Disney busca dinheiro depois de perder um terço de valor de mercado

Gigante do entretenimento procura outras maneiras de se manter lucrativa durante crise do coronavírus

Ariel Shapiro
Compartilhe esta publicação:
GettyImages/Edward Berthelot
GettyImages/Edward Berthelot

Crise do coronavírus desacelerou o bom ritmo dos negócios da Disney em 2020 e a multinacional já perdeu muito valor de mercado

Acessibilidade


A Disney irá se endividar para levantar dinheiro, de acordo com um comunicado divulgado ontem (19) junto à SEC, a Comissão de Títulos e Câmbios dos EUA, para compensar a perda de receita que sofrerá com o fechamento de parques e atrasos em lançamentos de filmes.

A multinacional, que estava em alta no início do ano com uma bilheteria de US$ 12 bilhões em 2019 e um novo serviço de streaming, perdeu quase um terço do seu valor de mercado no último mês.

LEIA MAIS: Por que a Olimpíada de Tóquio ainda não foi cancelada e o que vai acontecer se for

Na semana passada, a companhia decidiu pelo fechamento dos parques Disneyland, Walt Disney World e Disneyland Paris, além dos parques temáticos na Ásia. Somente os parques e resorts domésticos representam 30% da receita operacional da Disney, de acordo com a UBS.

A Disney alertou os investidores, em outra declaração dada hoje, que a empresa estava sendo impactada por todos os lados, com lançamentos e produção de filmes atrasados, cadeias de suprimentos sofrendo interrupções e quedas nas vendas de anúncios.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Com as taxas de juros próximas de zero, Bernie McTernan, analista da Rosenblatt Securities, diz que este é um bom momento para as empresas levantarem dinheiro em caixa. A Disney, em particular, com seu forte balanço patrimonial, está em uma boa posição para fazê-lo, diz ele.

A empresa não divulgou a quantia que buscaria através da oferta de dívida.

A Disney perdeu US$ 78,5 bilhões em valor de mercado da Disney no mês passado. É um começo difícil para o mandato de Bob Chapek como CEO.

LEIA TAMBÉM: Under 30 Andres Andrade mostra por que dark kitchens podem ser esperança para restaurantes em meio à crise do novo coronavírus

Por outro lado, a plataforma de streaming Disney+ pode receber impulso. O serviço já tem mais de 26 milhões de assinantes e um catálogo antigo de filmes que conta com a saga “Star Wars”, títulos da Marvel e clássicos da Disney para recorrer se os planos de produção estiverem em espera. O fato de ser indicado para todas as idades também ajuda: “Se você é um pai tentando entreter uma criança em casa, essa é uma ótima opção agora”, diz McTernan.

Mesmo após a pandemia, a economia do cinema pode ser completamente diferente para a Disney e o restante da indústria. A Universal quebrou sua janela de lançamentos no início desta semana, e há dúvidas sobre se os estúdios tradicionais voltarão a lançar seus filmes exclusivamente nos cinemas.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: