Aplicativo de empresa de big data pode ajudar no combate ao coronavírus

getty images
getty images

A Palantir já prestou serviços de coleta de dados ao governo norte-americano antes, ajudando na fiscalização aduaneira

Na última semana, a equipe dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC na sigla em inglês) começou a usar um novo aplicativo, que promete ajudá-los a observar onde a Covid19 está se espalhando e verifica se os hospitais estão bem equipados para lidar com o aumento nos casos fatais, segundo duas fontes familiarizadas com o projeto. De acordo com essas pessoas, o app foi construído pela Palantir, uma empresa de big data com valor de US$ 20 bilhões, cujo trabalho de coleta de dados para a agência de Imigração e Fiscalização Aduaneira dos EUA gerou críticas de grupos de direitos humanos.

Com esse novo projeto, está evitando qualquer controvérsia, em parte porque não usa informações de identificação pessoal, disseram as fontes, que falaram sob condição de anonimato devido às sensibilidades do contrato do governo. Elas disseram que a tecnologia, com base na coleta e análise de dados chamada Palantir Foundry, reúne uma variedade de informações anonimizadas de hospitais e agências de saúde dos EUA, incluindo resultados de testes de laboratório, status de departamentos de emergência e sua capacidade que vai de número de camas a suprimento de ventiladores. A Palantir também está desenvolvendo modelos para ajudar o CDC a prever onde os recursos são necessários.

LEIA MAIS: Apple e Casa Branca lançarão aplicativo sobre Covid-19

“Nos EUA, continuamos com a estreita colaboração com nossos parceiros no departamento de saúde, incluindo o CDC, entre outras agências governamentais, para garantir que tenham uma visão mais abrangente, precisa e oportuna das informações à medida que o esforço de resposta à Covid-19 evolui”, um porta-voz da Palantir disse. O CDC não comentou a respeito até o momento da publicação desta matéria.

Essa tecnologia daria ao CDC uma compreensão clara do que está acontecendo em qualquer região dos EUA, seja em um estado, município ou cidade. A informação ajudaria a entidade a decidir como alocar recursos como máscaras e ventiladores, disse uma fonte. Isso poderia ser vital, dada a pressa de atender a uma necessidade generalizada e urgente de ventiladores, em particular.

A Palantir é uma das várias empresas de tecnologia, incluindo Google e Oracle, flexionando suas proezas na coleta e análise de dados em esforços para conter o coronavírus. Algumas ideias, como o uso da localização de telefones celulares para rastrear movimentos de pessoas, suscitaram preocupações de que, uma vez que a crise diminua, será mais difícil relaxar com o aumento da vigilância. A ferramenta da Palantir não usa nenhum dado de identificação pessoal neste momento, mas poderia no futuro, disse uma das fontes.
Palantir is one of several tech companies, including Google and Oracle, flexing their

Projeto similar no Reino Unido

O aplicativo que a equipe do CDC começou a usar nos últimos dias é hospedado pela Amazon Web Services como parte de uma parceria para o projeto, disse uma das fontes. A Palantir há muito tempo usa o gigante da nuvem para infraestrutura de back-end.

O aplicativo de coleta de dados nos EUA se parece muito com um projeto revelado no Reino Unido na semana passada, onde relatórios indicam que a Palantir também estava fornecendo sua plataforma, com a Amazon Web Services e a Microsoft, para ajudar o Serviço Nacional de Saúde (NHS) na crise do coronavírus.

O Palantir’s Foundry ajudará o NHS a determinar os níveis atuais de ocupação nos hospitais, até o número e o tipo de leitos, assim como a capacidade de acidentes e emergências, departamentos e tempos de espera, escreveu o governo do Reino Unido na semana passada. A ferramenta também está reunindo detalhes do tempo de permanência dos pacientes com coronavírus, disseram os coordenadores do projeto no Reino Unido. “Palantir é um processador de dados, não um controlador de dados, e não pode transmitir ou usar os dados para qualquer finalidade maior sem a permissão do departamento”, acrescentou.

VEJA TAMBÉM: “Receita para o desastre”: Bill Gates pede isolamento estrito para combater coronavírus nos EUA

A resposta ao envolvimento da Palantir no Reino Unido foi cautelosa à luz de seu trabalho anterior de vigilância, principalmente a produção de ferramentas que ajudaram a encontrar imigrantes ilegais nos Estados Unidos. Ele tem laços estreitos com as agências de inteligência e policiais dos EUA, incluindo a CIA, um investidor através do fundo de risco In-Q-Tel da agência, e foi creditado por ajudar a encontrar Osama Bin Laden antes de sua morte. A empresa foi fundada pelo doutor em teoria social Alex Karp, associado de longa data do investidor da Palantir, Peter Thiel, o bilionário capitalista de risco que também foi um dos primeiros a apoiar o Facebook.

Não está claro quanto a Palantir ganhará com o trabalho. Segundo registros públicos, o contrato mais recente assinado pela Palantir com o CDC foi no início de fevereiro por US$ 675 mil para renovações não especificadas de licenças de hardware e software. A empresa também assinou um contrato de apenas US$ 28 mil com o FDA, a administração de alimentos e medicamentos norte-americana, no final do mês passado para o uso da ferramenta Palantir Gotham, que normalmente é utilizada para ajudar agências governamentais a encontrar criminosos ou grupos criminosos dentro de uma grande quantidade de dados.

O aplicativo foi lançado na semana passada, embora o trabalho no projeto de coronavírus com o CDC tenha começado há duas semanas, disse uma fonte com conhecimento do assunto. A Palantir também está trabalhando com serviços de saúde e outros clientes do governo federal, acrescentaram.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Tenha também a Forbes no Google Notícias

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).