Startup apoiada por Jack Dorsey levanta US$ 10 mi para desenvolver uma rede de bitcoin no estilo da Visa

Matt Crossick/PA Images via Getty Images
Matt Crossick/PA Images via Getty Images

Jack Dorsey (acima) afirmou que mesmo investindo fortemente na Lightning Labs, ele planeja desenvolver um software para ser concorrente da startup

A startup de pagamentos em bitcoin Lightning Labs levantou US$ 10 milhões para expandir sua rede, permitindo que empresas e indivíduos usem a criptmoeda tão facilmente quanto as moedas mais tradicionais. Com base em uma rodada inicial do fundador da Square, Jack Dorsey, do cofundador da Robinhood, Vlad Tenev, e do criador do Litecoin, Charlie Lee, entre outros, a Craft Ventures liderou a captação, que contou com investidores tradicionais como Howard Morgan, ex-co head global de valores mobiliários da Goldman Sachs, John Pfeffer, da KKR, e o Under 30 da Forbes Jill Carlson, da Slow Ventures (e ex-trader da Goldman Sachs).

LEIA MAIS: Visa concede à Coinbase emissão de cartões de débito em bitcoin

Além do aumento de capital, a Lightning Labs, sediada em Palo Alto, lançou no início deste mês seu primeiro produto de serviços financeiros, o Lightning Loop, para monetizar a chamada tecnologia “camada dois”, que fica no topo da rede de blockchain do bitcoin, facilitando que as startups aceitem a criptomoeda. Com empresas tradicionais do segmento, como a Bitpay e a Coinbase, fazendo a diferença em pagamentos de criptomoeda por meio do uso da tecnologia mais tradicional, o movimento de angariação de fundos e lançamento de produtos usando o Lightning é um sinal positivo para a adoção da rede.

Mas a concorrência está chegando. Em janeiro, uma equipe de cinco pessoas que trabalhavam nos escritórios de criptografia da gigante de pagamentos Square anunciou que estava trabalhando em seu próprio kit de desenvolvedor para facilitar a construção do Lightning. Se essa nova geração de produtos de criptomoeda funcionar, seria o equivalente a uma rede de pagamentos da Visa – sem a Visa como guardiã -, segundo a cofundadora e CEO da Lightning Labs, Elizabeth Stark. “Estamos construindo uma rede semelhante para bitcoin”, diz. “Mas o que eu acho poderoso é que, diferentemente do que acontece com a Visa, qualquer um poderá operar sobre ela.”

Fundado em 2016 por Elizabeth e pelo Under 30 Olaoluwa Osuntokun, o Lightning Labs está desenvolvendo a base de código de fonte aberta Lightning Network, uma plataforma semelhante à rede Visa que fica no topo de um grupo de bancos e permite pagamentos instantâneos. Mas, diferentemente da Visa, a Lightning Network consiste em 11.000 nós que qualquer um pode executar e conta com a rede de bitcoin descentralizada subjacente para sua liquidez, não o sistema financeiro tradicional.

Desde o lançamento da primeira versão de teste da rede que usou bitcoin real, em março de 2018, 4.000 desenvolvedores começaram a trabalhar com a tecnologia, de acordo com Elizabeth, incluindo 30 startups, como a Fold App, com sede em São Francisco, que permite aos usuários comprar na Amazon, Uber e Target usando o Lightning e recebendo recompensas em bitcoin; a corretora de bitcoin River Financial, também de São Francisco, que permite aos usuários comprar e vender bitcoin no Lightning; e a bolsa de criptomoedas Bitfinex, com sede em Hong Kong, que em dezembro de 2019 começou a executar seu próprio nó Lightning.

Para efeito de comparação, todo o ecossistema bitcoin, incluindo fundos mantidos por investidores, totaliza cerca de US$ 171 bilhões, dos quais apenas US$ 30 milhões são movimentados diariamente. A Visa, por outro lado, negociou uma média de US$ 22 bilhões por dia em 2018. Para mudar isso, Elizabeth diz que startups como a dela precisam criar produtos que possam lidar com mais de sete transações de bitcoin por segundo (a Visa pode realizar 65.000 transações por segundo) e produtos financeiros mais avançados, pelos quais as pessoas estão realmente dispostas a pagar. Portanto, embora seja difícil gerar receita com a criação de tecnologias de código aberto como o Lightning nos primeiros anos, a executiva acredita que um conjunto de produtos de serviços financeiros sendo construído no topo da rede pode ajudar a tornar o Lightning Labs auto-sustentável.

VEJA TAMBÉM: Especialistas alertam que alta do bitcoin pode ser passageira

O Lightning Loop é o primeiro produto pago da empresa, cobrando dezenas de pontos base por transação para ajudar as empresas a armazenarem bitcoin diretamente na Lightning Network sem o Lightning Labs, ou outro terceiro, assumindo a custódia da criptomoeda – ao contrário das soluções tradicionais de custódia em que fornecedores de software regulamentados detêm a criptomoeda para seus clientes. Nos últimos 90 dias desde que a plataforma foi lançada para um grupo fechado, ela mais do que dobrou de volume, de acordo com Elizabeth, que descreve o volume como “nada insignificante”.

“As pessoas se perguntam como ganhar dinheiro com código aberto, mas, na verdade, estamos construindo um novo tipo de rede financeira, com todas as mais interessantes possibilidades”, diz ela.

Para ajudar a concluir outros produtos financeiros monetizados que Elizabeth diz que estão atualmente em desenvolvimento, o Lightning Labs planeja gastar a nova rodada de capital na contratação de novos desenvolvedores, um gerente de projeto e um estrategista de negócios. A empresa cresceu de 11 funcionários há um ano para 16 hoje e planeja contratar mais seis no próximo ano. Embora a executiva tenha se recusado a compartilhar detalhes sobre outros produtos financeiros em desenvolvimento, ela acrescentou que a empresa trabalhará para integrar a funcionalidade Wumbo, que promete aumentar a capacidade de transação de cada canal Lightning para cerca de 0,167 bitcoin (ou cerca de US$ 1.500), abrindo caminho para toda uma gama de produtos financeiros.

Para dar uma ideia da concorrência no espaço, o recém-lançado Coinbase Commerce processou US$ 135 milhões em pagamentos de criptomoeda em 2019 sem usar o Lightning, enquanto o veterano processador de pagamentos de criptomoeda Bitpay transacionou US$ 1 bilhão para seus comerciantes no ano passado e agora está avaliando se deve ou não adicionar suporte às carteiras Lightning. Além disso, apesar de ser um investidor no Lightning Labs, o cofundador da Square, Jack Dorsey, revelou que sua empresa estava trabalhando em softwares potencialmente concorrentes para desenvolvedores construírem na Lightning Network.

No que diz respeito ao novo investidor Jill Carlson, da Slow Ventures, quanto mais, melhor. Carlson, que tem 29 anos, passou dois anos estudando o que faz as pessoas gastarem (ou não gastarem) bitcoins. Além de ajudar a alocar a parte blockchain do fundo de US$ 220 milhões da Slow Ventures, Carlson fundou a Open Money Initiative, sem fins lucrativos, que está realizando pesquisas em primeira mão com indivíduos na Venezuela que usam bitcoin em vez do bolívar hiperinflado do país.

Carlson diz que a razão pela qual os venezuelanos usam bitcoin é porque usar uma moeda tão instável é ainda mais difícil do que operar com o bitcoin. Mas, à medida que projetos como o Lightning decolam, essa dificuldade diminui e os gastos se tornam mais prováveis. “Observando o tamanho do raio especificamente e o bitcoin de forma mais ampla, ainda parece uma área inexplorada tão grande que eu acho que é uma das poucas oportunidades de risco em que pudemos ver o crescimento de 1.000 vezes o que estamos procurando”, diz Carlson .

Outro novo investidor do Lightning, John Pfeffer, que anteriormente liderou os investimentos em private equity da KKR no setor de varejo europeu, cofundou a Pfeffer Capital com sua esposa em 2011 e comprou seu primeiro bitcoin em 2016, quando o preço era de cerca de US$ 400 (hoje ele vale US$ 9.500). Desde então, a Pfeffer investiu diretamente no desenvolvimento do código do bitcoin, patrocinando vários desenvolvedores que, de outra forma, poderiam ser forçados a trabalhar (ou não trabalhar) gratuitamente no software de código aberto, além de fazer doações para o grupo sem fins lucrativos Coin Center, iniciativa de moeda digital do MIT e do cofundador da Bitcoin Optech para ajudar os usuários da criptomoeda a implementarem melhor a tecnologia que ajuda a escalar, o que ele acredita que poderia ajudar a fortalecer a classe de ativos subjacente, mas provavelmente não gerará retornos de curto prazo . Por outro lado, Pfeffer descreve o Lightning Labs como uma rara oportunidade para que ambos aconteçam.

“É bom para o bitcoin”, diz ele. “E achamos que é potencialmente uma oportunidade de investimento direto muito atraente por si só”.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Tenha também a Forbes no Google Notícias

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).