Cauê Oliveira, do Great Place To Work, explica o conceito de “giftwork”

gettyimages-Maskot
De forma surpreendente, o diretor revela que até o desligamento de um colaborador de uma empresa pode ser um “giftwork”

Resumo:

  • Cauê Oliveira é diretor do Great Place To Work (GPTW) e palestrou no segundo dia do Forbes Start no São Paulo Tech Week; 
  • O fundador da GPTW patenteou o conceito de “giftwork” após estudar o que gerava um ambiente de trabalho de qualidade; 
  • O diretor explicou o que exatamente significa a palavra e como ela afeta no sucesso da empresa. 

Robert Levering é fundador da Great Place to Work, uma empresa fundada em 1991 que avalia a gestão de organizações tendo em vista pesquisas com empregados e empregadores para entender a excelência no ambiente de trabalho. Em meio a todo seu processo de busca pela qualidade de vida profissional, ele criou e patenteou a palavra “giftwork”.

ReproduçãoForbes
Cauê Oliveira usou seu tempo no São Paulo Tech Week para falar sobre giftwork

O significado do termo foi o tema do talk de Cauê Oliveira, diretor do Great Place To Work no Brasil, no segundo dia do palco exclusivo Forbes Start, no São Paulo Tech Week. Ele explicou que “giftwork” é o tom que a liderança dá quando entende a qualidade do ambiente de trabalho como um estilo de vida e não um projeto momentâneo.

Na tradução livre, o conceito é realmente um presente (gift) no trabalho (work), mas isso não diz respeito apenas a ações consideradas boas pelo senso comum. Um feedback positivo ou uma promoção podem tanto ser um giftwork quanto uma ação negativa, tudo depende da forma como será executada.

VEJA TAMBÉM: Para Federico Grosso, da Adobe, aprendizado constante é fundamental para o sucesso

Na realidade, o real significado é um presente que tem baixo investimento para quem oferece e um altíssimo valor para quem recebe. “Você pode fazer algo simples, mas de uma forma tão especial que vai mudar a vida da pessoa para sempre”, explica Cauê. Assim, as ações vão desde um tempo dedicado em um almoço até um olhar sincero. De forma surpreendente, o diretor revela que até o desligamento de um colaborador de uma empresa pode ser um “giftwork”.

É um conceito amplo, importantíssimo para o ambiente de trabalho, mas fácil de ser executado. Cauê ressalta que muitas pessoas o enxergam como algo que demanda muito tempo ou recursos financeiros, mas que é preciso retirar toda essa carga complexa e começar a enxergar a situação como ela realmente é: muito simples.

Para ele, o segredo está na visão que a organização possui sobre um bom local de trabalho. As melhores empresas para se trabalhar refletem sobre o bem-estar dos seus colaboradores. Elas se consolidam ao eleger o “giftwork” como um estilo de vida. “Essas empresas não enxergam isso como um projeto do RH. Se não vira o ‘projeto verão’. Passa o verão, tudo volta como era antes”, destaca Cauê.

Como estilo de vida, a ação pode transformar tanto a vida pessoal dos empregadores e empregados como o sucesso da empresa. Com tudo isso, cria-se um ambiente de confiança, onde as pessoas se sentem orgulhosas de trabalhar e encaram os desafios da organização como se fossem seus. “O local se transforma de fato em um ambiente de companheirismo”, reforça o diretor.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).