Câmara aprova projeto de renda emergencial de R$ 600 a vulneráveis

Trabalhadores informais e microempreendedores individuais, e aqueles com renda familiar mensal per capita de até meio salário mínimo, ou renda familiar mensal total até três salários mínimos terão direito ao auxílio

Redação, com Reuters
Compartilhe esta publicação:
Wilson Dias/Agência Brasil

Rodrigo Maia (DEM-RJ) afirmou que projeto teria impacto entre R$ 10 e R$ 12 bilhões, mas os cálculos do deputado levavam em conta o valor anterior, de R$ 500

Acessibilidade


A Câmara dos Deputados aprovou ontem (27) projeto que estabelece uma renda emergencial no valor de R$ 600 aos chamados vulneráveis durante a crise causada pelo coronavírus por três meses, prorrogáveis se assim o Executivo decidir.

Terão direito ao auxílio trabalhadores informais e microempreendedores individuais, e aqueles com renda familiar mensal per capita de até meio salário mínimo, ou renda familiar mensal total até três salários mínimos, entre outros.

LEIA MAIS: Governadores enviam carta a Bolsonaro pedindo recursos para enfrentar pandemia

O substitutivo do projeto, de autoria do deputado Marcelo Aro (PP-MG), previa um auxílio de R$ 500, valor que vinha sendo discutido por parlamentares, mas durante as negociações o governo concordou em elevá-lo para R$ 600. Antes disso, o governo previa uma ajuda de R$ 200.

O texto prevê que mulheres que sejam as únicas provedoras de famílias terão direito a duas cotas do auxílio.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Mais cedo, o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), afirmou que projeto teria impacto entre R$ 10 e R$ 12 bilhões, mas os cálculos do deputado levavam em conta o valor anterior, de R$ 500.

O texto original do projeto já trazia parâmetros adicionais de caracterização da situação de vulnerabilidade social para elegibilidade ao Benefício de Prestação Continuada (BPC).

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: