5 dicas de carreira tiradas do documentário de Michelle Obama para a Netflix

GettyImages/ Scott Olson
GettyImages/ Scott Olson

Michelle Obama usa sua história para inspirar outras pessoas

Em seu discurso final como primeira-dama, Michelle Obama homenageou o Conselheiro Escolar do Ano de 2017 na Casa Branca e disse:

“Quero que nossos jovens saibam que são importantes, que devem estar em nossa sociedade. Então, não tenham medo: vocês me ouvem, jovens? Não tenham medo. Sejam focados. Sejam determinados. Sejam esperançosos. Sejam empoderados. Capacitem-se com uma boa educação, então, usem essa educação para construir um país digno de sua promessa sem limites. Liderem com esperança, nunca com medo. E saibam que estarei com vocês, torcendo e trabalhando para apoiá-los pelo resto da minha vida.”

LEIA MAIS: 5 sinais de que você está pensando demais nas decisões de sua carreira

Desde então, Michelle Obama escreveu seu livro de memórias, o best-seller do New York Times, “Minha História” (“Becoming”, no original), e encabeçou uma turnê de livros esgotada. Ela manteve sua promessa aos jovens americanos e se reuniu com estudantes de todo o país enquanto fazia turnê. O documentário de mesmo nome estreou na Netflix na primeira semana de maio. É um acompanhamento visual do livro da ex-primeira dama, mas também aborda sua turnê e documenta suas discussões com estudantes de todo o país.

Veja na galeria de imagens a seguir 5 conselhos profissionais e de auto-investimento que a ex-primeira dama transmite na obra:

  • Seu sucesso começa com a forma como você se vê

    “Como você, como mulher negra, perseverou na invisibilidade?”, perguntou uma estudante a Michelle Obama. Ela respondeu:

    “Para mim, nunca me senti invisível. E penso na minha história sobre por que agora não me sinto invisível, acho que é porque meus pais sempre me fizeram sentir visível. Veio da simples verdade, não o que estava acontecendo no mundo, mas o que estava acontecendo na minha mesa de jantar. Mas a invisibilidade começa aqui [Michelle aponta para seu coração]. Não podemos esperar que o mundo seja igual, para começar a sermos vistos. Estamos longe disso. O tempo não permitirá. Isso não vai acontecer com um presidente, um voto. Então, você precisa encontrar as ferramentas dentro de si para se sentir visível e usar sua voz.”

    Em uma reunião com um grupo diferente de estudantes, uma das participantes, Shayla Allen, perguntou: “Como você evita se tornar um número?”. Michelle respondeu: “Acho que o que faz de você mais do que uma estatística é quando você se vê como mais do que uma estatística. Quem é você? Você se importa com o quê? O que lhe traz alegria? E espero que minha história mostre o poder de sua história e que seja a dona dela.”

    GettyImages/ Michael Campanella
  • Sua história é sua força

    Em outra escola, um funcionário disse que algumas das jovens presentes haviam perguntado: “Por que eu?”. Michelle perguntou quais jovens mulheres se fizeram essa pergunta. A graduada sênior Elizabeth Cervantes disse que há alunos que são presidentes de vários clubes da escola e têm altas pontuações em testes, e ela simplesmente cumpre suas obrigações acadêmicas e só fica em um clube, o Latinos Unidos, e depois vai trabalhar. Obama perguntou a Cervantes por que ela trabalha. A estudante disse que seu pai sofreu um acidente e não pode trabalhar como costumava, ela precisava ajudar e sustentar sua família. “Eu tenho três irmãos pequenos, tudo o que faço é por eles”, disse Cervantes. “Vou trabalhar e trago comida para eles.” “E ela se pergunta por que está aqui”, disse Obama. “Essa história, com todos os altos e baixos, e o que parece tão comum e o que não parece nada para você, é o seu poder.”

    GettyImages/ Paras Griffin
  • Casar-se com Barack Obama a forçou a ter uma visão clara de sua carreira

    Na turnê de “Minha História”, a jornalista Gayle King moderava uma conversa com a ex-primeira dama quando o assunto mudou: ela foi perguntada sobre como conheceu seu futuro marido. Michelle passou a descrever sua atração imediata pelo advogado de voz profunda e como sabia que ele tinha ambições de trabalhar em questões como desigualdade de renda e queria se dedicar ao serviço público de maneira importante. “Ele era muito diferente, e ele era diferente para mim. Ele me desafiou de maneiras diferentes”, explicou Michelle Obama. “Eu sabia que ele era um tsunami, vindo atrás de mim e, se eu não conseguisse agir em conjunto, seria arrebatada. Eu não queria ser apenas um apêndice dos sonhos dele. Então, isso me forçou a trabalhar, pensar e tomar decisões como deixar a advocacia.”

    Ela falou de sua união enquanto uma montagem de fotos de namoro, noivado e casamento passava na tela da apresentação. “Meu relacionamento com Barack era sobre nossa parceria, se eu quisesse ter uma voz igual à de esse homem muito opinativo, teria que me levantar. Eu tive que me dirigir a um lugar em que estava confiante de que seria igual a ele ”, disse ela.

    GettyImages/ Stephen J. Boitano
  • A felicidade não depende de um parceiro

    O casamento começou a se desgastar quando Sasha e Malia nasceram. Michelle Obama sentiu que tinha de diminuir suas ambições quando se tornou mãe, porque não achava que poderia fazer as duas coisas. Isso levou o casal à terapia. “O aconselhamento ajudou pensar sobre como controlar a própria felicidade no casamento?” King perguntou a Obama se ela achava que a terapia ajudou: “Uma das coisas que aprendi que me ajudou e acho que ajudou nosso casamento foi que minha felicidade não depende de ele me fazer feliz”, disse ela. Isso a auxiliou a perceber que parte de seu ressentimento em relação ao marido era sua capacidade de se priorizar no casamento de uma maneira que ela achava que não podia. “Nós temos bebês, e ele estava na academia. Eu estava tipo, ‘Como você encontra tempo para malhar?’ Então, decidi parar de ficar brava com ele por ir à academia e ir à academia também.”

    GettyImages/ Scott Olson
  • Deixe seu trabalho e sua vida falarem por si só

    Em uma parada da turnê em Arizona, Michelle se reuniu com um grupo de estudantes universitários americanos nativos e perguntou sobre os altos e baixos de suas vidas: “O que você espera da vida? E o que o derruba?”, ela perguntou. Um aluno respondeu que via bonés de Trump na sala de aula todos os dias, e isso tinha um impacto subconsciente em sua psique que ele disse ser difícil de descrever. Ele, então, perguntou a Michelle se ela tinha algum conselho para eles sobre como se comportar nesse ambiente. Michelle disse:

    “Não consigo imaginar o quão difícil deve ser para todos vocês, e quero que vocês tenham uma perspectiva à medida que passam por isso, e não deixem que esse tempo modele o que será. Se você está na escola, esteja na escola. Aproveie a educação. Você conhece Barack e eu, durante toda essa presidência, através das mentiras e das coisas que eles disseram sobre nós, tudo o que podíamos fazer é acordar todos os dias e fazer nosso trabalho. Nós deixávamos nosso trabalho e vida falarem por si.”

    GettyImages/ The Washington Post

Seu sucesso começa com a forma como você se vê

“Como você, como mulher negra, perseverou na invisibilidade?”, perguntou uma estudante a Michelle Obama. Ela respondeu:

“Para mim, nunca me senti invisível. E penso na minha história sobre por que agora não me sinto invisível, acho que é porque meus pais sempre me fizeram sentir visível. Veio da simples verdade, não o que estava acontecendo no mundo, mas o que estava acontecendo na minha mesa de jantar. Mas a invisibilidade começa aqui [Michelle aponta para seu coração]. Não podemos esperar que o mundo seja igual, para começar a sermos vistos. Estamos longe disso. O tempo não permitirá. Isso não vai acontecer com um presidente, um voto. Então, você precisa encontrar as ferramentas dentro de si para se sentir visível e usar sua voz.”

Em uma reunião com um grupo diferente de estudantes, uma das participantes, Shayla Allen, perguntou: “Como você evita se tornar um número?”. Michelle respondeu: “Acho que o que faz de você mais do que uma estatística é quando você se vê como mais do que uma estatística. Quem é você? Você se importa com o quê? O que lhe traz alegria? E espero que minha história mostre o poder de sua história e que seja a dona dela.”

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).