7 fatos sobre o coronavírus que você não sabia

Reprodução/Forbes
Reprodução/Forbes

O coronavírus impactou até mesmo os campos do entretenimento e meio ambiente

A disseminação do coronavírus se intensificou nos últimos dias, com novos casos surgindo na Itália, Irã, Coreia do Sul e no Brasil, com o Ministério da Saúde confirmando ontem (26) o primeiro caso positivo da doença no Brasil. As autoridades de saúde norte-americanas alertam que o vírus provavelmente também se espalhará nos Estados Unidos. “Isso pode ser ruim”, diz a Nancy Messonnier, diretora do Centro Nacional de Imunização e Doenças Respiratórias.

As consequências econômicas do surto já são significativas, com companhias aéreas, operadoras de cruzeiros e indústrias entre as mais atingidas. A crise está abalando os mercados globais e pode causar mais de US$ 1 trilhão em danos econômicos.

VEJA MAIS: Arábia Saudita suspende entrada para peregrinação e turismo devido ao coronavírus

Mas esses são apenas os efeitos óbvios. Veja na galeria de imagens a seguir sete impactos que você não sabia:

  • 1. Emissões

    Segundo o Carbon Brief, e Lauri Myllyvirta, analista chefe do CREA (Centro de Pesquisa em Energia e Ar Limpo), houve declínio de 150 milhões de toneladas nas emissões de carbono chinesas entre 3 e 23 de fevereiro de 2020, em comparação com o mesmo período do ano passado

    Getty Images / Alexandros Maragos
  • 2. Zoom

    O preço das ações de abertura da Zoom Video Communications, que estava entre US$ 65 e US$ 70 em 1º de janeiro e subiu para um valor entre US$ 100 e US$ 105 em 21 de fevereiro. À medida que mais funcionários trabalham em casa, a demanda por seus produtos de teleconferência aumenta.

    Reprodução/Forbes
  • 3. Coca-Cola

    A China é o terceiro maior mercado da Coca-Cola. Com o coronavírus, a empresa espera que seu lucro por ação durante o primeiro trimestre seja reduzido em US$ 0,01 a US$ 0,02.

    Reprodução/Forbes
  • 4. Pandemias

    Na comparação com pandemias anteriores, o coronavírus fica ofuscado, apesar de representar uma ameaça séria. Segundo dados de hoje (27), o vírus causou quase 2.800 mortes, atingindo cerca de 0,000035% pessoas no mundo. A Peste Bubônica do século 14 afetou 16,93% da população, matando 75 milhões aproximadamente; enquanto a Gripe Espanhola, de 1918, dizimou 50 milhões (2,73% da população). A pandemia de Influenza A, em 1957, por sua vez, vitimou 1,1 milhão (0,04%). As informações são de Johns Hopkins University, o CDC, Organização Mundial da Saúde e o U.S. Census.

    Getty Images / d3sign
  • 5. Videogames

    Com a propagação do vírus, mais pessoas ficaram em casa jogando videogame. Segundo dados da plataforma de streaming chinesa DoYou, na comparação do feriado lunar de 2019 e 2020, quase dobrou o número de pessoas jogando “League of Legends”, por exemplo (cerca 27 milhões e aproximadamente 53 milhões, respectivamente).

    Getty Images / Tero Vesalainen
  • 6. Comida chinesa

    As visitas a restaurantes chineses nos EUA baixaram de aproximadamente 6,6% para 4,8%, desde o começo do ano segundo a Yelp. O número leva em conta reservas, pedidos de entrega e cliques no site, entre outros fatores, e levantou preocupações sobre xenofobia.

    Getty Images / Eugene Mymrin
  • 7. Menos dinheiro

    Segundo a Forbes, entre 1 de janeiro e 24 de fevereiro, Sheldon Adelson, Micky Arison, Terry Gou e Stelios Haji-Ioannou tiveram seus patrimônios líquidos reduzidos em US$ 2,66 bilhões, US$ 1,15 bilhão, US$ 950 milhões, e US$ 120 bilhões respectivamente. Adelson tem cassinos em Macau, Arison preside a linha de cruzeiros Carnival, Gou fundou a fabricante de eletrônicos Foxconn e Haji-Ioannou iniciou a linha aérea easyJet.

    Getty Imges / Jeffrey Coolidge

1. Emissões

Segundo o Carbon Brief, e Lauri Myllyvirta, analista chefe do CREA (Centro de Pesquisa em Energia e Ar Limpo), houve declínio de 150 milhões de toneladas nas emissões de carbono chinesas entre 3 e 23 de fevereiro de 2020, em comparação com o mesmo período do ano passado

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).