Adam Neumann, cofundador da WeWork, processa SoftBank por abandonar a compra de US$ 3 bilhões

Getty Images
Getty Images

Em 2017, o CEO da WeWork, Adam Neumann disse à Forbes: “Nossa avaliação e tamanho são hoje muito mais baseados em nossa energia e espiritualidade do que em um múltiplo de receita”

Adam Neumann acaba de declarar guerra ao Softbank.

O cofundador da WeWork e ex-CEO entrou com uma ação contra o conglomerado fundado por Masayoshi Son, que já foi sua líder de torcida mais poderosa, no Tribunal de Chancelaria de Delaware na noite de ontem (5). A medida adiciona Neumann a uma discussão legal que começou quando um comitê especial do conselho entrou com uma ação semelhante em nome da The We Company no mês passado. A ação de Neumann inclui uma moção para consolidar as duas.

A reclamação é o primeiro vislumbre público das intenções de Neumann desde que ele foi destituído como CEO em setembro, após a falha na oferta pública da empresa. O processo, impensável há apenas seis meses, é a mais recente reviravolta do drama que envolveu a companhia.

VEJA MAIS: WeWork processa SoftBank após oferta de recompra de US$3 bi fracassar

A questão está na decisão do SoftBank, de 1º de abril, de abandonar os planos de compra de US$ 3 bilhões em ações da WeWork de investidores minoritários. A oferta fez parte de um pacote de resgate oferecido à WeWork em outubro, após a falha no IPO. O cancelamento impediu que Neumann coletasse até US$ 970 milhões com a venda de ações ao investidor japonês.

O processo alega que o SoftBank tomou medidas para minar o acordo em dezembro de 2019, impedindo o fechamento de um negócio da WeWork na China, o que era um pré-requisito para a oferta pública. “Depois de ganhar o controle da WeWork e do conselho, a SBG e a SBVF renegaram sua promessa de pagar pelos benefícios que já haviam recebido”, diz a denúncia, referindo-se ao SoftBank Group e ao Vision Fund do SoftBank. Como motivo, a reclamação aponta para a condição financeira “deteriorada” do SoftBank.

O diretor jurídico do SoftBank, Rob Townsend, classificou as reivindicações como “sem mérito” e disse: “Sob os termos do nosso contrato, assinado por Adam Neumann, o SoftBank não tinha nenhuma obrigação de concluir a oferta pública na qual o Sr. Neumann –o maior beneficiário– procurava para vender quase US$ 1 bilhão em ações”.

As duas empresas tiveram um romance conturbado. A SoftBank investiu US$ 3 bilhões na WeWork em março de 2017, após uma reunião de 12 minutos entre Son e Neumann, que fundou a empresa em 2010 com Miguel McKelvery. O investidor liderou mais duas grandes rodadas de financiamento que avaliaram a WeWork em US$ 47 bilhões e a participação de Neumann em mais de US$ 4 bilhões em janeiro de 2019, financiando a expansão insustentável –e rápida– da empresa.

“Você e Miguel não são loucos o suficiente”, disse Son a Neumann no momento de seu primeiro investimento.

Em setembro, o conselho da WeWork removeu Neumann como CEO. Ele supervisionava a empresa, que acumulava enormes perdas e a oferta pública falida expunha questões generalizadas de governança corporativa. Um artigo do “Wall Street Journal” falando do uso de maconha de Neumann e outros atos questionáveis ​​foi a gota d’água.

Com necessidade de capital, o conselho da WeWork votou a favor do resgate do SoftBank, em vez de um pacote de dívida concorrente de US$ 5 bilhões do JPMorgan. O acordo com o SoftBank correspondia ao JPMorgan em dívida corporativa, mas era muito mais favorável a Neumann pessoalmente por causa da oferta pública, uma taxa de consultoria de US$ 180 milhões e uma linha de crédito de US$ 500 milhões para quitar outras dívidas.

Neumann não fala publicamente desde sua queda e passou boa parte dos últimos meses em Israel, onde cresceu. De volta a Nova York, uma porta giratória de executivos liderada pelo presidente executivo da WeWork, Marcelo Claure, que também é diretor de operações do SoftBank, tentou estabilizar a WeWork. A empresa demitiu mais de 2.650 funcionários, incluindo muitos na semana passada, enquanto empresas e edifícios foram vendidos.

Em meados de março, quando o surto de coronavírus ganhou um impulso devastador e deixou muitos locais da WeWork vazios, Son notificou os investidores de que o SoftBank tinha motivos para renegociar a oferta pública, apontando condições não atendidas, incluindo investigações regulatórias em andamento na WeWork e falha na consolidação de seus negócios na China. Minutos após o prazo final de 1º de abril, o SoftBank informou os investidores que não avançaria com a oferta pública.

Em 7 de abril, os antigos conselheiros Bruce Dunlevie, da Benchmark, e Lew Frankfort, ex-CEO da Coach, entraram com uma ação no Tribunal de Chancelaria de Delaware em nome de todos os acionistas minoritários. Eles juntaram um comitê especial, originalmente formado para avaliar as ofertas de resgate concorrentes da SoftBank e JPMorgan.

Esse processo alega que os executivos do SoftBank tomaram medidas para sabotar a compra assim que o contrato original foi assinado. A Benchmark, que possui 8% da WeWork, poderia ter feito mais de US$ 350 milhões na oferta pública, de acordo com um documento revisado pela Forbes. O SoftBank questionou os motivos de Dunlevie e Frankfort e o direito de entrar com uma ação, chamando de “tentativa equivocada agora de reescrever esse contrato e reescrever a história dos últimos seis meses”.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).