Vendas do comércio no Dia das Mães caem 41% ante 2019, diz Boa Vista

Compras online reduzem perdas, mas não são suficientes.

Redação
Compartilhe esta publicação:
GettyImages/ Alistair Berg
GettyImages/ Alistair Berg

O comércio online não foi suficiente para evitar grandes baixas nas vendas

Acessibilidade


As vendas do comércio nacional para o Dia das Mães recuaram 41% em 2020, na comparação com 2019, segundo levantamento do Boa Vista enviados ao Broadcast, sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado. No ano passado, o resultado havia sido positivo em 1,7%. É o pior resultado desde 2008. Nesse período, a maior queda havia sido de 4,6% em 2016.

A instituição avalia que a queda abrupta nas vendas na segunda data comemorativa mais importante para o comércio no ano, perdendo apenas para o Natal, evidencia o cenário fraco para a atividade devido às restrições impostas pela pandemia de coronavírus.

LEIA MAIS: Coty venderá participação majoritária na Wella e outras marcas

“O fechamento de boa parte do comércio relevante para a data, como lojas de vestuário, cosméticos, eletrodomésticos, móveis e eletroeletrônicos, e a restrição à circulação de pessoas limitaram demasiadamente as possibilidades de compra dos consumidores”, diz a nota da Boa Vista.

O economista da instituição, Flávio Calife, pontua que as vendas online reduzem as perdas, mas não são suficientes para compensar as quedas fortes das lojas físicas.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

LEIA TAMBÉM: Projetos sociais pelo Brasil buscam salvar vidas e manter a economia girando

O cálculo do volume de vendas para esta data foi baseado em uma amostra das consultas de CPF realizadas no banco de dados do Boa Vista, o SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito), com abrangência nacional. Para esta data foram consideradas as consultas realizadas no período de 4 a 10 de maio de 2020, comparadas às consultas realizadas entre 6 a 12 de maio de 2019. (Com Agência Estado)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: