Bitcoin vai contra mercado e tem alta diante coronavírus

Getty Images
Getty Images

Com o atual mercado, o bitcoin pode até ser considerado um investimento de baixo risco


Os motivos podem não ser claros, mas uma coisa é certa: enquanto grande parte do mercado financeiro está em queda em face da ameaça do coronavírus, classificada como de alto risco pela OMS (Organização Mundial da Saúde), o bitcoin acabou de alcançar sua máxima do mês em pleno dia 28 de janeiro. A criptomoeda passou a marca dos US$ 9.000, chegando a US$ 9.150 hoje (28), o que representa uma alta de 25% desde o começo do mês.

No último fim de semana, o valor do bitcoin chegou a ser registrado a US$ 8.250, o que mostra uma alta significativa em apenas alguns dias. Em comparação, índice da bolsa de valores norte-americana Dow Jones caiu 450 pontos ontem (27), e o dólar abriu o dia em queda hoje. Além disso, diversas empresas vêm presenciando quedas em suas ações desde o que o vírus que começou na China passou a se apresentar como uma ameaça real ao resto do mundo.

LEIA MAIS: Entenda porque o bitcoin e suas versões começaram o ano bem

Muitos especialistas têm suas próprias visões que explicam o porquê desta alta. Para Clem Chambers, colaborador da Forbes norte-americana, essa alta se deu pois os grandes nomes da indústria chinesa estão se preparando para o pior. Em artigo publicado ontem, ele mostra que a China tem um número significativo de compradores de bitcoin, e explica sua teoria de maneira bem didática.

“Se você fosse chinês e soubesse do vírus, você iria querer levar sua família para férias prolongadas. Você pode até ficar na China mais um pouco para tomar conta dos negócios, mas você com certeza iria querer tirar sua família de lá”, pontua. “Você tem de achar um jeito seguro de bancar essa viagem ao exterior, e a não ser que esteja muito bem preparado, a melhor forma de fazer isso é colocar um pouco de bitcoin em uma wallet, e aí o dinheiro estará onde você quiser.”

Já segundo uma reportagem de hoje do canal de notícias especializado em cripto “Coindesk” essa alta pode não ter tanto a ver com o vírus. A publicação afirma novamente que a China tem um número alto de compradores de bitcoin, mas que o preço subiu por conta da alta procura na época do ano novo chinês, que aconteceu no último fim de semana. Eles apontam também que o analista Alex Kruger avisou no seu Twitter que muitas pessoas achavam que o coronavírus estava puxando o bitcoin para baixo até o fim de semana, e agora essa visão mudou completamente. Logo, é preciso tomar cuidado com tais narrativas.

Outros especialistas ainda acreditam que o bitcoin virou a aposta segura do mercado, com a instabilidade de outros setores. Mas, com ou sem coronavírus, comprar bitcoin agora pode ser uma boa ideia principalmente por conta do “halving” que está por vir no meio do ano, que diminuirá a oferta da criptomoeda independentemente da procura.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Tenha também a Forbes no Google Notícias

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).