Conheça o gestor de investimentos que trocou o mercado financeiro pelo setor de bem-estar

Divulgação
Divulgação

Proprietário do Buddha Spa, Gustavo Albanesi está sempre em busca de tendências

No meio do deserto de Marrocos, o ex-gestor de investimentos do Credit Suisse Gustavo Albanesi entrou em uma espécie de calabouço embaixo da terra. Junto com sua esposa, deitou-se em uma estrutura de pedra para receber uma massagem terapêutica. No início, estava tudo normal, mas rapidamente os toques agradáveis e macios foram substituídos por chibatadas com plantas nativas. “Doía, não era um negócio que relaxava”, conta ele. No entanto, embora a cena estivesse mais para um filme sobre sequestro filmado no cativeiro, o executivo estava ali por vontade própria. Era apenas mais uma visita a um dos 200 spas que Albanesi já visitou ao redor do mundo. 

As chibatadas não eram parte de uma tortura medieval. Na verdade, eram essenciais para testar os altos e baixos da circulação do corpo em meio à terapia. Em tours de bem-estar, Albanesi experimenta pelo menos dez tipos de tratamentos diferentes em cada viagem que realiza. Assim, já viveu a realidade de um spa nudista na Áustria, de uma sauna ayurvédica na Índia – um sistema em que a cabeça fica para fora da cabine termal -, e de uma massagem nos pés com mordidas de peixes e sanguessugas em Singapura. “Quero saber o que está acontecendo no setor”, diz ele, com bom humor.

LEIA MAIS: Como uma família que vendia produtos de limpeza em kombis criou uma holding bilionária

Proprietário do Buddha Spa, rede de franquias que já conta com 38 unidades espalhadas pelo país, o empreendedor que largou o mercado financeiro está sempre em busca de tendências. Porém, sua relação com o setor nem sempre foi tão imersiva como é hoje. Formado em Direito pela USP, deu sequência aos estudos com uma pós-graduação em Finanças na Universidade da Califórnia em Berkeley, nos Estados Unidos. Aos 20 anos, ainda na faculdade, já atuava no setor financeiro. Nem a similaridade das carreiras impediu que o pai de Albanesi, que construiu sua trajetória no segmento bancário, tivesse um insight sobre a criação do Buddha Spa como um negócio. 

“Meu pai fazia massagem desde os 16 anos, uma época em que ninguém falava sobre isso. Cresci sabendo que ele era apaixonado por toque e terapia, mas não entendia nada do assunto. No final da faculdade, ele me perguntou se eu não queria entrar com ele em um negócio de spa. Me deu 5% e pediu que eu tocasse a empresa junto com a faculdade e o banco”, relembra o empreendedor, que realmente tocou o negócio como algo extra. Algo que não fazia parte do seu principal objetivo de vida. 

Após a graduação, em 2004, Albanesi foi estudar nos Estados Unidos, onde ficou por cerca de um ano. Nesse meio tempo, o spa ficou nas mãos de uma gerente contratada. Sem tantas preocupações com o negócio, sua jornada pelo mercado financeiro decolava. Depois de trabalhar um tempo em São Francisco, voltou ao Brasil e conseguiu um cargo no Credit Suisse como gestor de investimentos. “Trabalhava na assessoria a empreendedores. Mas, depois de um tempo, comecei a querer estar do lado de lá, ser o protagonista de toda a história.”

Além disso, as viagens a trabalho começaram a ficar cada vez mais frequentes – e foi isso que deu origem aos seus tours por spas do mundo todo. “Comecei a perceber o tamanho do mercado de bem-estar no exterior e seu potencial de crescimento. Aqui no Brasil, spa ainda era relacionado ao emagrecimento.” Ao tentar mudar essa percepção, foi percebendo que a vontade de se entregar de vez ao empreendedorismo começou a ficar insuportável. “Meu posicionamento no banco estava muito bom. Eu ganhava 100x mais do que eu ia ganhar no Buddha Spa, que rendia muito pouco. Todo mundo me achou louco, mas eu decidi sair mesmo assim.” Com a decisão tomada, Albanesi tornou-se proprietário de 50% do negócio – a outra metade pertence a seu pai até hoje -, e seguiu em frente, obedecendo sua intuição.

CASA DE FERREIRO, ESPETO DE PAU 

O ano era 2008, época em que o maior desafio ainda era cultural. Embora as percepções já tivessem mudado um pouco desde o início da década, tudo beirava o exótico. Precisou de tempo para que o conceito de “lifestyle” começasse a evoluir. No entanto, o que o empreendedor não sabia até então é que, para que as coisas dessem certo, ele teria que mudar tanto quanto o mundo ao seu redor.

Com a transição de carreira, Albanesi começou a se sentir ocioso. “No banco, eu trabalhava 24 horas. No Buddha Spa, às 18h eu já não tinha mais o que fazer. Eu ficava louco”, lembra. Por causa dessa sensação, abriu um segundo empreendimento, dessa vez com foco em assessoria financeira. Era o mesmo trabalho que fazia no banco. Também começou a investir no setor e preencher de compromissos sua agenda diária. Passou um tempo vivendo assim, até perceber que essa habilidade multitask também não o satisfazia.

“Não estava mais dormindo direito, não estava me sentindo bem. Percebi que não estava vivendo todo aquele conceito de bem-estar atrelado ao spa. Estava promovendo algo que não fazia parte da minha vida”, conta. Foi aí que, em 2014, após quase 15 anos de empreendimento, Albanesi finalmente se deu conta de que a satisfação estava entre as paredes das salas de massagem. “Deixei de fazer assessoria, deixei de investir em outros coisas e fiquei só no Buddha Spa. Quando eu decidi largar todas as outras frentes, o negócio decolou.”

A expansão do empreendimento já tinha começado em 2010, com as primeiras  franquias.  Porém, foi só em 2014 que esse movimento ganhou impulso. De um negócio que nasceu em Higienópolis, São Paulo, hoje a rede tem 38 unidades em sete cidades – São Paulo, Piracicaba, Ribeirão Preto, Rio de Janeiro, Vitória, Goiânia e Curitiba -, e o investimento inicial em uma unidade varia de R$ 150 mil a R$ 350 mil. Em 2019, a rede inaugurou seis unidades e o faturamento cresceu 24%. Para 2020, a meta é inaugurar mais 12. 

VEJA TAMBÉM: Como a jornalista Bruna Tavares criou uma marca de beleza que fatura milhões por ano

Para Albanesi, tudo isso foi resultado de uma conjuntura na qual as pessoas começaram a enxergar o bem-estar com outros olhos e ele encontrou seu lugar como empreendedor. Segundo ele, o Buddha Spa já realizou mais de 1 milhão de massagens: são 500 tratamentos todos os dias e 30 tipos de terapias diferentes responsáveis por um faturamento médio mensal de R$ 20 mil a R$ 170 mil por unidade – com lucro entre 15% e 30%.

A diversidade de terapias também é resultado do momento em que Albanesi focou por completo no empreendimento. Com conhecimento prático do que acontece no setor em nível global – por conta das viagens -, o empresário revela buscar inspiração nos spas que visita para oferecer o melhor por aqui. “Da Índia, eu trouxe o conceito de massagem Ayurvética. Ela existe de várias formas, mas aqui decidimos tropicalizar para deixar ideal para o público brasileiro”, revela, ressaltando que os profissionais passam por um treinamento extenso para colocar em prática as terapias. 

Além disso, o atendimento ao cliente e a exploração de outros modelos de negócio ligados ao setor também fazem parte dessa inspiração. Recentemente, o Buddha Spa lançou uma linha de produtos sensoriais e um site com conteúdos exclusivos e e-commerce. Albanesi criou um segundo empreendimento chamado Smart Spa, um aplicativo de massagem delivery que funciona nos moldes do Uber. “A pessoa escolhe sua terapia, seu terapeuta e pode ter uma experiência delivery do tratamento”, explica. 

O crescimento é resultado de seu maior objetivo como empreendedor: “agregar valor a qualquer coisa que se relacione a bem-estar”. Grato pelos ensinamentos que desenvolveu no setor financeiro, conta que os bancos lhe deram visão 360 graus para observar todos os passos do mercado, de produtos sensoriais a massagem helvética. Quem sabe um dia ele também não inclua no portfólio do Buddha Spa as massagens com chibatadas de plantas que experienciou no Marrocos?

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).