Após demissões por Covid-19, Cirque du Soleil sai de recuperação judicial

Ints Kalnins/Reuters
Ints Kalnins/Reuters

O Cirque du Soleil cancelou seus espetáculos e demitiu seus artistas no início do ano

O grupo canadense Cirque du Soleil Entertainment Group anunciou ontem (24) que saiu da recuperação judicial, após a pandemia de Covid-19 forçar a famosa operadora circense a cancelar seus espetáculos e demitir seus artistas no início do ano.

O circo, que atingiu reconhecimento mundial após surgir de uma trupe de artistas de rua nos anos 1980, cortou cerca de 95% de sua força de trabalho e suspendeu todas as suas apresentações por conta da pandemia.

LEIA MAIS: Quebec oferece auxílio de US$ 200 milhões ao Cirque du Soleil

Após um pedido de recuperação judicial apresentado em junho, o circo pouco depois chegou a um novo acordo de compra com credores segurados.

Um grupo de credores, liderado pelo Catalyst Capital Group, havia feito uma proposta para tomar o controle do grupo circense baseado em Montreal em julho, substituindo um acordo com os acionistas do Cirque du Soleil que incluía financiamento da dívida por meio de um órgão governamental da província canadense de Quebec.

Como parte do acordo com os credores, o Cirque du Soleil anunciou que iria acrescentar o ex-CEO da MGM Resorts Jim Murren e Gabriel de Alba, um dos sócios do Catalyst Capital Group, ao seu conselho.

Daniel Lamarre continua como o presidente do grupo e a empresa irá manter sua sede em Montreal. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).