Elon Musk mostra apoio a Richard Branson após falha no lançamento de foguete da Virgin Orbit

ReproduçãoForbes
A Virgin Orbit de Branson começou a vida como uma agitação do projeto de turismo espacial da Virgin Galactic

A Virgin Orbit, de Richard Branson, falhou em suas tentativas de lançar um foguete sobre o oceano Pacífico, à medida que a corrida espacial pelo pequeno mercado de satélites se intensifica.

O plano de lançar um foguete sob a asa de um 747 aposentado, conhecido como Cosmic Girl, de Mojave Air e Space Port, ao norte de Los Angeles, foi “encerrado com segurança” depois que o foguete LauncherOne “pegou”, mas não conseguiu entrar em órbita.

LEIA MAIS: Richard Branson venderá ações da Virgin Galactic por conta dos prejuízos com Covid-19

A simpatia e o apoio à tentativa fracassada da Virgin vieram de Elon Musk, da Tesla, que respondeu à notícia no twitter: “Sinto muito ao ouvir isso. Órbita é difícil. Fizemos quatro tentativas com o Falcon 1”. O Falcon 1 foi o primeiro foguete movido a líquido desenvolvido em particular a alcançar a órbita com sucesso em setembro de 2008, completando o lançamento após três tentativas fracassadas com um sentimento “muito mais de alívio do que euforia”, relata Musk. 

Embora obviamente desapontada, a Virgin confirmou que os dados do teste serão valiosos e, com o próximo foguete nos “estágios finais” do desenvolvimento, as missões subsequentes “não estão muito longe da conquista.”

O CEO da Virgin Orbit, Dan Hart, disse em comunicado:

“Cumprimos muitos dos objetivos que estabelecemos para nós mesmos, embora não tantos como gostaríamos. Mesmo assim, demos um grande passo hoje. Nossos engenheiros já estão examinando os dados. Nosso próximo foguete está esperando. Vamos aprender, ajustar e começar a nos preparar para o próximo teste, que será em breve.”

Corrida espacial bilionária

A Virgin Orbit de Branson começou a vida como uma agitação do projeto de turismo espacial da Virgin Galactic, que veio a público no ano passado.

Chad Anderson, do Space Angels, disse à Forbes no ano passado que a Virgin Orbit tomou forma depois de investimentos da Aabar, um dos fundos soberanos de Abu Dhabi. “Um dos requisitos era que eles diversificassem sua oferta de produtos. O voo espacial humano era interessante, mas arriscado e não comprovado, e, portanto, eles queriam aplicar sua tecnologia de foguete ao lançamento de satélites –um mercado já comprovado. E assim fizeram.”

Branson gastou mais de US$ 1 bilhão na Virgin Galactic, Virgin Orbit e Spaceship Company, mas a pandemia de coronavírus forçou a repensar suas prioridades a partir do início deste mês, com planos de vender até US$ 400 milhões de suas ações na Virgin Galactic para ajudar a economizar outros braços de seu império, a companhia aérea Virgin Atlantic.

VEJA TAMBÉM: SpaceX lançará primeira missão espacial tripulada

Com o preço das ações à US$ 15 –abaixo da alta de US$ 37 em fevereiro deste ano, o Virgin Group confirmou na declaração que “usará qualquer produto para apoiar seu portfólio de negócios globais de lazer, férias e viagens que foram afetados pelo impacto sem precedentes da Covid-19.”

No início de maio, a Virgin Atlantic anunciou que cortaria 3.150 empregos e encerraria voos a partir de Londres Gatwick, com o CEO Shai Weiss alertando que, embora a companhia aérea tenha “resistido a muitas tempestades”, nada “foi tão devastador quanto o coronavírus e a perda de vidas associadas.”

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).