lava Jato lançou nova fase mais cedo nesta terça-feira para investigar possíveis crimes de corrupção e lavagem de dinheiro em relação a contratos celebrados entre o grupo Oi/Telemar com a Gamecorp, empresa que tem o filho de Lula entre os controladores. Segundo a investigação, aparentemente os contratos não foram prestados na totalidade.

VEJA MAIS: Ibovespa reverte alta da semana após Lula deixar a prisão

“As evidências indicam aqui que o maior ativo que o grupo Oi/Telemar buscava na Gamecorp era que se tratava do filho do então presidente da República”, disse o procurador da República Robson Pozzobon em entrevista coletiva sobre a ação.

Segundo a Lava Jato, as investigações envolvem no total R$ 193 milhões arrecadados pelo grupo econômico com participação do filho de Lula junto a companhias de telefonia, internet e TV a cabo.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Em comunicado, o MPF disse que, além de Oi/Telemar, a Vivo/Telefônica também está sendo investigada devido a contratos suspeitos com as empresas do filho do ex-presidente.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: