Startup Txtonomy acredita que chatbots sejam o futuro da medicina

Robôs que conversam com pacientes tratam de assuntos importantes de maneira clara e fracionada, facilitando o entendimento.

Daniel D'Ambrosio
Compartilhe esta publicação:
GettyImages/ Catherine Delahaye
GettyImages/ Catherine Delahaye

Através de SMS é possível informar e ajudar na prevenção de doenças e outros problemas de saúde, segundo os fundadores da Txtonomy

Acessibilidade


“Olá, sou seu chatbot mentor de Covid-19. Estou aqui para ajudá-lo a entender melhor a Covid-19 e para ajudar você e outras pessoas importantes a permanecerem o mais saudáveis ​​possível. Você me dá permissão para me comunicar com você usando mensagens de texto SMS? Sim ou não.”

“Sim.”

“Legal! Por favor, siga o conselho médico para parar a propagação da Covid-19. Escreva PARE a qualquer momento para cancelar a inscrição. Você foi testado para a Covid-19?

LEIA MAIS: Montadoras europeias recomeçam produção à medida que os bloqueios por coronavírus diminuem

“Não.”

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

“Você já foi informado de que pode ter Covid-19?”

“Não.”

“Os coronavírus são uma grande família de vírus. Alguns infectam pessoas e outros infectam apenas animais. A maioria dos coronavírus em humanos causa o que chamamos de “resfriado comum”. Alguns coronavírus, como MERS e SARS, causam infecções muito graves. A Covid-19 parece ser mais séria que os coronavírus de rotina, mas não tanto quanto MERS ou SARS.

“Para mais informações, consulte a ficha técnica do CDC sobre Covid-19: https://mbl.coach/b033YD. Você pode me enviar uma mensagem de texto sobre os seguintes tópicos relacionados a Covid-19: A) Cuidados com a Covid-19. B) Possível caso de Covid-19. C) Informações sobre o vírus. D) Sintomas. E) Prevenção. F) Proteção. G) Teste. H) Recursos (isso inclui uma linha direta, diretrizes e fatos). I) Compartilhe-me. J) Estatísticas. Você também pode enviar um texto com PALAVRAS-CHAVE se precisar desta lista de tópicos novamente.

“É importante que você obtenha mais detalhes sobre a Covid-19. Você pode usar qualquer palavra-chave anterior. Envie um texto com a palavra CONTINUAR quando estiver pronto para aprender sobre os sintomas.”

Bem-vindo ao mundo dos chatbots médicos, o melhor amigo e assistente mais leal do médico, se os fundadores da Txtonomy, em Provo, Utah, conseguirem o que querem. O diálogo acima começou simplesmente enviando Covid-19 para um número fornecido pela Txtonomy.

“Nós fornecemos a dose certa de informações às pessoas no momento certo”, disse o Carl Black, um dos três cofundadores da Txtonomy. “Você poderia facilmente estar saturado de informações. Um chatbot fragmenta um conceito de maneira pessoal. Essa é a parte genial. ”

Black disse que, quando ele e os cofundadores Cliff Park e Vince Han pensaram na possibilidade de usar um chatbot para aumentar a conformidade do paciente com as ordens dos médicos, eles temiam que as mensagens de texto fossem muito impessoais.

“É o contrário, parece um amigo”, disse Black. “As pessoas preferem isso ao vídeo. O bate-papo tem um poder tremendo para mudar o comportamento. Esse é segredo por trás de tudo. ”

Além de ser cofundador da Txtonomy, Black também é radiologista intervencionista, usando orientações de imagem para realizar cirurgia, principalmente em pacientes que sofrem de doença vascular e câncer. Vince Han é um tecnólogo que criou seu primeiro chatbot na sexta série, de acordo com o site da MobileCoach, outra empresa fundada por Han que afirma ser a “plataforma SaaS corporativa líder para projetar, implantar e gerenciar chatbots”.

Cliff Park é o diretor executivo da Monovo, uma startup de tecnologia da saúde em West Jordan, Utah, além de ser membro do conselho da Txtonomy.

Black disse que um dos pontos fortes da Txtonomy é que a empresa tem mais de 10 especialistas certificados pelo conselho que ajudam a fornecer conteúdo para seus chatbots.

“Temos uma biblioteca de conteúdo examinada e cientificamente sólida, que personalizamos para atender às necessidades de uma clínica ou organização de saúde”, afirmou Black.

LEIA TAMBÉM: CDC revela 6 novos possíveis sintomas da Covid-19

Além da Covid-19, a empresa possui chatbots disponíveis para cirurgia bariátrica, gerenciamento de diabetes, cirurgia de fusão lombar, atendimento pós-mastectomia, gerenciamento de opióides, gravidez, perda de peso, doença venosa e substituição total do joelho, além do desenvolvimento de módulos personalizados.

O modelo de negócios da Txtonomy é baseado em assinaturas. Os consultórios médicos e outras organizações de assistência médica pagam uma taxa mensal, dependendo do número de pacientes que têm.

“Estamos adotando uma ótima ideia, comprovada nos negócios e aplicando-a na medicina”, afirmou Black. “Estamos resolvendo um problema muito importante, a não conformidade.”

Os pacientes não se mostram dispostos a cooperar, disse ele, porque estão sobrecarregados com a complexidade das informações ou com seu impacto emocional. Além disso, é da natureza humana exigir lembretes.

“Os chatbots resolvem os três problemas”, disse Black.

A simplicidade da interação com um chatbot é fundamental. Black disse que a Txtonomy está trabalhando com uma grande empresa farmacêutica que gastou um milhão de dólares desenvolvendo um aplicativo para pacientes com artrite reumatóide e acabou com um total de cinco usuários.

“O motivo de nossa abordagem funcionar é porque é intuitiva, é só enviar uma palavra-chave para um número predeterminado”, disse ele. “O chatbot começa a envolver você. As mensagens de bate-papo são uma maneira de nos comunicarmos. É tudo o que você precisa saber.”

A Txtonomy prepara os pacientes para a cirurgia, por exemplo, ajudando-os a entender por que eles estão fazendo isso, quais são os benefícios e riscos. O chatbot também os ajuda na recuperação.

E TAMBÉM: Veja nove dicas de profissionais de diversas áreas para melhorar a criatividade no home office

Black recusou-se a compartilhar os números da receita, descrevendo a Txtonomy como uma “startup inicial”.

“Temos centenas e centenas de usuários, e estamos em uma curva acentuada de crescimento”, afirmou Black. “Quando discutimos isso com os médicos, é uma venda muito fácil. Não é difícil convencer um provedor por que ele precisa de chatbots em sua prática.”

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: