Xiaomi vê vendas do 1° tri atingidas por coronavírus

Segundo presidente da companhia, segundo e terceiro trimestres devem trazer recuperação.

Redação, com Reuters
Compartilhe esta publicação:
Reuters
Reuters

Presidente e fundador da Xiaomi, Lei Jun em 24 de setembro de 2019

Acessibilidade


A fabricante de smartphones Xiaomi espera um impacto nas vendas do primeiro trimestre devido à interrupção causada pelo surto do coronavírus, mas acredita que a demanda se recuperará no segundo e no terceiro trimestres, disse hoje (13) o presidente-executivo da companhia.

Lei Jun fez os comentários durante lançamento da nova linha de smartphones Mi 10, transmitido ao vivo devido a restrições de viagens e grandes aglomerações em todo o país.

VEJA MAIS: Xiaomi investirá US$ 7 bi em 5G, AI e IoT nos próximos 5 anos

“As vendas de smartphones no primeiro trimestre serão impactadas, mas acreditamos que no segundo e terceiro trimestres elas reagirão”, disse Jun sobre o impacto do coronavírus.

Durante a sessão de perguntas e respostas, o executivo disse que, embora a capacidade e o estoque da empresa sejam suficientes, as entregas nas próximas duas semanas poderão ser afetadas, já que muitas fábricas na China não poderão retomar a produção até 10 de fevereiro.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

“Esperamos que nossos fãs do Mi possam entender e que as pessoas não nos repreendam”, disse ele.

Jun acrescentou que gerenciar a cadeia de fornecimento da Xiaomi é a tarefa mais difícil para a empresa no momento, e os funcionários conversam com fornecedores todos os dias.

Analistas do setor esperam que o vírus faça com que os envios de smartphones na China continental caiam cerca de 40% no primeiro trimestre, ante mesmo período do ano anterior.

A empresa disse esperar que a receita de 2019 supere 200 bilhões de iuanes (US$ 29 bilhões), acima dos 175 bilhões de iuanes do ano anterior.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: