“Não acho que erramos tanto”, diz CEO do Goldman Sachs sobre a WeWork

GettyImages/MICHAEL KOVAC
GettyImages/MICHAEL KOVAC

Apesar de defender o trabalho do banco, David Solomon admitiu que as avaliações em startups de tecnologia devem ser pensadas com base na realidade

Quando perguntado sobre o WeWork durante um painel do Fórum Econômico Mundial em Davos, ontem (22), o presidente-executivo do Goldman Sachs defendeu o trabalho do banco na desastrada listagem pública da empresa de coworking, além de reconhecer que as avaliações para as startups de tecnologia se tornaram altíssimas e precisam ser mais fundamentadas na realidade.

O abandono de IPO da WeWork foi um “ótimo exemplo” de como o processo de listagem funciona, mesmo que “não seja tão bonito quanto todo mundo gostaria que fosse”, disse o CEO David Solomon. “Havia coisas que estavam certas e coisas que estavam erradas.”

LEIA MAIS: Saiba quem é o quase desconhecido cofundador da WeWork Miguel McKelvey

“Os bancos não estavam avaliando”, disse Solomon, insistindo em que “o processo realmente funcionou em torno da WeWork”, uma vez que a diligência e o feedback de potenciais investidores em IPO foram o que eventualmente “fundamentaram a realidade”.

O Goldman Sachs foi um dos principais bancos no IPO planejado da WeWork no ano passado, antes que a startup de coworking fosse forçada a cancelar sua oferta pública tão aguardada em meio a preocupações crescentes sobre falta de rentabilidade, valorização altíssima e governança corporativa irregular.

Solomon também falou sobre a clara divisão entre avaliações de empresas públicas e privadas, que ele atribuiu a baixas taxas de juros: o fato de o dinheiro “basicamente estar livre” levou os investidores a supervalorizar as projeções de crescimento de uma empresa e não se concentrar o suficiente nos ganhos subjacentes, ele argumentou.

O CEO do Goldman disse que, diferentemente das empresas públicas, as empresas privadas “não são mantidas no mesmo padrão em relação à produção de informações e isso é um problema”.

“Acho que vimos um reequilíbrio em que a necessidade de realmente pensar em um caminho para a lucratividade tem um papel mais importante do que há 18 meses”, disse Solomon em Davos. O Goldman Sachs disse em outubro passado que o IPO abandonado da WeWork e a redução subsequente de sua valoração custaram ao banco US$ 80 milhões.

LEIA TAMBÉM: WeWork vai demitir 2.400 funcionários no mundo

Embora 2019 prometesse ser um grande ano para ofertas públicas iniciais, os investidores de Wall Street perderam a confiança, pois as ações de startups de alto nível como Uber e Lyft caíram nos meses seguintes à estreia no mercado público. A WeWork cancelou totalmente seu IPO devido a uma reação dos investidores contra sua alta avaliação, fazendo com que a startup perdesse posteriormente mais de US$ 40 bilhões em valor de ações. Enfrentando enormes perdas que a colocam à beira do colapso financeiro, a WeWork acabou sendo socorrido por seu maior acionista, o conglomerado japonês SoftBank, que forneceu um resgate de US$ 10 bilhões. Sob nova liderança, a WeWork passou os últimos meses reduzindo seus negócios em uma tentativa de baixar custos.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).