Como Warren Buffett está ajudando a transformar hectares de esterco em energia limpa com um acordo de US$ 10 bilhões

gettyimages-Taylor-Hill
gettyimages-Taylor-Hill

Para Buffett, o acordo complementa a rede de dutos de 16 mil milhas da Berkshire Hathaway

“Porcos são extremamente eficientes”, diz Kraig Westerbeek, que supervisiona a produção de energia renovável da Smithfield Foods, a maior produtora mundial de carne suína. “Eles comem 2,4 quilos de alimento por quilo de ganho”, fala. “E eles produzem mais gases por quilo de seu peso”.

Westerbeek está falando sobre gases de efeito estufa emitidos pelos milhões de porcos que suas fazendas industriais produzem a cada ano. Dentro de seus celeiros gigantes, o esterco e a urina escorrem por buracos em um piso de concreto antes de serem canalizados para poços ao ar livre, chamados de lagoas –algumas do tamanho de quatro campos de futebol. Nesses lagos de criação, as bactérias que ocorrem naturalmente –chamadas metanogênicos, continuam a alimentar e soltar mais gás. Todo esse metano acaba na atmosfera, e isso é uma má notícia para o planeta. O metano acumula 25 vezes mais o efeito estufa em relação ao vilão ambiental mais conhecido, o dióxido de carbono. Para piorar a situação, há muito tempo, é uma prática comum que os agricultores pulverizem resíduos odoríferos nas lagoa de terras agrícolas como fertilizantes ricos –sujeitando Smithfield e sua antiga subsidiária produtora de suínos, a Murphy-Brown, a litígios ambientais e publicidade contundente, à medida que as comunidades locais lidam com o problema de mau cheiro e riscos à saúde.

VEJA TAMBÉM: Inscreva-se no Canal Forbes Pitch, no Telegram, e fique por dentro de tudo sobre empreendedorismo

Mas hoje, Westerbeek tem uma história melhor para contar. Nos últimos anos, a Smithfield tem trabalhado para aperfeiçoar métodos de tampar as lagoas com pesadas coberturas plásticas que prendem o metano (e grande parte do cheiro). O gás infla as cúpulas de plástico em quantidades suficientes para as pessoas caminharem –como um colchão de ar grosso. A Smithfield firmou parceria com a gigante Dominion Energy, de Richmond, na Virgínia, para comercializar o gás. De acordo com o plano, a Dominion retirará o gás suíno desses digestores anaeróbicos, injetará nos dutos interestaduais e o venderá para clientes que desejam reduzir suas pegadas de carbono. O resultado final é sem dúvida a eletricidade mais limpa do país, diz a diretora de operações da Dominion, Diane Leopold. “É uma troca de ganho”. Nos projetos de energia renovável, ela diz, “trata-se de quantas caixas você pode dar check. Aqui temos uma caixa extra.”

Na próxima década, a Dominion pretende investir US$ 650 milhões em projetos de gás derivados da agricultura. A Smithfield contribuirá com outros US$ 250 milhões. O resultado esperado: 8 bilhões de pés cúbicos por ano de gás de criação –evitando assim as emissões equivalentes a 3,5 milhões de toneladas por ano de CO2. É como tirar 750 mil carros permanentemente da estrada ou plantar 60 milhões de árvores novas todos os anos. Pode parecer estranho, mas a substituição de apenas 12% do gás combustível fóssil por metano capturado em porcos, vacas leiteiras ou aterros sanitários “pode ​​zerar” as emissões, diz Leopold.

Reprodução
Reprodução

O resultado final é sem dúvida a eletricidade mais limpa do país, diz a diretora de operações da Dominion

Ajuda a subsidiar esses investimentos os US$ 10 bilhões (US$ 4 bilhões em dinheiro; US$ 6 bilhões em dívidas assumidas) que a Berkshire Hathaway disse na segunda-feira que pagará pelas 7.700 milhas de gasodutos de longo curso da Dominion. A Dominion teve que vender seus oleodutos para financiar investimentos em energias renováveis, diz Hugh Wynne, da SSR. E isso deu a Warren Buffett a oportunidade em apostar nessas empresas da Berkshire, a um bom preço. “Buffett está aproveitando”, diz Wynne.

Para Buffett, o acordo complementa a rede de dutos de 16 mil milhas da Berkshire Hathaway, apoiando assim sua aposta de que o gás natural finalmente acabará com o carvão e será um dos pilares da geração de energia dos EUA nas próximas décadas. A Berkshire já possui grandes parques eólicos que geram 6.600 megawatts em todo o Ocidente –portanto, também possui energia renovável. E o dinheiro da Berkshire fará o dobro do dever ambiental, pois a Dominion usará parte do dinheiro para ajudar a construir seu futuro verde. No total, a Dominion espera fazer cerca de US$ 55 bilhões em investimentos até 2035 em fontes de energia de baixo carbono –impulsionada pelo novo e agressivo mandato da Virgínia que demanda uma eletricidade 100% livre de carbono até 2045.

Uma grande mudança da antiga Dominion Energy. A empresa foi fundada como Virginia Railway Power Co. em 1909 por Frank Jay Gould, filho do barão ladrão Jay Gould, e tem raízes firmes no carvão dos Apalaches. Ainda em 1995, quando seu atual CEO, Tom Farrell, assumiu o cargo de consultor jurídico, mais da metade de sua energia vinha da queima de carvão.

Nos últimos 15 anos, a Dominion reduziu suas emissões de dióxido de carbono em 52%, primeiro substituindo usinas a carvão por gás natural barato e abundante e, mais recentemente, investindo em energia solar e outras renováveis. Em uma década, a pegada de carbono da geração de energia da Dominion caiu de mais de 1.200 libras de CO2 por megawatt-hora a menos de 600 libras. Este é o quartil mais baixo das concessionárias americanas de eletricidade, segundo a consultoria MJ Bradley Group.

LEIA MAIS: Amazon lançará fundo de US$ 2 bilhões para investir em energias limpas

Um grande fator contribuinte: a economia em mudança a favor das energias renováveis. “A solar não era acessível cinco anos atrás, não tínhamos sequer um painel”, diz Farrell. Agora, a Dominion, que teve lucros de US$ 1,4 bilhão em receitas e US$ 16,5 bilhões em 2019 (e cujos dividendos rendem 5%), é a quarta maior operadora solar do país.

A Dominion está longe de ser a única na corrida para as energias renováveis. Desde 2003 –quando o carvão forneceu 51% da eletricidade da América– as concessionárias de energia do país reduziram drasticamente sua combustão de carvão em favor de fontes renováveis ​​e gás natural mais limpo. Atualmente, o carvão alimenta apenas 17% da eletricidade e as energias renováveis ​​a superam pela primeira vez. Esta tendência está apenas começando. Com seu novo mandato de 2045 para eletricidade sem carbono, a Virgínia se une a Califórnia, Novo México, Nova York, Washington e Havaí.

David Giroux, gerente de portfólio da T. Rowe Price, não vê problema em concessionárias atingirem essas metas: “As energias renováveis ​​se tornaram mais baratas que as fontes de energia convencionais e também serão mais lucrativas”, porque eliminam a necessidade contínua de comprar combustível. Giroux vê 70% da energia dos EUA proveniente de fontes renováveis ​​até 2040. O uso de gás renovável de “carbono negativo” da pecuária deve permitir que a Dominion (e outros) cumpram esses mandatos sem desmotivar suas usinas a gás.

A Smithfield, com cerca de US$ 16 bilhões em receita anual, é a maior produtora de carne suína do país, criando mais de 30 milhões de suínos por ano. O CEO Ken Sullivan diz que a empresa vem experimentando o manejo de esterco responsável há 20 anos. Nos primeiros dias, eles tampavam lagoas, capturavam metano e o usavam para acionar motores alternativos simples para produzir energia –mas nas áreas rurais não há clientes suficientes para usá-lo. Depois, tentaram coletar o estrume e transportá-lo para um local central para o processamento em metanol e depois em biodiesel. Mas isso não era escalável, diz Sullivan.

Após US$ 40 milhões gastos em projetos engavetados de P&D, eles decidiram aperfeiçoar os sistemas que estão sendo implantados hoje, em que as lagoas de esterco de cada fazenda foram transformadas em digestores anaeróbicos que capturam seu gás e o enviam por tubulação para uma planta de processamento centralizada. Após cerca de três semanas no digestor, o que resta do esterco sai do outro lado como matéria orgânica estéril e rica em nutrientes, usada como fertilizante ou até na cama de criação. A água agora menos odorífera é pulverizada nos campos de cultivo. A joint venture Dominion/Smithfield implantará esses sistemas de operações suína na Carolina do Norte, Virgínia e Utah.

A Dominion também está trabalhando também com a startup Vanguard Renewables, que implementa sistemas similares em fazendas leiteiras. A Vanguard é apoiada pela fundação do bilionário do eBay Jeff Skoll, entre outros, e possui 42 fazendas diárias cadastradas. O presidente da Vanguard, Kevin Chase, diz que, embora os chamados digestores de laticínios tenham sido aperfeiçoados na Europa fortemente subsidiada na última década, os proprietários de gasodutos eram inicialmente céticos em permitir a entrada de gás bovino. “Era culpado até que se provasse inocente”, diz Chase, cuja empresa com sede em Wellesley, Massachusetts, desde então, firmou contratos de longo prazo com a Vermont Gas, a Middlebury College e a Polar Beverages.

Embora muitos sistemas municipais de esgoto utilizem digestores semelhantes para processar o lixo humano, eles não são tão econômicos devido à infinidade de outras coisas que as pessoas jogam no ralo. “O desperdício de animais é mais limpo e homogêneo”, diz Chase, porque sabemos que os porcos e vacas estão comendo e o que está saindo. Uma solução para o desperdício de frango ainda é um mistério, devido ao alto teor de amônia, tornando-o extremamente cáustico e difícil de processar.

Os combustíveis renováveis ​​são uma prioridade a Agência de Proteção Ambiental dos EUA (EPA, na sigla em inglês). Para garantir que as refinarias e empresas de serviços públicos usem os volumes obrigatórios de combustíveis verdes, a EPA exige que eles gerem ou negociem créditos de conformidade (chamados de números de identificação renováveis). Graças a seus atributos de carbono negativo, o gás de gado se qualifica para os créditos de maior valor –o que significa que os clientes podem pagar à Dominion dez vezes mais pelo gás suíno do que pela mesma quantidade de gás fraturado nas formações de xisto. Isso pode ser suficiente para gerar receita adicional de US$ 100 milhões por ano.

LEIA MAIS: “Hamilton”, de Lin-Manuel Miranda, se torna uma das peças mais lucrativas da Broadway

Nem todo mundo está impressionado com o potencial de gás natural renovável. “Colocá-lo em um duto é melhor do que deixá-lo solto”, diz William McDonough, arquiteto visionário e autor de “Cradle To Cradle” (algo como “Do berço ao berço”, em tradução livre), sobre a necessidade de uma economia circular de carbono. “Mas ainda é um carbono fugitivo. Dizer que é a energia mais limpa não está correto, se você está considerando a mudança climática.”

McDonough prefere o uso de energia solar e eólica mais barata ainda para eletrolisar a água em hidrogênio. “Hidrogênio verde” e outros esforços favoráveis ​​ao clima já estão sendo trabalhados na Dominion. O COO Leopold diz que eles misturaram 10% de hidrogênio com sucesso em suas usinas a gás. “É caro no momento, mas a energia solar também é cara.”

Nos próximos anos, a Dominion poderá se tornar a maior proprietária privada de terras da Virgínia devido a todos os painéis solares que espera instalar. E começou a substituir os ônibus escolares movidos a diesel por elétricos em todo o estado. Em alto mar, no Oceano Atlântico, a Dominion instalou recentemente as duas primeiras do que poderiam ser centenas de turbinas eólicas offshore de 800 pés de altura, gerando 2.600 megawatts. (Refletindo seus esforços em energia renovável, a Dominion foi nomeada para a lista anual de apenas 100 empresas da Forbes).

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Inscreva-se no Canal Forbes Pitch, no Telegram, para saber tudo sobre empreendedorismo.

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).