Para 63% dos executivos, inteligência artificial aumenta receita das empresas

gettyimages/Andriy Onufriyenko
Atualmente, menos de 20% das organizações utilizam a IA para otimizar e acelerar os processos

Resumo:

  • Uma pesquisa online mostrou que 63% dos executivos cujas empresas implementaram IA relataram aumento de receita nas áreas de negócios em que a tecnologia é aplicada;
  • Sistema de IA reduziu desenvolvido pela Shell, por exemplo, ajudou a diminuir em mais de 80% o tempo necessário para produção de imagens que auxiliam na descoberta de novas fontes de gás e petróleo;
  • O setor de manufatura é o que mais apresenta redução de custos após a aplicação de recursos de inteligência artificial.

O impacto da inteligência artificial nos negócios começa a ser mensurado. De acordo com um estudo recente, 63% dos executivos cujas empresas adotaram a IA relatam que o recurso aumentou a receita nas áreas de negócios onde é aplicada, e 44% dizem que reduziu os custos da companhia. Os aumentos de receita ​​são relatados com mais frequência em marketing e vendas, e a diminuição dos custos na manufatura. Cerca de um terço dos entrevistados dizem esperar que a adoção da IA ​​leve a uma redução de sua força de trabalho nos próximos três anos, em comparação com um quinto que espera um aumento. As informações são da pesquisa online da McKinsey realizada com 2.360 executivos em todo o mundo.

A IA é a responsável por auxiliar a Royal Dutch Shell a localizar novas fontes de petróleo e gás. Um dos 280 projetos de inteligência artificial da empresa visa ajudar a buscar essas novas fontes ao limpar dados de pesquisas sísmicas usadas para criar imagens de formações rochosas que, por sua vez, são base para que os cientistas possam localizar depósitos de petróleo no fundo do oceano. O problema, de longa data, é que essas pesquisas não mostram uma imagem clara de como são as formações rochosas. Correntes marinhas e outros fatores produzem dados ruidosos que afetam as imagens. Para resolver a questão, a Shell criou algoritmos de aprendizado de máquina, com base em imagens que foram tratadas pela companhia, para filtrar esse ruído. Essas pesquisas costumavam levar vários meses para serem executadas por profissionais. Segundo informações do “Wall Street Journal”, o sistema de IA reduziu o tempo necessário para produzir imagens mais nítidas em 80%.

VEJA TAMBÉM: Entenda por que a inteligência artificial já está na era de ouro

Adoção e atitudes voltadas para negócios com base em IA

A pesquisa global da McKinsey identificou um aumento de quase 25% ano a ano no uso de IA em processos de negócios padrão, com um salto considerável em relação ao ano passado em empresas que aplicam a inteligência artificial em várias áreas de seus negócios. Cinquenta e oito por cento dos executivos consultados ​​relatam que suas organizações incorporaram ao menos uma capacidade de IA em um processo ou produto em pelo menos uma função ou unidade de negócios, contra 47% em 2018. O varejo registrou o maior aumento no uso de inteligência artificial, com 60% dos entrevistados dizendo que suas empresas incorporaram pelo menos uma capacidade de IA em uma ou mais funções ou unidades de negócios — um aumento de 35 pontos percentuais em relação a 2018. Setenta e quatro por cento dos entrevistados cujas empresas adotaram ou planejam implantar a IA dizem que suas organizações aumentarão o investimento em inteligência artificial nos próximos três anos. Quarenta e um por cento dos entrevistados dizem que suas organizações identificam e priorizam de forma abrangente os riscos da IA, e citam com mais frequência segurança cibernética e conformidade regulatória.

Segundo a pesquisa realizada pela Accenture com 1.500 executivos C-level de empresas com receita mínima de US$ 1 bilhão em 12 países, 84% dos executivos de alto escalão acreditam que precisam alavancar a IA para alcançar seus objetivos de crescimento — no entanto, 76% relatam que lutam com o dimensionamento da IA. Setenta e cinco por cento dos executivos acreditam que, se não escalarem a inteligência artificial nos próximos cinco anos, correm o risco de fechar completamente os negócios. Por outro lado, as companhias que estão escalando estrategicamente a IA relatam quase três vezes o retorno do investimento feito nos recursos, comparadas às empresas que buscam conceitos de provas lucros. Existe uma correlação positiva entre a escala estratégica e uma premiação média de 32% para três principais métricas de avaliação financeira.

Atualmente, menos de 20% das organizações utilizam a IA para otimizar e acelerar os processos e 55% acreditam que a inteligência artificial e o aprendizado de máquina são essenciais para atingir as metas de experiência do cliente. Apenas 15% concordaram que suas companhias podem impulsionar dados em tempo real e 75% dizem que suas organizações planejam aumentar o uso dessas informações em 2020. Quase 70% dos consultados dizem que a IA ou o aprendizado de máquina são usados ​​em apenas 1% a 20% dos projetos de tecnologia de suas empresas e quase 80% planejam aumentar o uso de inteligência artificial e aprendizado de máquina nos próximos 12 meses. Os dados são da pesquisa da Adobe com 200 CIOs de empresas americanas, com pelo menos 100 funcionários.

Segundo o Instituto de Valor Empresarial da IBM, CNBC, 10% das organizações em todo o mundo usam ativamente a IA. Na China, 14% das empresas usam a inteligência artificial com sucesso.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).