Coronavírus na empresa? Veja como proceder se alguém aparecer gripado no trabalho

akinbostanci/GettyImages
akinbostanci/GettyImages

Número de casos suspeitos de covid-19 no Brasil chega 252

Neste sábado (29), foi confirmado o segundo caso de coronavírus no Brasil. O paciente é um homem de 32 anos, funcionário da XP Investimentos, que esteve recentemente na Itália (ambos os infectados brasileiros contraíram a doença no país europeu). Segundo nota oficial da XP Inc, o profissional diagnosticado passa bem e os colaboradores que tiveram contato próximo com ele estão sendo acompanhados e orientados por especialistas, e não apresentam sintomas.

No domingo, a Plataforma Integrada de Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde atualizou o número de casos suspeitos de covid-19 para 252, 45 a mais que o registrado no sábado (207). Todas as novas suspeitas estão em São Paulo.

VEJA TAMBÉM: Brasil tem 2º caso de coronavírus, diz Ministério da Saúde

Segundo Marco Aurélio Palazzi Safadi, professor de pediatria e de infectologia da faculdade de Medicina da Santa Casa de São Paulo e presidente do departamento de infectologia da Sociedade Brasileira de Pediatria, “o Brasil está em um momento de constatação e documentação da entrada do vírus no país. A tendência é que surjam novos casos de indivíduos que estiveram em áreas de risco de contágio. Nas próximas semanas, vamos entrar no estágio de transmissão sustentada pela comunidade, quando a doença passa a ser transmitida internamente”.

Diante de casos suspeitos, as companhias devem evitar alardes e buscar orientação. Segundo David Uip, Coordenador do Centro de Contingência de CoronavÍrus do Estado de São Paulo, “é de suma importância que empresas atuem com tranquilidade, busquem boa técnica e se envolvam nas campanhas de vacinação contra influenza, para controlar as transmissões virais de trato respiratório e eliminar possibilidades”.

Com base no comportamento de outros vírus, o Brasil, teoricamente, leva vantagem pelo clima quente e úmido, condições que não facilitam tanto a replicação do vírus como temperaturas frias e ambientes secos, a exemplo do Hemisfério Norte. De todo modo, “tanto na contaminação de pessoas que estiveram em países de risco, quanto em um provável estágio de transmissão sustentada pela comunidade, os grupos de risco permanecem sendo indivíduos com mais de 60 anos e/ou portadores de doenças crônicas, como diabetes e problemas cardiovasculares”, diz Safadi.

Frente ao crescente número de informações falsas, como cura por meio de medicamentos, chás e efeitos colaterais da doença, o Ministério da Saúde criou uma plataforma com informações sobre o coronavírus. Para acessar, clique aqui.

Prevenção

A XP está tomando medidas internas com relação ao caso. Em e-mail enviado aos funcionários, a empresa pede que os profissionais acompanhem uma palestra com um especialista em saúde e anuncia que receberão um kit de higiene. A companhia pede ainda que os funcionários que transitaram por países monitorados pelo Ministério da Saúde (Alemanha, Austrália, Emirados Árabes, Filipinas, França, Irã, Itália, Malásia, Camboja, China, Coreia do Norte, Coreia do Sul, Japão, Singapura, Tailândia e Vietnã) permaneçam em casa.

E AINDA: 7 fatos sobre o coronavírus que você não sabia

“Em uma medida preventiva, a empresa está recomendando aos colaboradores que estiveram em algum país da chamada “zona de risco” nas últimas duas semanas que trabalhem de casa por pelo menos 14 dias”, diz a nota enviada à imprensa.

Veja na galeria de imagens a seguir como se portar no ambiente de trabalho durante o surto do coronavírus:

  • Higiene na firma

    As formas de transmissão da doença são as mesmas do vírus influenza: saliva, espirro, tosse ou aperto de mãos. Segundo Safadi, “uma vez que o vírus esteja circulando, para diminuir a chance de contágio é necessário lavar as mãos com frequência e evitar locais com aglomerações”. Ou seja, sabão e água são os melhores amigos do funcionário e é uma boa evitar grandes eventos.

    Jay Yuno/GettyImages
  • Meu colega está espirrando

    Se o colega está gripado, o que se pode fazer é manter os rituais de higiene e orientá-lo a fazer o mesmo e buscar o serviço de saúde. Em publicação, o Hospital Israelita Albert Einstein aconselha evitar contato com pessoas doentes, tocar os olhos, nariz e boca, e higienizar as mãos com sabonete e água por pelo menos 40 a 60 segundos ou álcool gel 70% por pelo menos 20 a 30 segundos. E ressalta a importância de manter o ritual após ir ao banheiro, antes de comer e após tossir, espirrar ou assoar o nariz.

    PeopleImages/GettyImages
  • Eu estou espirrando

    De acordo com Safadi, o indivíduo que apresenta febre e manifestações respiratórias deve evitar o local de trabalho e, caso compareça, deve ser orientado a buscar diagnóstico médico e autorização para retomar a rotina de trabalho. “Ainda não há vacinas para o coronavírus; temos apenas a vacina contra a gripe que nao protege do coronavírus. Entretanto, menos pessoas gripadas significa menos pessoas no serviço de emergência e menos sobrecarga das equipes médicas em um momento de alerta”.

    Guido Mieth/GettyImages
  • Dress code: máscara

    O uso da máscara de proteção é indicado única e exclusivamente em três situações: profissionais da saúde em atendimento de casos suspeitos; indivíduos com sintomas de gripe, para evitar a transmissão; pessoas em contato direto com enfermos em casa, para evitar o contágio. Segundo Safadi, os indivíduos devem evitar o manuseio frequente da máscara e trocá-la quando apresentar sinais de umidade. O uso indevido e exagerado do mecanismo de proteção pode acarretar no desabastecimento para pessoas que realmente precisam.

    urbanzon/GettyImages
  • Férias

    Se você ou um colega esteve em países com epidemia de covid-19 nas duas últimas semanas e está com tosse ou dificuldade para respirar, o Hospital Albert Einstein aconselha isolamento domiciliar voluntário. Esses indivíduos sintomáticos devem ainda procurar ajuda médica e informar previamente (por telefone) o serviço médico sobre a viagem e os sintomas –além de evitar contato com outras pessoas, utilizar o transporte público e cobrir boca e nariz com lenço descartável ao tossir e espirrar.

    D Keine/GettyImages

Higiene na firma

As formas de transmissão da doença são as mesmas do vírus influenza: saliva, espirro, tosse ou aperto de mãos. Segundo Safadi, “uma vez que o vírus esteja circulando, para diminuir a chance de contágio é necessário lavar as mãos com frequência e evitar locais com aglomerações”. Ou seja, sabão e água são os melhores amigos do funcionário e é uma boa evitar grandes eventos.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).