Conheça a FaZe Clan, primeira empresa de e-sports avaliada em US$ 1 bi

Acordo recente com a SPAC permitirá a abertura de capital da entidade de jogos eletrônicos na Nasdaq.

Justin Birnbaum
Compartilhe esta publicação:

Estima-se que a empresa possa captar até US$ 291 milhões com comercialização na Nasdaq sob o código FAZE (Crédito: Reprodução)

Acessibilidade


A FaZe Clan, uma das maiores entidades de e-sports do mundo, está próxima de atingir um recorde para a indústria: ser avaliada em mais de US$ 1 bilhão. Por meio de um acordo com a SPAC, anunciado no início da semana, a Faze Clan espera abrir seu capital em bolsa no curto prazo. Estima-se que a empresa possa captar até US$ 291 milhões com comercialização na Nasdaq sob o código FAZE. O mercado de e-sports deve movimentar US$ 2 bilhões até 2024.

Os atuais acionistas da FaZe vão ficar com 68% da companhia que surge fruto desse movimento. Outros investidores de peso estão na jogada, entre eles os músicos Pitbull, Swae Lee e Offset e os atletas profissionais Kyler Murray, Ben Simmons e Nyjah Huston, bem como o famoso executivo Jimmy Iovine, especializado no mercado de gravadoras. Capitalizada, a FaZe vai investir em conteúdo profissional e no desenvolvimento de marcas e produtos.

LEIA TAMBÉM: FIFA e EA forçam o bilionário setor de games a repensar propriedade intelectual

Em 2020, a Forbes avaliou a FaZe como a quarta empresa de e-sports mais valiosa do mundo com US$ 305 milhões (a TSM ficou em primeiro lugar com US$ 410 milhões). O time foi criado em 2010 por um grupo de jogadores de Call of Duty que alcançou um número expressivo de seguidores online a partir de sua forma inovadora de jogar. Lee Trink, atual CEO, foi presidente da Capitol Records, antes de assumir a atual posição em 2018. Dentre os fundadores também está o brasileiro Thomas “Temperrr” Oliveira.

Em sua gestão, Trink fechou parcerias com McDonald’s, DC Comics e Doritos. A FaZe também foi a primeira empresa de esportes eletrônicos a aparecer na capa da Sports Illustrated, em 2021. Vale lembrar que o Brasil tem sua primeira, e única, startup unicórnio derivada do mundo dos games. A Wildlife recebeu um aporte de US$ 120 milhões em sua segunda rodada de investimentos, em agosto do ano passado.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Compartilhe esta publicação: