Hyundai investe em carros elétricos, e movidos a hidrogênio ficam em segundo plano

ReproduçãoForbes
Entre a miríade de projetos que a Hyundai está realizando, o mais urgente para Eui-sun parece ser os veículos elétricos

O bilionário Chung Eui-sun tem grandes planos para o Hyundai Motor Group, o segundo maior conglomerado controlado por uma família na Coreia do Sul.

Aparentemente, o herdeiro de 49 anos está investindo em veículos de emissão zero, à medida que a indústria automobilística global está em transição para carros ecológicos. Por exemplo, o grupo Hyundai, que inclui a Kia Motors, está investindo bilhões em carros movidos a hidrogênio (que apenas emitem vapor de água de seus canos de escape). Apenas algumas semanas atrás, Eui-sun estava em Washington, D.C., para colaborar com o Departamento de Energia dos EUA na tecnologia de células de combustível de hidrogênio.

A montadora coreana também está trabalhando em carros elétricos autônomos com a Uber, parceria que a Hyundai anunciou na CES em Las Vegas no mês passado. Foi apenas um dos vários projetos futuros de tecnologia de mobilidade que a Hyundai investirá US$ 87 bilhões nos próximos anos desde que Eui-sun foi elevado a vice-presidente executivo do grupo em 2018. Nos últimos rankings da Forbes na Coreia do Sul, Eui-sun ficou em 11º lugar, com um patrimônio de US$ 2,67 bilhões.

Entre a miríade de projetos que a Hyundai está realizando, o mais urgente para Eui-sun parece ser os veículos elétricos, que estão chegando a um ponto importante neste ano. No início desta semana, o bilionário deixou a diretoria na afiliada de aço da Hyundai para se concentrar nos negócios de automóveis do grupo. Isso ocorre porque ele deve assumir oficialmente as rédeas do grupo Hyundai de seu pai, Chung Mong-koo, no próximo mês. Mong-koo, que completa 82 anos em março, está na quinta posição na lista do país, com uma fortuna estimada em US$ 4,3 bilhões.

LEIA MAIS: Uber fecha parceria com Hyundai para desenvolver carros elétricos voadores

O herdeiro está especialmente focado no mercado europeu de veículos elétricos. A Hyundai anunciou no final de janeiro que produzirá mais de 80 mil carros de emissão zero na Europa em 2020, o que a empresa espera ser mais do que qualquer outra montadora. A maioria dos automóveis ecológicos serão os elétricos Kona Electric e IONIQ Electric.

ReproduçãoForbes
KONA Electric Hyundai na Auto Expo 2020

O anúncio ocorreu na hora certa. Poucas semanas antes, a Europa se tornou o mercado de elétrico mais importante do mundo para as montadoras globais, com as rígidas regras da União Europeia sobre emissões de carbono que entraram em vigor no início de 2020. Sob as novas regras, as montadoras serão penalizadas por € 95 (cerca de US$ 104) por cada grama por quilômetro que exceda o novo limite de 95 g/km de emissões de dióxido de carbono, multiplicado pelo número total de carros vendidos na Europa.

O continente está energizando seu mercado de veículos elétricos com pesadas multas enquanto a China encerra seu generoso programa de subsídios para carros com novos tipos de energia. As vendas mensais no continente asiático, atualmente o maior mercado de veículos elétricos do mundo, têm tendência de queda desde julho do ano passado, depois que os subsídios começaram a ser reduzidos.

Embora a Hyundai tenha planos ambiciosos para a Europa, enfrenta forte concorrência em uma região que abriga BMW, Volkswagen, Audi e Renault. Também há concorrência das montadoras japonesas Nissan e Mitsubishi e, é claro, da norte-americana Tesla.

A aliança Renault-Nissan-Mitsubishi, além de Tesla e Volkswagen, que detinham cerca de 70% das vendas de veículos elétricos à bateria da Europa no ano passado, permanecerão os maiores concorrentes da Hyundai, diz Chris Robinson, analista sênior da Lux Research. Robinson acrescenta que outros grupos, incluindo o PSA Group, a Daimler e a Ford também estão aumentando suas ofertas de veículos elétricos à bateria. 

De acordo com a CleanTechnica, citando dados da EV Volumes, o grupo Hyundai vendeu pouco mais de 53 mil veículos elétricos plug-in de suas marcas Hyundai e Kia em 2019. O best-seller foi o Hyundai Kona, com 22.667 unidades, o sétimo na Europa na última década. Enquanto isso, a Tesla estava milhas à frente de qualquer outra pessoa ou empresa, vendendo 95.247 carros Modelo 3 no mesmo ano; os cinco primeiros venderam de 30 mil a 50 mil unidades.

Com base nos números do ano passado, o objetivo da Hyundai de vender cerca de 80 mil EVs na Europa em 2020 não será suficiente para vencer a Tesla, a principal fabricante desse setor no mundo. Porém, a companhia está a caminho de superar seus rivais mais tradicionais: Renault, Mitsubishi, Nissan, BMW e Volkswagen.

Enquanto a Hyundai está acelerando em direção aos veículos elétricos, seu outro projeto ecológico provavelmente ficará em segundo plano: veículos com células a combustível de hidrogênio.

A empresa ainda tem grandes planos para o hidrogênio. Em dezembro de 2018, Eui-sun anunciou o grupo Hyundai e seus fornecedores investirão 7,6 trilhões de won (US$ 6,5 bilhões) em pesquisa e desenvolvimento de hidrogênio e expansão de instalações até 2030.

E a empresa coreana se orgulha de seus FCVs, chegando a reivindicar o direito de se gabar por ter sido a primeira no mundo a produzir esses carros em massa em 2013 –o Hyundai ix35 Fuel Cell, também chamado Tucson. Até agora, as únicas outras grandes montadoras que também podem produzir FCVs em massa são a Toyota e a Honda.

ReproduçãoForbes
Suh Kyung-won, engenheiro de pesquisa sênior do Hyundai Motor Group, posa com um gerador de hidrogênio na empresa

O impulso da Hyundai para o hidrogênio também é apoiado pelo presidente coreano Moon Jae-in. A administração de Moon vem pressionando para eliminar progressivamente os combustíveis fósseis e a energia nuclear para obter fontes de energia mais limpas, como o próprio hidrogênio, chamados FCVs.

Porém, em um momento de grandes mercados de veículos elétricos com um campo de atuação relativamente nivelado, os FCVs podem receber menos atenção.

Os analistas também são cautelosos com as perspectivas de longo prazo da emergente tecnologia ecológica. “Para veículos de passageiros, não prevemos que o mercado de [FCVs] possa crescer amplamente”, diz Toru Hatano, analista principal da IHS Markit.

VEJA TAMBÉM: Hyundai mira veículos voadores com plano de investimento de US$ 52 bi

Hatano aponta para a tecnologia de bateria, que melhora rapidamente, aumentando o autonomia dos veículos elétricos e reduzindo uma das vantagens dos FCVs entre veículos ecológicos. Além disso, os movidos a hidrogênio sofrem com a falta de locais para recarga e o fato de  que empresas e governos estão expandindo a infraestrutura para os elétricos. “Como resultado, os consumidores que desejam veículos com emissão zero normalmente selecionariam os elétricos em vez dos FCV”, diz ele.

Até 2030, quando a Hyundai alcança seu plano de hidrogênio de US$ 6,5 bilhões, os analistas duvidam da popularidade dos FCVs. “Eles lutaram para obter sucesso comercial principalmente devido a limitações na infraestrutura de reabastecimento de hidrogênio e altos custos de fabricação de células de combustível”, diz Robinson, de Lux.

“Essas barreiras não serão totalmente abordadas nos próximos dez anos”, acrescenta ele, “e é improvável que [os FCVs] representem mais do que alguns por cento das vendas de veículos novos, mesmo daqui uma década”.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).