Rolls-Royce cortará 9 mil empregos

Paul Ellis/Reuters
Os 9 mil de empregos serão provenientes predominantemente dos negócios aeroespaciais civis da Rolls-Royce

A Rolls-Royce planeja cortar pelo menos 9 mil empregos, mais de um sexto de sua força de trabalho, no mais recente golpe para o setor de aviação do Reino Unido causado pela pandemia de coronavírus.

A empresa, que fabrica motores para aviões como Boeing 787 e Airbus 350, disse hoje (20) que também pode fechar fábricas à medida que encolhe para se adequar a um mercado menor após a crise.

VEJA TAMBÉM: Rolls-Royce encabeça projeto que pretende lançar avião elétrico

“Temos que reduzir nossa base de custos e nos adaptar ao novo mundo, combinando nossa capacidade com a demanda esperada”, disse Warren East, presidente-executivo da Rolls-Royce, revelando a maior rodada de demissões na empresa desde sua privatização em 1987.

Os 9 mil empregos, de uma equipe global de 52 mil funcionários, serão provenientes predominantemente dos negócios aeroespaciais civis da Rolls-Royce, que geram pouco mais da metade da receita anual de 18 bilhões de dólares da empresa.

A Rolls-Royce espera obter uma economia anual de custos de 1,3 bilhão de libras, com cerca de 700 milhões provenientes de demissões e outros cortes que podem incluir o fechamento de fábricas. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).