João Branco: Onde você queria estar enquanto está no trabalho?

Já que passamos mais da metade da vida adulta trabalhando, podemos ajustar as nossas intenções para querer estar ali.

João Branco
Compartilhe esta publicação:
Getty Images
Getty Images

Trabalhar é ser útil, ajudar os outros e suprir a necessidade do próximo

Acessibilidade


Vamos fazer de conta que um gênio da lâmpada apareceu e lhe ofereceu um presente: você ganhou um dia completamente seu, na próxima segunda-feira. Sem responsabilidades, obrigações ou preocupações. O verdadeiro day off. Você pode fazer o que quiser, onde quiser. Na verdade, você tem a chance de passar 8 horas em qualquer lugar do mundo. Vamos fazer um teletransporte para lá logo cedo e o retorno acontecerá no fim da tarde. Para onde você deseja ir?

Vou deixar mais uma linha de texto para você pensar nessa resposta. Onde você quer passar o horário comercial da sua próxima segunda-feira? Escolhi esse dia de propósito, para dar uma mínima chance para algo que seja profissional. Mas eu aposto todas as minhas fichas que você não pediu para o gênio para ficar no seu trabalho.

LEIA TAMBÉM: João Branco: Desligue o piloto automático no trabalho

A pergunta que está por trás dessa brincadeira é mais séria: se você pudesse escolher, onde estaria enquanto está trabalhando? Não estou falando de trabalhar remotamente. É sobre onde seu coração e seus pensamentos estão enquanto seu corpo está no emprego.

Tem gente que coloca uma imagem paradisíaca no fundo de tela do computador. Outros deixam um porta-retrato com uma imagem da família na posição de destaque na mesa. E ainda tem gente que pendura um calendário com as 7 maravilhas do mundo na parede do escritório. Por que fazemos isso?

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Pode ser que a gente simplesmente esteja trazendo uma pequena boa lembrança à nossa rotina. Mas tendo a acreditar que muitas vezes não estamos apenas decorando a nossa estação de trabalho, podemos estar tentando dizer algo para nós mesmos. Estamos colocando um lembrete que pisca o dia inteiro: “eu não queria estar aqui”.

Calma, esse texto não existe para defender a teoria de que não devemos ter fotos dos filhos no trabalho. Eu também gosto de lembrar dos meus. Mas o que aconteceria se a gente almoçasse um prato de chuchu cozido todos os dias pensando em um Big Mac?

Se o seu trabalho é um suplício, o último lugar onde você gostaria de estar ou um “mal necessário”, a gente tem um problema para resolver. Com o tempo, isso certamente vai provocar sentimentos de tristeza que acabam refletindo não apenas na nossa performance, mas na nossa satisfação de vida. Eu entendo que o trabalho nunca vai ser tão prazeroso como um fim de semana de férias. Mas ele ocupa tempo demais na nossa agenda para não ser algo que traz coisas boas.

Se a vida fosse um banquete, ouso dizer que o trabalho seria o prato principal. Não por ser o mais importante, mas pela proporção que ele ocupa. E não faz sentido participar de um jantar sem desfrutar o prato principal. Nós passamos mais da metade da vida adulta trabalhando. Como podemos ajustar as nossas intenções para querer estar ali?

Talvez o segredo esteja em mudar a forma como vemos o nosso trabalho. Trabalhar é servir, uma atividade que muda o mundo e constrói a realidade. Trabalhar é ser útil, ajudar os outros e suprir a necessidade do próximo. Trabalhar é um “bem necessário”, porque o mundo precisa do seu trabalho. O trabalho não é uma barreira para os seus propósitos de vida, talvez ele seja justamente o meio.

Sei que nunca vamos colocar um porta-retrato com uma foto do escritório na nossa sala de casa. Mas hoje o convite é para que você repense a relação que tem com ele. E para que coloque uma generosa porção de molho especial nesse chuchu. Bom apetite!

João Branco é CMO do McDonald’s.  linkedin.com/in/falajoaobranco / Instagram @falajoaobranco

Os artigos assinados são de responsabilidade exclusiva dos autores e não refletem, necessariamente, a opinião de Forbes Brasil e de seus editores.

Compartilhe esta publicação: