5 perguntas para testar se você é um gerente ou um coach

Getty Images
O gerenciamento oferece benefícios, recompensas e consequências para os funcionários, mas a mentalidade dessa forma de liderar não inclui ouvir as ideias dos profissionais ou tomar medidas para garantir que eles se sintam empenhados.

O gerenciamento tem como objetivo instruir os funcionários sobre o que eles precisam fazer para alcançar um bom resultado. Já o coaching é um pouco diferente. Em vez de dizer às pessoas o que fazer, ele procura maneiras de liberar o potencial que, às vezes, não está sendo explorado por elas. Líderes que percebem essa diferença e que sabem quando treinar e quando gerenciar seus funcionários são os que obtêm os melhores resultados.

SAIBA MAIS: 10 diferenças entre um líder forte e um gerente fraco

O gerenciamento funciona bem em tempos de crise, quando os funcionários têm pouca ou nenhuma experiência com o trabalho, ou quando a confiança deles em relação à capacidade de concluir as tarefas não é muito alta. O gerenciamento oferece benefícios, recompensas e consequências para os funcionários, mas a mentalidade dessa forma de liderar não inclui ouvir as ideias dos profissionais ou tomar medidas para garantir que eles se sintam empenhados.

Quando comparado ao gerenciamento, o coaching tem uma abordagem muito mais psicológica, conectando os funcionários ao trabalho e engajando-os no dia a dia. Enquanto o gerenciamento é mais convencional, o coaching tem um direcionamento intrínseco, o que leva os funcionários a progredir, se desenvolver e ter melhor desempenho.

Cerca de um a cada dez líderes tem um estilo de liderança idealista. Isso significa que ele acredita no potencial positivo de todos ao seu redor. Os idealistas querem aprender e crescer, mas querem também que todos a sua volta cresçam junto. Eles costumam ter a mente aberta e valorizar a criatividade. Você pode avaliar seu estilo de liderança fazendo o teste online disponível, apenas em inglês.

Já para avaliar a mentalidade de coaching dos líderes foram elaboradas cinco perguntas. Usando uma escala de 1 a 7 pontos, sendo 1 equivalente a “nunca” e 7 a “sempre”, atribua uma nota para cada uma:

  • Acredito na capacidade de crescimento dos meus funcionários
  • Costumo procurar as melhores maneiras de resolver as coisas
  • Acredito que as pessoas possuem capacidades e inteligências diferentes, podendo mudá-las constantemente
  • Acredito que todos os problemas têm pelo menos uma solução
  • Meus funcionários costumam ter boas ideias

É considerada uma pontuação alta aquela em que cada questão obteve uma média de 6 a 7 pontos, totalizando entre 30 e 35 pontos. Se a sua nota final for baixa, considere repensar quando gerenciar e quando treinar.

Podemos dar uma olhada mais detalhada em cada uma das cinco perguntas.

Acreditar que seus funcionários são capazes de grandes realizações é fundamental para o coaching, mas, segundo algumas pesquisas, enquanto 71% dos gerentes acreditam na maioria de seus funcionários, apenas 18% dos funcionários dizem notar um bom trabalho vindo de seus gerentes ao comunicar expectativas positivas.

LEIA TAMBÉM: 3 razões para contratar um coach de carreira

Se você teve uma pontuação baixa nessa questão, procure ser mais positivo quando o assunto for seus funcionários. Parecer otimista, diferentemente do elogio a troco de nada, é uma forma de conquistar um melhor desempenho da sua equipe. Quando você afirma que seus funcionários fizeram algo certo, oferecendo um feedback positivo, o resultado pode ser uma reação do tipo: “Que ótimo receber essa notícia! Quero recebê-la mais vezes”.

Mas será que os coaches estão sempre pensando em formas de melhorar? Essa mentalidade de melhoria constante pode ser identificada por uma alta pontuação na questão 2. Mostrar-se satisfeito com o trabalho bem feito dos funcionários e parabenizá-los por isso pode ser encarado como um bom gerenciamento. Se você se sentir satisfeito com isso, pode estar sendo um bom gerente, mas não um bom coach. As pessoas mais bem-sucedidas nunca param de procurar maneiras de melhorar.

A terceira questão reflete o aspecto da mentalidade de coaching que acredita que a inteligência é fluida e que as pessoas podem aumentá-la ou simplesmente mudá-la no dia-a-dia. Enviar uma mensagem do tipo “faça o de sempre”, por exemplo, é uma mentalidade de alguém que gerencia. O coaching exige a crença de que as pessoas podem mudar sua inteligência e, consequentemente, a forma como realizam as coisas. Você não pode treinar alguém se não estiver convencido de que essa pessoa tem potencial.

A perspectiva de que algumas coisas simplesmente não podem ser consertadas é uma abominação para a mentalidade de coaching. A questão 4 pode ser aplicada a funcionários que estão passando por problemas.

Uma baixa pontuação no item 5 pode indicar que você tem um grupo errado de funcionários. Ao contrário do gerenciamento, onde os funcionários são informados sobre o que devem fazer durante a semana de trabalho, a mentalidade de coaching incentiva a equipe a compartilhar suas melhores ideias, e, quem sabe, apresentar soluções inovadoras.

O gerenciamento é, certamente, um caminho a ser seguido, mas o coaching oferece benefícios que um simples gerenciamento jamais conseguiria. O coaching faz com que os funcionários desenvolvam e aprimorem o pensamento crítico. Além disso, você, como chefe, líder ou CEO, não notará nos funcionários a chamada “delegação reversa”, que, muitas vezes, pode ser vista como um problema. O coaching oferecerá mais tempo para desenvolver novos e melhores projetos em vez de ter seu dia tomados por questões particulares de cada funcionário. Para completar, funcionários treinados aprendem a tomar iniciativas e a serem mais proativos.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).