Ação da Vale pode ter impulso com recuperação dos preços do petróleo, diz UBS

Divulgação
No acumulado de 2020, os papéis da mineradora estão praticamente estáveis

As ações da mineradora Vale podem ser impulsionadas pela tendência de recuperação nos preços internacionais do petróleo, uma vez que esse movimento pode impactar custos como o frete e consequentemente as cotações do minério de ferro, principal produto da companhia, apontaram analistas do banco suíço UBS em relatório hoje (3).

Os papéis da Vale já subiram quase 60% desde mínimas tocadas no final de março, quando a pandemia de coronavírus começou a se agravar no Brasil, acompanhando um avanço nos preços do minério de ferro na China.

VEJA TAMBÉM: Vale entra em negociação exclusiva com australiana NCZ para venda de Nova Caledônia

Os futuros da matéria-prima utilizada na fabricação do aço têm sido impulsionados pela gradual retomada das atividades na economia chinesa e mais recentemente por temores sobre possíveis consequências dos crescentes casos de coronavírus e mortes pela doença no Brasil sobre a produção da Vale.

Essa alta do minério de ferro também está no radar do UBS, que projetou preços entre US$ 65 e US$ 87 por tonelada para o produto, contra patamar de US$ 60 precificado pela Vale.

“Nós atualizamos Vale para ‘compra’ pela primeira vez desde que iniciamos a cobertura em junho de 2013”, escreveram os analistas sobre os papéis da empresa.

Para eles, o petróleo poderia ter efeito mais relevante sobre as ações da Vale do que um eventual salto nas cotações do minério de ferro que seja puxado por fatores de curto prazo, como estímulos na China ou uma redução temporária da oferta.

“Acreditamos que o mercado pagará um valor de mercado justo por uma elevação estrutural nos preços do minério de ferro puxada pelo petróleo subindo além do ponto de equilíbrio dos produtores, mas não por uma elevação temporária dos preços do minério (por estímulos ou interrupções de oferta)”, apontaram.

E AINDA: Fundo soberano norueguês veta aporte em Vale e Eletrobras por Brumadinho e Belo Monte

Segundo eles, a correlação entre os preços do minério de ferro e as ações da mineradora brasileira caiu para cerca de 50% nos últimos anos, sendo às vezes até negativa, enquanto a correlação com o petróleo aumentou para mais de 90%.

“A correlação com o petróleo não é coincidência, mas guiada pelo impacto material do petróleo sobre a curva de custos do minério de ferro (frete marítimo, mineração, transporte via caminhões)”, explicaram.

As expectativas otimistas do UBS para a Vale levam em conta a visão altista da área e energia do banco sobre o petróleo, com projeção de preço de 48 dólares por barril em 2021.

O petróleo Brent operava pouco abaixo de US$ 40 na manhã desta quarta-feira (horário de Brasília), após ter chegado a tocar mínima de 21 anos em abril, a US$ 16.

Os analistas do banco suíço também destacaram a expectativa de que a Vale retome gradualmente capacidade de produção desativada depois do desastre de Brumadinho em 2019, o que diluiria custos e compensaria em parte uma esperada redução dos preços do minério de ferro em 2021.

LEIA AQUI: Vale investe US$ 1 milhão em projetos de combate à Covid-19

Para eles, a recente alta nas cotações do minério está mais associada aos temores sobre redução da produção do que à força da demanda.

O principal risco negativo no cenário otimista traçado para as ações da Vale seria um eventual aumento de impostos sobre o setor de mineração no Brasil, além de preocupações associadas a sustentabilidade, questões sociais e governança (ESG, na sigla em inglês), disseram os analistas.

No acumulado de 2020, os papéis da mineradora estão praticamente estáveis.

As cotações das ações da Vale estão ainda cerca de 1,5% abaixo dos valores vistos em 24 de janeiro de 2019, antes do rompimento de uma barragem da companhia em Brumadinho (MG), que deixou centenas de mortos. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Inscreva-se no Canal Forbes Pitch, no Telegram, para saber tudo sobre empreendedorismo: .

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).