Microsoft, Google e Cisco aderem a processo contra a NSO

seksan Mongkhonkhamsao/Getty Images
seksan Mongkhonkhamsao/Getty Images

Empresa de vigilância cibernética explorou uma brecha no código do aplicativo de bate-papo do WhatsApp

Microsoft, Alphabet, Cisco e VMware juntaram-se hoje (21) à batalha legal do Facebook contra a empresa de hackers NSO, aprestando-se como amicus curiae no tribunal federal que advertiu que as ferramentas da empresa israelense são “poderosas e perigosas”.

O documento adverte que o crescimento de “um mercado comercial robusto e não controlado para ferramentas de vigilância cibernética aumentaria dramaticamente o número de governos e empresas privadas com acesso a elas”.

VEJA TAMBÉM: Google é alvo de 3° processo antitruste nos EUA

O Facebook deu um passo incomum de processar a NSO no ano passado, após ser revelado que a empresa de vigilância cibernética –cujos programas tiram proveito das fraquezas do software para sequestrar dispositivos– explorou uma brecha no código do aplicativo de bate-papo do WhatsApp, do Facebook, para ajudar a vigiar mais de 1.400 pessoas em todo o mundo.

A NSO, que não retornou imediatamente a um pedindo de comentários, argumentou que pode reivindicar imunidade do processo em virtude do trabalho que realiza para governos estrangeiros.

O caso está sendo observado de perto por defensores dos direitos humanos e tecnólogos, muitos dos quais há muito alertam que os serviços do NSO estão sendo usados ​​para prejudicar inocentes e sufocar dissidentes políticos. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).