Câmara aprova ampliação de acesso a renda emergencial

Ueslei Marcelino/Reuters
Ueslei Marcelino/Reuters

Projeto aprovado na Câmara amplia o acesso à renda emergencial de R$ 600 à população vulnerável

A Câmara dos Deputados aprovou ontem (16) o projeto de autoria do Senado que amplia o acesso à renda emergencial de R$ 600 à população vulnerável durante a crise do coronavírus.

Senadores cobravam a votação da proposta da Câmara, ao ponto de o presidente da Casa, Davi Alcolumbre (DEM-AP), defender o princípio da “reciprocidade”, uma demonstração de desconforto por entenderem que se dedicam a matérias enviadas pela Câmara mas não identificam o mesmo tratamento a projetos produzidos pelo Senado.

LEIA MAIS: Bancos preparam pacote de socorro de R$ 50 bi a setores afetados pela crise

A proposta analisada pela Câmara ontem era uma das demandas dos senadores. Deputados alteraram alguns pontos da matéria. O relator do projeto, deputado Cezinha de Madureira (PSD-SP), ampliou a lista de categorias de trabalhadores informais com direito ao benefício.

Segundo ele, a lista é “exemplificativa”, e não tem o “condão de excluir trabalhadores que lá não estão, tampouco de assegurar àqueles lá enumerados o recebimento do auxílio”, lembrando que o projeto traz uma série de requisitos a serem preenchidos para o acesso à renda.

Como o texto passou por mudanças, deve ser devolvido ao Senado para uma última análise.

O texto aprovado impede as instituições financeiras de descontar ou compensar dívidas ou saldos negativos preexistentes do valor do benefício.

Mantém a previsão de pagamento de duas cotas do auxílio às chamadas famílias monoparentais, independentemente do sexo do chefe de família.

Também autoriza a suspensão das parcelas de empréstimos do Fundo de Financiamento Estudantil (Fies).

VEJA TAMBÉM: STF garante a Estados e municípios competência para definir regras de isolamento

Um destaque do PSB aprovado proíbe a recusa do auxílio emergencial ao “civilmente identificado” que declarar “sob penas da lei” não ter CPF, segundo a Agência Câmara de Notícias.

A pressão para que o projeto fosse analisado pelos deputados chegou ao ponto de o Senado deixar em segundo plano projeto patrocinado pelo presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), de auxílio a Estados e municípios para compensar sua perda de arrecadação.

O deputado reconheceu a prerrogativa dos senadores de modificarem a proposta, mas considerou desnecessária apensá-la e substituí-la por matéria oriunda do Senado, o que daria à Casa o direito de dar a palavra final sobre o tema. Para Maia, o movimento desequilibra a relação institucional entre as duas Casas e pode gerar um impasse. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).