Xiaomi investirá US$ 7 bi em 5G, AI e IoT nos próximos 5 anos

ReutersConnect/Abhishek N. Chinnappa
Investimento foi impulsionado pela disputa por mercado de tecnologia com outras empresas chinesas

A Xiaomi investirá mais de 50 bilhões de iuanes (US$ 7,18 bilhões) em inteligência artificial e tecnologias 5G nos próximos cinco anos, à medida que a concorrência no setor aumenta.

LEIA MAIS: Com aposta em tecnologia, Movvi faz caminho inverso

O presidente-executivo da Xiaomi, Lei Jun, fez o anúncio em um comunicado publicado em uma conta da empresa em uma rede social hoje (2), mas não forneceu detalhes específicos sobre os investimentos.

“Precisamos transformar nossa vantagem contínua que temos em IAoT e vida inteligente em uma vitória absoluta”, disse Lei, usando o acrônimo de Inteligência Artificial das Coisas, uma referência a uma combinação de IA e tecnologias da Internet.

O investimento intensifica a promessa da Xiaomi feita no ano passado de investir 10 bilhões de iuanes ao longo de cinco anos em uma estratégia “All in AIoT”.

A empresa começou como uma fabricante de celulares acessíveis, mas seus produtos com acesso à internet agora incluem desde smart TVs a panelas de arroz.

No entanto, a Xiaomi também enfrenta uma intensa concorrência no mercado doméstico da rival Huawei, que capturou um recorde de 42% de participação no mercado chinês de smartphones no terceiro trimestre, às custas de outros fabricantes locais e da Apple.

LEIA TAMBÉM: EUA finalizam regras que limitam exportações de tecnologia para China e outros países

Lei anunciou em outubro que a empresa planeja lançar mais de 10 modelos de celulares 5G em 2020.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).