Bill Ackman, o investidor bilionário cuja entrevista afundou o mercado financeiro

Reprodução/Forbes
Bill Ackman, o bilionário do fundo de hedge que desencadeou uma queda no mercado na quarta-feira (18)

O investidor bilionário teve um pesadelo com a Covid-19 no final de janeiro, o que poderia muito bem ter sido o enredo do thriller de pandemia “Contágio”. Quando ele acordou, começou a se preparar.

Ele começou a providenciar que os 50 funcionários de sua empresa abandonassem seus escritórios no centro de Manhattan e implantou hedges para um “dia do juízo final”. Então, Ackman sacou uma quantia enorme de dinheiro de um caixa eletrônico. Quando o Dow Jones Industrial Average estava despencando aparentemente mil pontos por dia, a empresa de US$ 5,6 bilhões de Ackman ganhava dinheiro em meio ao caos.

VEJA MAIS: Bilionários: o que os mais ricos estão fazendo em resposta à pandemia de coronavírus

Quando ele acordou ontem (18), Ackman não tinha uma mensagem agradável para os EUA. Ele foi ao Twitter recomendar uma paralisação do país. “Senhor Presidente, a única resposta é desligar o país pelos próximos 30 dias e fechar as fronteiras. Diga a todos os americanos que você está nos colocando em férias prolongadas em casa com a família. Mantenha apenas os serviços essenciais abertos. O governo paga salários até reabrirmos”, escreveu.

Então ele ligou para a CNBC por volta do meio dia para falar mais. E foi ruim.

“O inferno está chegando”, disse Ackman, em uma frenética entrevista de 28 minutos. “Desligue agora”, disse ele sobre a economia, “está chegando um tsunami”.

Ackman recomendou ao presidente norte-americano, Donald Trump, efetivamente fechar o país por 30 dias e bloquear as fronteiras para impedir a propagação do coronavírus. Sim, isso significaria um desastre econômico, então Ackman recomendou que Trump chamasse um feriado nacional e fizesse com que o governo pagasse salários, interrompesse execuções de hipoteca e ajudasse com outras contas mensais, como aluguel.

Dessa forma, os americanos ficarão em casa, e o vírus pararia de se espalhar.

Caso contrário, alertou Ackman em uma entrevista emocional que se aproximava do pânico, o país experimentará uma pandemia prolongada, que colocará muitos setores, de hotéis a restaurantes e imóveis, em recessão.

“O que está assustando o povo americano e a América corporativa agora é a implementação gradual”, disse Ackman, de medidas de contenção e distanciamento. “O capitalismo não funciona em um desligamento de 18 meses, o capitalismo pode funcionar em um desligamento de 30 dias”.

O gerente de fundos de hedge, que virou especialista amador em saúde, disse que a contagiosidade do vírus pode significar que milhões morrerão sem medidas drásticas. Ele engasgou ao falar sobre os riscos da doença para o pai idoso e revelou que alguns de seus funcionários podem ter o vírus.

“O único sacrifício compartilhado que está acontecendo agora é a comunidade da saúde, as enfermeiras, os médicos, as pessoas que cuidam dos pacientes”, disse Ackman. “O presidente não está dizendo para invadir as praias da Normandia”, disse ele, hipoteticamente, sobre sua proposta de 30 dias de paralisação. “Ele está dizendo para ir para casa, passar um mês com sua família.”

Sobre seu portfólio e Wall Street, os alertas de Ackman foram terríveis.

“Hilton é o canário da mina de carvão”, disse Ackman sobre a rede hoteleira, que é uma de suas maiores participações. Sem uma ação mais rápida, “as outras empresas de hotéis vão ser zeradas”, ele previu. No entanto, disse que sua Pershing Square estava comprando ações da Hilton quando os mercados caíram na manhã de quarta-feira.

“Tenho um enorme respeito pela KKR e a Blackstone”, acrescentou Ackman das duas ilustres empresas de private equity, antes de prever que seus negócios alavancados seriam torrados se não houvesse uma solução rápida nos próximos 18 meses. “Todas suas empresas irão à falência”, disse ele.

Após a entrevista, a Forbes descobriu que Ackman ligou para a Blackstone e disse que está comprando as ações da empresa.

Suas ideias eram infinitas: ele recomendou que Elon Musk convertesse as fábricas de carros de Tesla em fábricas de ventiladores médicos.

Enquanto ele falava, o mercado despencou, ponto a ponto.

O índice Dow Jones Industrial Average caiu mais de 1.000 pontos quando Ackman começou a falar. Precisou acionar o circuit breaker e fechou por 15 minutos. Quando reabriu, caiu mais de 2.000.

Alguns no Twitter acharam os alertas necessários.

Sua ideia de “desligar agora”, cada vez mais, está se tornando a atitude padrão de pandemia para cidades que implementam ou consideram leis de isolamento. E, nos últimos dias e semanas, especialistas em saúde responderam positivamente às advertências de funcionários públicos sobre o vírus.

Muitos elogiaram Trump por falar sobre a gravidade da pandemia no início de março, apesar de ter sido o catalisador de uma queda repentina do mercado. Antes de Ackman ir ao ar, Deborah Birx, chefe da força tarefa para coronavírus da Casa Branca, disse que muitas pessoas, principalmente jovens, não estão levando a pandemia a sério o suficiente. Sua mensagem para a geração do milênio? Você pode morrer por isso.

No entanto, outros viram um investidor bilionário em pânico falando sobre o mercado e incitando o medo.

Ackman, então, voltou ao Twitter para esclarecer suas intenções. “Essas são as barganhas de uma vida inteira, se administrarmos corretamente esta crise”, afirmou. “Alguns investidores ficaram confusos com minhas observações. Para esclarecer, estou confiante de que o presidente fará a coisa certa ao desligar temporariamente o país e fechar as fronteiras. Se isso acontecer, podemos vencer a guerra contra o vírus e os mercados e a economia dispararão”, tuitou.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).