O que a compra de um prédio de US$ 2 bilhões pelo Google diz sobre o futuro do home office

Nova instalação é uma estratégia da companhia para flexibilizar o trabalho híbrido e facilitar as interações entre os funcionários.

Jack Kelly
Compartilhe esta publicação:
Reprodução/Forbes
Reprodução/Forbes

Nova instalação é uma estratégia do Google para flexibilizar o trabalho híbrido e facilitar as interações entre os funcionários

Acessibilidade


A gigante das buscas Google está comprando o edifício St. John’s Terminal na Hudson Square, em Manhattan, por US$ 2,1 bilhões, anunciou a empresa ontem (21).

Em uma postagem no blog da empresa, Ruth Porat, CFO da Alphabet, dona do Google, escreveu: “O Google tem a sorte de ter a cidade de Nova York como seu lar por mais de 20 anos, período durante o qual crescemos para 12 mil funcionários. A vitalidade, criatividade e talento de classe mundial de Nova York são o que nos mantém enraizados aqui. É por isso que estamos anunciando que estamos aprofundando nosso compromisso com Nova York e pretendemos comprar o Terminal St. John em Manhattan por US$ 2,1 bilhões, que servirá como a âncora de nosso novo campus da Hudson Square”.

LEIA TAMBÉM: Reforma, decoração e consórcio da casa própria: os benefícios em tempos de home office

Ruth apontou a compra como um aprimoramento de uma “abordagem híbrida mais flexível para trabalhar”, o que facilitará para os funcionários “se reunirem pessoalmente para colaborar e construir uma comunidade”. A CFO acrescentou: “Nossa decisão de exercer nossa opção de comprar o Terminal St. John se baseia em nossos planos existentes de investir mais de US$ 250 milhões este ano em nossa presença no campus de Nova York. É também uma parte importante do cumprimento de nossos compromissos de igualdade racial anunciados anteriormente, que incluem continuar a aumentar nossa força de trabalho em diversas comunidades, como Nova York”.

Durante a pandemia, Google, Twitter, Facebook e outras empresas líderes pediram que seu pessoal trabalhasse em casa em um futuro próximo. O trabalho remoto parecia se tornar o padrão em um mundo pós-Covid-19. No entanto, com os anúncios recentes sobre a compra, aluguel e construção de escritórios pelo Facebook, Amazon e Alphabet, não podemos aceitar a tendência de “todo mundo trabalhar em casa” como um negócio fechado.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

A Alphabet anunciou anteriormente que está construindo um grande projeto de cidade corporativa em Mountain View, na Califórnia. A gigante da tecnologia construirá uma combinação de casas, lojas de varejo, parques e recreações e um campus corporativo de 16 hectares. A visão do Google, chamada de “Middlefield Park Master Plan”, é uma versão atualizada da cidade da empresa e oferece cerca de 12 milhões de metros quadrados de espaço para escritórios, junto com residências, espaços recreativos ao ar livre, edifícios comerciais, lojas de varejo e outras conveniências. A empresa deterá a propriedade do campus.

A Amazon está embarcando em um enorme complexo de escritórios e varejo de US$ 2,5 bilhões de uso misto na Virgínia do Norte, que pode abrigar cerca de 25 mil funcionários. A segunda sede, depois de Seattle, incluirá três edifícios de escritórios e lojas de 22 andares. Um espaço ao ar livre incluirá bosques, um anfiteatro, trilhas para caminhada, amplo estacionamento para bicicletas e uma pista para cães.

A Amazon desafiou o movimento do trabalho remoto ao anunciar que estava alugando escritórios corporativos em seis grandes cidades dos EUA, com planos de contratar mais de 33 mil profissionais corporativos e de tecnologia. Como parte da expansão, o rolo compressor do varejo online comprou o antigo carro-chefe da loja da Lord & Taylor, em Manhattan. A rede de lojas de departamentos já havia vendido o edifício histórico para a WeWork. Já o Google planejou a construção de um campus de uso misto de propriedade da empresa, incluindo residências e escritórios.

VEJA MAIS: 6 dicas para aumentar seu engajamento no LinkedIn e dar uma guinada na carreira

Para evitar suas apostas, a Amazon e outras empresas de tecnologia estão prevendo que haverá pessoas que querem entrar no escritório ocasionalmente. Os projetos estão sendo feitos para acomodar o espaço onde os trabalhadores podem colaborar uns com os outros. Dentro do escritório, haverá vegetação e conveniências, como um programa de residência artística.

A gigante da mídia social Facebook alugou mais de 2 milhões de metros quadrados de espaço de escritório na cidade de Nova York que poderia abrigar milhares de funcionários. Agora existe um centro de tecnologia emergente em Manhattan, que inclui Apple, Google e várias startups promissoras.

Em uma mudança que está desafiando a tendência atual de empresas que adotam funcionários que trabalham em casa, o Facebook comprou a bela, nova e não utilizada sede do campus corporativo de 37 mil metros quadrados da varejista de estilo de vida ao ar livre REI (Recreational Equipment Inc).

O espetacular complexo oferece um design e funcionalidade que incorporam o meio ambiente e a natureza com um espaço para escritórios consistente com sua marca de estilo de vida ao ar livre. Possui escadas externas, ponte, pátio e claraboias para que os trabalhadores vejam o céu. O campus da REI nunca foi ocupado, pois a empresa mudou para uma configuração de trabalho remoto. A companhia planejava vender o prédio na íntegra ou manter alguns escritórios e alugar o restante.

A mudança do Google e da Amazon é inteligente. Jovens inteligentes e talentosos podem optar por trabalhar apenas em empresas que exijam que as pessoas estejam no escritório. Para a Geração Z e os jovens da Geração Y, é socialmente importante estar perto de outras pessoas. Eles desejam uma vida social com seus colegas de trabalho, precisam de mentores e se sentem parte de algo. Seria desanimador para eles conseguir um novo emprego em uma grande empresa apenas para se sentar na frente de um computador em um pequeno apartamento ou na casa de seus pais todos os dias.

LEIA TAMBÉM: Entenda por que o futuro do trabalho pode estar no metaverso

As pessoas que dirigem Google, Amazon e Facebook são experientes. Eles não estão gastando bilhões de dólares para ter edifícios vazios. Esses movimentos levantam questões sobre o futuro do trabalho. Eles estão comprando, construindo e alugando espaço por motivos de crescimento e acomodando trabalho híbrido? Será que o trabalho híbrido é uma virada? À medida que a pandemia diminui, eles podem exigir que todos retornem aos seus escritórios.

 

 

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: