Senado dos EUA pede que membros evitem Zoom

Dado Ruvic Ilustração/Reuters
Dado Ruvic Ilustração/Reuters

Uso do Zoom disparou depois que partidos políticos, escritórios corporativos, escolas, organizações e milhões em todo o mundo começaram a trabalhar em casa por conta da pandemia de Covid-19

O Senado dos EUA disse aos seus membros para não usar o aplicativo de videoconferência Zoom devido a questões de segurança de dados, informou o “Financial Times” hoje (9), mesmo com a empresa tentando controlar uma reação global contra seu aplicativo, que tem mostrado rápido crescimento.

Foi pedido aos senadores que encontrassem uma plataforma alternativa para trabalhar remotamente, informou o “Financial Times” citando uma pessoa que viu o comunicado, acrescentando que o Senado ficou perto de proibir oficialmente o serviço da Zoom Video Communications Inc..

VEJA TAMBÉM: Zoom enfrenta processo por não divulgar falhas de segurança

O uso do Zoom disparou depois que partidos políticos, escritórios corporativos, escolas, organizações e milhões em todo o mundo começaram a trabalhar em casa após os bloqueios impostos para retardar a propagação do coronavírus.

O grande afluxo de usuários em sua plataforma, no entanto, suscitou preocupações que vão desde a falta de criptografia de ponta a ponta das sessões de reunião, roteamento de tráfego pela China e “zoombombing” – quando convidados indesejados interrompem as reuniões.

Para resolver essas preocupações, a empresa contratou o ex-chefe de segurança do Facebook Alex Stamos como consultor e formou um comitê consultivo para analisar suas práticas de privacidade e segurança.

Ontem (8), o Google, da Alphabet, baniu a versão para desktop do Zoom de seus laptops corporativos.

E AINDA: Anvisa para de usar ferramenta de videoconferência Zoom

Taiwan e Alemanha já impuseram restrições ao uso de Zoom, enquanto a SpaceX de Elon Musk proibiu o aplicativo por questões de segurança. A empresa também enfrenta uma ação coletiva.

O Zoom não respondeu imediatamente a um pedido de comentário sobre a reportagem.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).