Por que o novo coronavírus pode levar a WeWork ao fim

ReproduçãoForbes

A localização da WeWork em 85 Broad Street é uma que pode estar em risco de fechamento por causa do coronavírus.

Cerca de uma semana atrás, espalhou-se a notícia entre os inquilinos do espaço de escritório compartilhado da WeWork no bairro de Waterloo, em Londres, de que um funcionário que estava potencialmente doente com Covid-19 estava trabalhando no prédio. Por isso, a WeWork tomou a ação que foi repetida sete vezes, em locais que variam de Los Angeles a Denver, Seattle e Manhattan, após diagnósticos semelhantes: enviou uma equipe de limpeza para limpar os germes dos elevadores, lobby e espaços comuns para que a vida no escritório pudesse continuar sem muita interrupção. Alguns dias depois, os inquilinos descobriram que um empreiteiro que havia trabalhado no prédio por dois dias também havia sido diagnosticado.

Com o escritório finalmente reaberto, há uma preocupação crescente de que a própria WeWork possa fechar para sempre. Como o home office e o distanciamento social se tornaram, em questão de uma semana, uma política corporativa padrão para a maior parte do mundo ocidental, a ideia de “espaço de escritório compartilhado” parece semelhante à hipoteca subprime de 2008. Agora, acrescente o fato de a WeWork, uma das maiores operadoras de espaços de trabalho compartilhados, com 739 locais e cerca de 662 mil membros em todo o mundo, já ter surgido no ano passado como sinônimo de disfunção corporativa, ganância e arrogância. Para completar o cenário que se parece cada vez mais com uma fatalidade do coronavírus, a SoftBank, patrocinadora da empresa, está desistindo de um acordo de US$ 3 bilhões para comprar acionistas.

A WeWork se recusou a responder perguntas detalhadas sobre suas finanças e operações e não atualizou sua resposta contra o coronavírus além do que está em seu site, que rastreia apenas o fechamento total de edifícios. Mas algumas medidas para combater a propagação do vírus foram tomadas: a empresa parou de fornecer café da manhã e serviços de barista; suspendeu todos os eventos globalmente e, na China, desencorajou os visitantes; em outros lugares, de acordo com um porta-voz da WeWork, os escritórios estão sendo limpos com mais frequência. A companhia também está permitindo (mas não exigindo) que seus funcionários em todo o mundo trabalhem em casa. “Desde o início do surto de coronavírus, a WeWork tem monitorado de perto a situação e assegurado que medidas sejam implementadas de acordo com as orientações do CDC, da OMS e do governo local para proteger nossos funcionários e membros em todo o mundo”, diz um porta-voz da WeWork.

LEIA TAMBÉM: Como Adam Neumann fez a WeWork perder US$ 39 bilhões em um ano

Depois de conversar com inquilinos em Nova York, Londres, Washington, D.C., Santa Mônica e Phoenix, todos com pouca frequência de visitas, fica claro que os trabalhadores estão evitando os escritórios da empresa como se fosse uma praga. “Eu acho que a WeWork é potencialmente o pior lugar que você pode estar durante esta pandemia”, diz Chase Feiger, um empreendedor em série cujo último empreendimento RxDefine já havia alugado espaço da WeWork em Dallas, Santa Monica e San Francisco. Um inquilino de consultoria em tecnologia em Brooklyn Heights estimou que havia apenas oito pessoas no andar projetado para receber 100 trabalhadores de pequenas empresas na segunda-feira.

“Eles precisavam disso, como um garoto gordo precisa de mais bolo”, diz um ex-executivo da WeWork.

É uma tempestade perfeita voltada diretamente para o calcanhar de aquiles da WeWork, que a própria empresa descreveu em seu pedido S-1 antes de sua desastrosa tentativa de abertura de capital no ano passado: seus arrendamentos de edifícios são bloqueados em 15 anos em média.

Mas seus inquilinos têm a opção de assinar contratos mês a mês –e um total de 28% é executado dessa maneira, capaz de se resgatar quando nuvens escuras surgem, enquanto muitos outros fazem acordos de um ano. E esse claro fator de risco não incorporou uma pandemia, quando ficar perto de outros grupos de pessoas aleatórias se torna um risco à saúde. “É difícil imaginar que estaremos aqui em algumas semanas”, diz um empresário de Nova York, que pediu para permanecer no anonimato porque espera conseguir um contrato de arrendamento. 

“Eles acabaram de receber um enorme fluxo de caixa”, diz Jake Schwartz, cofundador e CEO da General Assembly, uma empresa de educação que anteriormente também fazia coworking e há muito tempo critica a WeWork. “Eles provavelmente não querem gastá-lo queimando por alguns meses onde as pessoas não estão lá e não pagam o aluguel”.

Ah, o dinheiro. No auge, em janeiro de 2019, a empresa foi avaliada em US$ 47 bilhões. O cofundador e CEO Adam Neumann gastou como um imperador romano, transportando 2.000 funcionários de 15 países para o campo inglês durante três dias de festas e apresentações corporativas e gastando US$ 60 milhões em um luxuoso Gulfstream G650.

Quando a empresa estava em ascensão, ele era visto como visionário e carismático. “Masa se vira para mim e pergunta: ‘Em uma luta, quem vence – o cara esperto ou o cara louco?'” Neumann contou à Forbes em uma reportagem de capa de 2017, referindo-se ao Masayoshi Son do SoftBank. “Eu digo: ‘Cara louco’ e ele olha para mim e diz: ‘Você está certo, mas você e Miguel McKelvey, outro fundador da WeWork, não são loucos o suficiente’.” Quando foi demitido em setembro, ele era visto como um bufão ganancioso.

De acordo com os registros de valores mobiliários da WeWork antes da abertura de capital, a companhia havia perdido US$ 1,9 bilhão em receitas de US$ 1,8 bilhão em 2018. Essas perdas continuaram a se expandir, atingindo US$ 1,25 bilhão apenas no terceiro trimestre de 2019, de acordo com um relatório de dívida titulares. Nos três primeiros trimestres do ano passado, as perdas atingiram US$ 2,6 bilhões e uma receita de US$ 2,4 bilhões. A WeWork não divulgou informações financeiras desde então. No entanto, seus credores parecem ter ficado cada vez mais preocupados com a possibilidade de a empresa pagar os US$ 675 milhões que havia pegado emprestado em abril de 2018. Os títulos da companhia foram negociados a um preço de US$ 0,65 na sexta-feira, de acordo com o CapIQ, um nível normalmente reservado para empresas em risco de inadimplência nos pagamentos de juros e possivelmente de falência.

A SoftBank se afastou de parte de seu resgate planejado, dizendo aos acionistas que não concluiria um acordo para comprar US$ 3 bilhões em ações da WeWork de investidores existentes, incluindo Neumann. Seu recuo também pode atrasar indefinidamente US$ 5 bilhões em novas dívidas que foram prometidas após a compra; mas não afeta os US$ 5 bilhões que prometeu à WeWork no outono passado, muito antes de o coronavírus causar estragos em seu modelo de negócios. A SoftBank se recusou a comentar, mas uma pessoa com conhecimento da situação disse que era porque a WeWork realmente não cumpriu as condições do acordo. Pode ser simplesmente uma manobra de negociação da Softbank para diminuir o preço do negócio ou adiá-lo enquanto os mercados estão tão instáveis.

A WeWork tem se mantido à tona graças a resgates e vendas de ativos. Em outubro, recebeu US$ 5 bilhões da SoftBank. Desde então, demitiu mais de 2.400 pessoas (com relatos de mais por vir) e vem vendendo parte de seus negócios com enormes prejuízos, incluindo a startup tecnológica de workplace Managed by Q e uma participação de 23% na The Wing. Em março, chegou a um acordo para vender o famoso edifício Lord & Taylor em Nova York à Amazon por US$ 1,15 bilhão, provavelmente com uma perda de nove dígitos.

Will Hailer, sócio da agência de propaganda política eStreet, que trabalha na WeWork em Washington DC, diz que não viu um aumento na limpeza ou uso de desinfetante para as mãos. “A coisa mais nojenta, literalmente, é que você toma sua bebida gelada e coloca seu copo de metal na máquina de gelo e pensa: ‘mãos de 200 pessoas estiveram nesta máquina de gelo hoje’.” Enquanto Hailer diz que gosta de estar em um espaço de coworking, ele está tão desiludido com a WeWork que está analisando outras opções e números e só pensa em ficar além do contrato atual se a empresa lhe oferecer um acordo.

Em todo o país, no final da semana, menos trabalhadores estavam no lounge comum. Os fundadores da Path, uma startup de tratamento de dependências, disseram a seus seis funcionários que começassem a trabalhar em casa na última terça-feira. O cofundador e CEO Josh Bruno está planejando que o arranjo de trabalho remoto dure por três meses. Até agora, a empresa mantém seu aluguel anual, que custa cerca de US$ 5.000 por mês, e Bruno não tem planos de finalizar esse negócio. Mas o cofundador Gabe Diop diz que, mesmo que a Path permaneça, outras startups podem ir embora. “Eu sei que outros fundadores já estavam pensando em sair à medida que cresciam. Essa é a análise de custo que você precisa fazer”, diz ele. “Eu acho que isso poderia mandar alguns fundadores embora mais cedo.”

VEJA MAIS: Ex-CEO da WeWork, Adam Neumann coloca cinco andares em edifício boutique de NY à venda por US$ 37,5 milhões

Até o momento, nenhuma cidade dos EUA exigiu que a WeWork ou outros espaços de coworking fechassem as portas, no entanto, na área da Baía de São Francisco (onde a empresa tem 27 localizações) as restrições do governo agora exigem que os moradores se “protejam” e que empresas não essenciais sejam fechadas. À medida que os casos de Covid-19 se espalham e os governos lutam para diminuir a curva de transmissão, espaços adicionais da WeWork e outros edifícios de escritórios podem ser obrigados a fechar. Alguns de seus concorrentes estão se oferecendo para isso. A The Wing anunciou na última semana que todos os seus 11 locais ficarão fechados até o final de março.

Pode haver um pouco de amortecimento para a empresa sediada em Nova York devido à sua entrada no mercado corporativo, que representa 40% dos inquilinos e um terço da receita, pois o coronavírus renova o interesse no planejamento de catástrofes. O Goldman Sachs, por exemplo, tem um andar inteiro de um prédio da WeWork em Londres reservado e configurado para uso emergencial, embora o banco não esteja atualmente usando esse espaço. “É um tipo de mentalidade de sobrevivência”, diz Joe Brady, CEO das Américas do Instant Group, um corretor e gerente de espaço flexível que atualmente trabalha com duas dúzias de empresas em busca de mesas extras devido ao coronavírus. “Você parece bobo fazendo isso, mas quando o apocalipse zumbi acontece, é bom ter seu bunker.” Mas permanecem grandes questões para a WeWork sobre quantos desses grandes inquilinos ela pode continuar atraindo e se terá de oferecer cortes substanciais de aluguel para obtê-los.

“Vamos ser lançados em um período de completa ruptura”, diz Laura Kozelouzek, CEO e fundadora da Quest Workspaces, uma pequena concorrente da WeWork, que atua no mercado de espaços compartilhados há 30 anos. “Se uma empresa de coworking estivesse mal no pré-coronavírus, não teria a capacidade de trabalhar com seus clientes para garantir seu sucesso”.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).