Stone anuncia acordo em ações para fusão de área de software com Linx

Eric Gaillard/Reuters
Eric Gaillard/Reuters

Operação é um dos negócios de maior potencial de sinergia atualmente disponível no mercado brasileiro

A empresa de meios de pagamento Stone anunciou hoje (11) acordo vinculante para unir sua área de software com a Linx, numa transação em ações e dinheiro que avalia a produtora de programas para varejo em R$ 6,4 bilhões.

O anúncio encerra meses de rumores envolvendo as duas empresas e ocorre em meio a uma revolução em andamento no mercado brasileiro de pagamentos liderado pelo Banco Central e impulsionado pelos impactos da pandemia de coronavírus.

Leia mais: XPeng entra com pedido de IPO nos Estados Unidos

O acordo será implementado por meio de uma fusão de ações no Brasil, com cada ação da Linx sendo trocada por uma nova ação PN classe A e B da Stone. Após outras etapas, o valor base da operação será de R$ 33,7625 por ação da Linx, considerando o preço da ação da Stone com base em 7 de agosto. Até o fim de junho, segundo dados da B3, a Linx tinha 189.408.960 ações.

Segundo a Stone, o valor base representa ágio de 41,6% sobre o preço médio das ações da Linux nos 60 dias anteriores a 7 de agosto e de 28,3% considerando os 30 dias prévios a esta data.

O estatuto da Linx, de abril, define que a venda do controle da companhia tem que ocorrer mediante uma oferta pública de aquisição de ações (OPA) e que o preço de cada ação não poderá ser menor que 90% “do maior valor de cotação unitária das ações…na B3 e na Nyse no período de 24 meses anteriores à realização da OPA”.

As ações da Linx fecharam em alta de 31,5% nesta terça-feira, a R$ 34,40, maior cotação desde fevereiro e maior ganho percentual diário da história do papel. Em Nova York, onde são negociados, os papéis da StoneCo avançaram 11%, a US$ 52,39, cotação recorde de fechamento.

Na visão do analista Henrique Lara, sócio da Reach Capital, que tem posição na Linx, a possível fusão é uma das transações com maior potencial de sinergia atualmente disponível no mercado brasileiro.

Leia também: Corrida espacial bilionária: Elon Musk supera Jeff Bezos em batalha por contrato com governo dos EUA

“A conta simples que sempre foi feita é de que, se uma parte dos R$ 250 bilhões de transações que já passam pelos softwares da Linx forem processados por uma adquirência própria, em que algum pequeno percentual desse montante seja cobrado como custo de transação, trata-se de uma receita já maior do que os cerca de R$ 800 milhões que a Linx atualmente fatura”, disse Lara. Ele elencou ainda possíveis produtos complementares como adiantamento de recebíveis, crédito, contas digitais para as lojas de varejo e seus funcionários, entre outros.

RESULTADOS

A Stone divulgou o balanço do segundo trimestre, mostrando queda de 28% no lucro líquido ante mesmo período de 2019, a R$ 123,6 milhões. O recuo ocorreu apesar do aumento de cerca de 14% na receita, de R$ 667,4 milhões.

Segundo a empresa, a queda reflete despesas ligadas à Covid-19, com a demissão de 1.300 funcionários em maio e a montagem de hospital temporário, além de incentivos a clientes.

A base de clientes ativos da Stone somou 519,4 mil no fim de junho, aumento de 48,6% na comparação anual, mas no trimestre houve redução de 11,9 mil. A Stone, porém, afirmou que “números recentes indicam um significativo crescimento da base de clientes no terceiro trimestre”.(Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Participe do canal Forbes Saúde Mental, no Telegram, e tire suas dúvidas.

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).