Saiba quem é o quase desconhecido cofundador da WeWork Miguel McKelvey

ReproduçãoForbes
Miguel McKelvey, 45 anos, está no papel vagamente definido de diretor de cultura

Resumo: 

  • Adam Neumann sempre foi fundador com mais destaque da empresa, tanto em polêmicas quanto nos negócios; 
  • Miguel McKelvey, porém, continua na empresa mesmo com a crise que assola a WeWork desde a decisão de abertura de capital; 
  • Saiba mais sobre os entremeios que levaram à crise da marca e a saída de um dos cofundadores.

Ao mesmo tempo que a startup de compartilhamento de escritórios WeWork implodiu nos últimos meses, investidores frustrados expulsaram seu cofundador e CEO carismático e irregular, Adam Neumann. E o outro cofundador da empresa? Miguel McKelvey, 45 anos, apagado em comparação ao enorme Neumann, ficou no papel vagamente definido de diretor de cultura.

McKelvey foi uma grande parte da história de fundação e foi fotografado ao lado de Neumann quando a Forbes apresentou a WeWork pela primeira vez em 2014. Mas quando o SoftBank estava considerando um investimento em 2017, Neumann sozinho entregou o agora infame discurso de 12 minutos ao chefe da empresa, Masayoshi Son, que resultou em um investimento global de US$ 4,4 bilhões para a WeWork.

Neste ano, enquanto a empresa se preparava para sua tão antecipada oferta pública inicial, McKelvey havia sido amplamente excluído da narrativa oficial. Na declaração de registro original da WeWork de agosto, “Adam” foi nomeado 169 vezes, enquanto McKelvey apareceu apenas seis. Até a esposa de Neumann, Rebekah Paltrow Neumann (prima de Gwyneth e nomeada retroativamente como fundadora da empresa em janeiro) ganhou mais destaque, com 20 menções. Foi Neumann quem promoveu algumas das expansões mais loucas da WeWork, incluindo uma escola WeGrow, o projeto de estimação de Rebekah.

LEIA MAIS: A melhor lição de investimento que se pode tirar dos problemas da WeWork

“Enquanto Miguel se concentrava em coisas mais culturais, Adam se concentrava, francamente, nas coisas que estavam gerando manchetes”, lembra um ex-executivo que pediu para permanecer anônimo por conta de um acordo de confidencialidade. “O valor foi criado em cima da capacidade de Adam de arrecadar dinheiro de Masa, na qual Miguel não estava envolvido diretamente”.

Mas, depois que a empresa abriu o IPO em setembro e teve de ser socorrida por seus patrocinadores da SoftBank, foi McKelvey quem enviou um e-mail inspirador para a equipe desmoralizada. “Foi um período desafiador e é preciso coragem para continuar acreditando”, escreveu ele no final de outubro. “Temos uma equipe e uma marca incrível e, com foco renovado, temos a oportunidade de construir um negócio excepcional.”

Em 23 de outubro, Marcelo Claure, da SoftBank, instalado como presidente executivo da WeWork, tuitou que passara “uma noite muito longa” na sede da Sprint conversando com McKelvey e aprendendo sobre a cultura da WeWork.

ReproduçãoForbes
Adam Neumann (esquerda) tinha muito mais destaque na empresa do que Miguel McKelvey (direita)

A decisão de McKelvey de permanecer filiado à empresa -e a decisão dos investidores de permitir que ele o faça- contrasta fortemente com a expulsão sem cerimônia de Neumann, embora com um pacote de saída de US$ 1,7 bilhão. Antes tão unidos que optaram por manter suas ações na WeWork por meio de uma entidade singular, conhecida como We Holdings LLC, criada em 2010, os dois pareceram se afastar nos últimos anos, quando a avaliação da WeWork subiu para um pico de US$ 47 bilhões, à medida que investidores investiam em mais de US$ 9 bilhões.

Quando a WeWork divulgou registros de títulos para o IPO planejado, revelou um negócio que havia perdido US$ 1,9 bilhão em receita de US$ 1,8 bilhão em 2018, e essas perdas continuaram a se expandir, atingindo US$ 1,25 bilhão no terceiro trimestre, segundo um relatório recente.

Após o resgate pela SoftBank, a Forbes estima que o patrimônio líquido de McKelvey tenha caído para US$ 900 milhões, contra um pico de US$ 2,9 bilhões. A forma exata como a entidade We Holdings, que tem domicílio em Delaware, foi desenrolada, não está clara. McKelvey se recusou a falar com a Forbes, e a SoftBank não quis comentar.

Para McKelvey, o papel menor de se concentrar nos funcionários e na cultura era um bom posicionamento. Na WeWork, ele era conhecido por manter conversas de forma amigável sobre tópicos como desenvolver resiliência e trazer treinadores, incluindo a terapeuta de relacionamento Esther Perel. “Não existe algo como ‘fazer acontecer'”, disse ele em um discurso de formatura na Universidade de Oregon, no ano passado. “Assim que você pensa que descobriu, que está com tudo no lugar e sua vida está movendo na direção certa, algo acontece e vira tudo de cabeça para baixo.”

McKelvey e Neumann foram criados em ambientes comunais: Neumann em um kibutz em Israel e McKelvey como um dos seis filhos em uma comuna de cinco mães em Eugene, Oregon. As crianças cresceram em meio a jardinagem e vale-refeições, bebendo Tang como um presente especial de Natal. (Um dos irmãos comuns de McKelvey trabalha na WeWork.)

VEJA TAMBÉM: SoftBank oferece empréstimo de US$ 5 bi para WeWork

Ele se formou em arquitetura na Universidade de Oregon e também jogou basquete por dois anos. (Como Neumann, ele é excepcionalmente alto, com mais de 2 m altura.) Depois da faculdade, ele se mudou para o Japão, iniciando um site que ligava colegas japoneses e ingleses. Eventualmente, conseguiu um emprego em uma empresa de arquitetura no Brooklyn.

McKelvey e Neumann fizeram amizade em uma festa, e Neumann pediu a McKelvey para projetar um novo escritório para um de seus empreendimentos. “Somos pessoas totalmente diferentes. Por qualquer motivo, acabamos de nos conectar”, disse McKelvey no podcast “How I Built This”, em setembro de 2017.

A inspiração surgiu em janeiro de 2008, quando Neumann começou a alugar parte de seu escritório para alguém que encontrou no Craigslist para ajudar nos gastos. Depois que Neumann fechou um acordo com o proprietário Joshua Guttman, McKelvey ficou acordado a noite toda trabalhando com um nome, um logotipo e um site para Greendesk, um escritório compartilhado e ecológico, abastecido com café de livre comércio. Apesar da crise financeira no final daquele ano, o espaço foi preenchido rapidamente.

Esse acordo inicial se transformou no WeWork depois que eles venderam o Greendesk para Guttman e usaram os fundos para o novo negócio. “Pareceu-nos tão óbvio”, disse McKelvey à Forbes em 2014. “O que havia no mercado para escritórios não era bom – era péssimo”.

À medida que a empresa se expandia, Neumann tornou-se cada vez mais a face do negócio, enquanto McKelvey procurava por seu papel. “Eu gosto de ser o centro das atenções”, disse McKelvey em “How I Built This”. “Gosto da ideia, não quero, mas gosto muito da energia que vem disso”.

A equipe de gerenciamento da WeWork se esforçou para definir novas funções e responsabilidades à medida que crescia rapidamente, contratando milhares de trabalhadores. Com seu papel inicial em design e construção, agora ocupado por uma equipe de pessoas, McKelvey assumiu o cargo de diretor de cultura no verão de 2017. (No mesmo ano, ele se divorciou de sua esposa, Hiyam, fundadora da Pucker Makeup.) “Ele falou muito sobre o Culture OS, que era esse tipo de sistema operacional que ele pensava poder entrar nas empresas como uma maneira de refrescar a cultura das empresarial”, lembra o executivo da WeWork. 

McKelvey, que é vegano e comemorou seu 45º aniversário com um churrasco da Beyond Meat, também parece ter sido uma força motriz por trás da decisão da WeWork de abandonar a carne em 2018, incluindo a proibição de funcionários para consumo de refeições caras. “Absolutamente certo de que essa é uma das melhores coisas que já fizemos”, escreveu ele em sua conta do Instagram.

LEIA MAIS: Acordo entre SoftBank e WeWork renderá US$ 1,7 bi para Adam Neumann

Mas também havia sinais de problemas na cultura: em 2018, uma ex-funcionária da WeWork, Ruby Anaya, alegou em um processo na Suprema Corte do Estado de Nova York que a “cultura de fraternidade” da startup havia permitido má conduta sexual e ignorado suas denúncias. Ela nomeou McKelvey, seu supervisor, pessoalmente por ignorar seus pedidos de ajuda. A WeWork decidiu encerrar o caso. Algumas reclamações, inclusive contra McKelvey, foram negadas em abril, mas o caso está em andamento. A WeWork se recusou a comentar.

No entanto, a reputação de McKelvey permaneceu praticamente ilesa, já que o escrutínio pré-IPO provocou ridículo sobre o julgamento de Neumann por pressionar a WeWork a gastar milhões em um negócio de piscinas de ondas e por lançar a escola experimental de sua esposa. Os arquivos também mostraram uma potencial negociação própria, incluindo Neumann faturando milhões como proprietário da WeWork e coletando US$ 5,9 milhões pelo uso da marca comercial “We” depois de mudar o nome da marca de WeWork para The We Co. em janeiro. (Ele finalmente devolveu o dinheiro). Em setembro, o “Wall Street Journal” relatou detalhes sobre como ele bebia e se drogava em um jato particular Gulfstream G650 emprestado, comportamento que parecia ser a gota d’água para os investidores que o obrigaram a sair menos de uma semana depois.

Em 6 de novembro, Son, do SoftBank, admitiu seu “péssimo” julgamento, pois seu enorme fundo de investimento em tecnologia registrou a maior perda em seus 38 anos de história. A WeWork agora está procurando um novo CEO e planejando milhares de demissões. McKelvey ainda está lá.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).