Fux indica voto a favor da autonomia do BC em julgamento do STF

Para ministro, Independência do órgão representa um grande avanço para a política econômica.

Redação
Compartilhe esta publicação:
Ueslei Marcelino/Reuters
Ueslei Marcelino/Reuters

Durante evento da XP Investimentos, o ministro Luiz Fux disse que o BC independente representa um grande avanço para a política econômica

Acessibilidade


O presidente do STF (Supremo Tribunal Federal), Luiz Fux, indicou hoje (26) que deverá votar a favor da lei que concedeu autonomia ao BC (Banco Central), cujo julgamento de uma ação em que partidos de oposição questionam a iniciativa deverá ser retomado nesta tarde.

Em evento da XP Investimentos, Fux disse que o BC independente representa um grande avanço para a política econômica e monetária do país, destacou que a instituição é de Estado e não de governo e ainda disse que o vício de iniciativa do projeto não tem relevância.

LEIA TAMBÉM: TCU conclui votação e aprova leilão de 5G, diz ministro das Comunicações

O PT e o PSOL questionaram no Supremo o fato de a lei que concede autonomia ao BC ter sido originariamente fruto de uma proposta do Congresso e não de iniciativa do Executivo –que só posteriormente remeteu um projeto nesse sentido ao Parlamento. A Procuradoria-Geral da República deu parecer a favor da ação dos partidos de oposição.

“O que se verifica é que se ataca nesse caso o vício de iniciativa que é um defeito, no caso concreto, de somenos importância”, disse Fux.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

“Mais importante é saber se é autônomo ou não do que se começou do Poder certo (a apresentação do projeto)”, emendou ele, reforçando que durante a tramitação da proposta os dois textos –do Congresso e do governo– foram unidos.

Para Fux, é preciso esquecer em dados momentos as formalidades para atingir a questão de fundo.

“Um Banco Central que trata da política monetária e financeira, ele tem que ter uma visão transnacional e atuar com total independência. Isso é um reclamo muito justo do mercado e, no meu modo de ver, tem de ser atendido”, disse ele.

No momento, o julgamento está empatado. O relator da ação, ministro Ricardo Lewandowski, se posicionou a favor de barrar a autonomia do BC e o ministro Luís Roberto Barroso contra.

O julgamento será retomado a partir do voto do ministro Nunes Marques. Faltam ao todo oito ministros para votar.

A tendência é que o plenário do Supremo chancele a autonomia do BC, no momento em que o país passa por um estresse inflacionário.

A definição da taxa básica de juros da economia é um dos principais instrumentos do BC para combater a inflação. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: