Jack Welch: o gênio dos negócios que tomou uma decisão desastrosa

GettyImages/ Brooks Kraft / Colaborador
GettyImages/ Brooks Kraft / Colaborador

Jack Welch ficou conhecido como um administrador cheio de energia e foco

Jack Welch era um CEO extraordinariamente bem-sucedido, que em duas décadas tornou a GE a empresa mais valiosa do planeta e depois viveu o suficiente para ver tudo desmoronar. Quando Welch deixou o cargo, a GE era invejada pelo mundo dos negócios, tinha uma reputação de treinar gerentes excelentes e de ser uma gigante com muita agilidade. Ele morreu no último domingo, e a empresa já havia se tornado um símbolo impressionante de gigantescos erros estratégicos e incompetência executiva.

Mas a queda da GE não diminui as conquistas de Welch durante seus anos no escritório. Ele não errou no modo de administrar seu reino cada vez mais lucrativo, mas, na verdade, na escolha de seu sucessor. Isso foi trágico, pois Welch tinha várias opções capazes, muitas das quais passaram a administrar outras grandes corporações. Meu avô, B.C. Forbes, fundador de nossa empresa, sempre disse que você aprenderá mais sobre as perspectivas de uma empresa avaliando com precisão seu CEO do que estudando seu balanço.

LEIA MAIS: Coronavírus na empresa? Veja como proceder se alguém aparecer gripado no trabalho

Quando Welch assumiu o comando em 1981, a GE, como a economia dos EUA, estava cansada e com baixo desempenho. A empresa atuava em dezenas de áreas. De certo modo, era um fundo mútuo que também gerenciava ativamente as operações de suas participações. Welch era um líder motivado e de alta energia, que mudou a GE desde o primeiro dia e nunca parou. Estar perto dele era uma experiência estimulante, pois você visivelmente sentia seu foco e intensidade quase sobre-humanos. Ele também era agradavelmente sincero. Tive várias conversas com ele sobre o Federal Reserve e como o órgão acreditava que a prosperidade causa inflação, uma noção equivocada que Welch desconstruiu com gosto.

Sob a administração de Welch, a GE continuou sendo um equipamento multidimensional, mas que sofria com operações de baixo desempenho, além de funcionários “improdutivos”. Entidades e indústrias promissoras foram ativamente perseguidas. Acordos eram fechados em um ritmo vertiginoso.

A mais notável busca de oportunidades estava nas finanças. As décadas de 1980 e 1990, em plena expansão, viram a criação de uma série de novos instrumentos para financiar negócios novos e existentes e mudar aqueles com desempenho insatisfatório. A GE não deixou seu legado industrial atrapalhar a expansão agressiva nessa área. A GE Capital tornou-se um colosso e uma máquina de lucro.

A economia global em expansão foi útil durante o reinado de Welch, mas não se engane, a GE estava na vanguarda dos eventos. Seu retorno total aos investidores superava facilmente o amplo mercado de ações. Apesar das demissões, a folha de pagamento da GE aumentou, assim como as receitas.

A crise econômica de 2008, sete anos após a aposentadoria de Welch, quase afundou a marca, porque a GE Capital dependia de financiamento de curto prazo, que praticamente secou durante o pânico do outono. A GE Capital também não havia sido administrada de perto e minuciosamente, como tradicionalmente outras partes da GE. Esses erros estão na conta dos sucessores de Welch.

LEIA TAMBÉM: 5 sinais de que a cultura corporativa está prejudicando a reputação da empresa

Mas houve um erro maior. Ao contrário do que aconteceu com as finanças, a GE não previu que a alta tecnologia era um campo maduro, com enorme potencial de longo prazo, por isso não foi agressiva e ágil. Suas incursões de alta tecnologia aconteceram tarde demais e eram burocráticas.

A história da GE neste século é um exemplo didático de que, nos mercados livres, o sucesso de hoje não garante o futuro. É uma lição que muitas pessoas ignoram, principalmente com relação ao poder e posição aparentemente inatacáveis ​​de nossos figurões de alta tecnologia.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).