Fed corta juros e bancos centrais globais coordenam ação para limitar impacto do coronavírus

Yuri Gripas/Reuters
Yuri Gripas/Reuters

O Federal Reserve cortou os juros para a faixa de 0% a 0,25%

O Federal Reserve e outros bancos centrais globais agiram agressivamente ontem (16) para sustentar a economia que se deteriora rapidamente em meio à pandemia de coronavírus, com o Fed cortando os juros para perto de zero, prometendo centenas de bilhões de dólares em compras de ativos e escorando autoridades estrangeiras com a oferta de financiamento barato em dólar.

Em entrevista à imprensa, o chairman do Federal Reserve, Jerome Powell, disse que a epidemia está tendo um impacto “profundo” sobre a economia, forçando indústrias como de viagem e lazer a fecharem totalmente.

LEIA MAIS: Tudo sobre o coronavírus

Powell disse ainda que o Fed cancelou as previsões econômicas trimestrais que seriam divulgadas esta semana já que seriam um exercício fútil até que esteja claro quantas pessoas ficarão doentes, e por quanto tempo encontros públicos terão que ser desencorajados em nome da saúde pública.

“O cenário econômico está evoluindo dia a dia e depende da disseminação do vírus…Isso não é algo que se possa saber”, disse Powell ao final de uma reunião de emergência do Fed que substituiu a reunião regular que aconteceria esta semana.

Dadas as incertezas dos riscos, Powell disse que o Fed e outros bancos centrais estão agindo para garantir que os mercados financeiros continuem funcionando em todo o mundo, e tentando limitar a chance de que empresas, famílias ou instituições financeiras sejam arrasadas por qualquer queda nos negócios.

Para isso o Fed incluiu medidas dramáticas para manter o crédito a empresas e famílias, encorajando bancos a acessar trilhões de dólares em ações e ativos líquidos adquiridos como proteção desde a crise financeira.

“O vírus está provocando um efeito profundo nas pessoas em todos os Estados Unidos e ao redor do mundo”, disse Powell após o Fed cortar os juros para a faixa de 0% a 0,25% e anunciar ao menos US$ 700 bilhões em compras de Treasuries e títulos lastreados em hipotecas nas próximas semanas.

“Nós realmente vamos usar nossas ferramentas para fazer o que precisamos fazer aqui”, disse Powell, acrescentando que o Fed pode aumentar as compras de títulos e usar outras ferramentas para manter o mercado funcionando e o fluxo de crédito, o que ele chamou de função “mais importante” do Fed.

VEJA TAMBÉM: Como Bill Gates e outros 12 bilionários estão reagindo à pandemia de coronavírus

Uma ampla gama de ferramentas, incluindo empréstimos diretos a empresas financeiras, permanece à disposição do Fed, e Powell disse que o banco central não irá hesitar em usá-las se necessário.

Powell disse não poder afirmar por quanto tempo vai durar o ou tamanho que terá a retração, mas prometeu manter os juros onde estão até que as autoridades do Fed estejam “confiantes de que a economia superou os eventos recentes e esteja a caminho de alcançar as metas de emprego máximo e estabilidade de preços.

“O Fed vai adiar as estimativas econômicas oficiais até junho”, disse ele.

O Fed e outros bancos centrais também cortaram a precificação de suas linhas de swap para facilitar o fornecimento de dólares a instituições financeiras em todo o mundo que enfrentam estresse nos mercados de crédito.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).