Quase metade dos trabalhadores da geração Z vive com ansiedade financeira todos os dias

Deloitte revela as maiores preocupações da geração Z – e elas não são tão diferentes do resto da força de trabalho.

Mark C. Perna
Compartilhe esta publicação:

Uma pesquisa da Deloitte revelou que apenas um quarto dos trabalhadores da geração Z têm renda suficiente para suprir suas despesas mensais

Acessibilidade


Uma pesquisa recém-publicada pela consultoria de gestão Deloitte esclarece muitos aspectos da experiência da geração Z (nascidos de 1996 a 2010) e dos millennials (nascidos entre 1980 e 1995), mais especificamente sua situação financeira precária em nosso mundo cada vez mais caro. 

A subida acentuado da inflação está prejudicando a todos, mas os trabalhadores mais jovens são particularmente vulneráveis ​​à ansiedade financeira. Quando são questionados sobre sua maior preocupação, o custo de vida (ou seja, moradia, transporte e contas de casa e mercado) foi a principal preocupação citada (29%). Apenas um quarto da geração Z diz que pode cobrir confortavelmente suas despesas mensais. E quase metade (46%) diz que vive conforme o que dá para pagar em cada mês.

Leia mais: Como líderes podem transformar ambientes tóxicos e criar equipes produtivas

E eles não têm muita esperança de que as coisas melhorem. Mais de um quarto da geração Z (26%) não se sente confiante de que poderá se aposentar. Setenta e dois por cento da Geração Z vê uma lacuna crescente entre as pessoas mais ricas e mais pobres em seu país. Como no ano passado, pouco mais de um quarto da Geração Z (28%) acha que a economia de seu país vai melhorar nos próximos 12 meses.

Eles também não veem os negócios ajudando a situação: menos da metade da Geração Z (45%) concorda que as empresas estão tendo um impacto positivo na sociedade. A Deloitte observa que este é o quinto ano consecutivo em que esse percentual cai.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Leia mais: Inscreva-se para a seleção da lista Under 30 2022

Adicione a dívida de empréstimos estudantis à perspectiva – quase R$ 198 mil por mutuário (nos Estados Unidos) – e não é tão difícil ver por que a Geração Z já tem uma reputação de esgotamento e desafios de saúde mental.

 

Lidando com as contas

Como a geração Z está lidando com toda essa instabilidade financeira? A Deloitte descobriu que a baixa remuneração foi a principal razão pela qual os entrevistados deixaram um cargo nos últimos dois anos. Quinze por cento dos que trabalham remotamente se mudaram para algum lugar mais barato para economizar dinheiro e 33% dizem que trabalhar remotamente os ajudou a reduzir suas despesas.

 

Ansiando por estabilidade

Os trabalhadores da Geração Z estão ocupando o lugar dos millennials? A Deloitte descobriu que 40% dos Gen Zs gostariam de deixar seus empregos dentro de dois anos, e 35% dizem que fariam isso antes mesmo de terem outro emprego agendado. Notavelmente, a pesquisa de 2021 da Deloitte descobriu que quase um em cada quatro millennials planejava deixar seus empregos dentro de um ano – uma descoberta que se provou verdadeira na Grande Demissão, o movimento que está acontecendo nos EUA de pedidos de demissão em massa.

Ao mesmo tempo, uma pesquisa recente do iCIMS fornece um contraponto interessante às descobertas da Deloitte. O iCIMS descobriu que 91% dos graduados de 2020/2021 pesquisados ​​​​e de 2021 disseram que se importam com o tempo que permanecem com um empregador e quase 70% disseram que realmente se veem a longo prazo.

 

Equilibrando idealismo e pragmatismo

Entre as causas sociais e ambientais que defendem no local de trabalho e a necessidade de ganhar o suficiente para pagar as contas, muitos trabalhadores da Geração Z estão se tornando pragmáticos idealistas.

Pragmaticamente, você aceita o trabalho que paga melhor. Idealisticamente, você assume o papel que o ajuda a mudar o mundo. Embora essas duas prioridades nem sempre sejam mutuamente exclusivas, alguns trabalhadores da Geração Z podem ter que escolher.

Uma coisa é clara: se eles escolherem o pagamento em vez do propósito, não será para sempre. O estudo da Deloitte aponta: “Embora o impacto social e ambiental, juntamente com uma cultura diversificada e inclusiva, nem sempre estejam no topo da lista de prioridades ao escolher um emprego, essas continuam sendo questões críticas em termos de retenção”.

 

Encontrando seus patamares

Às vezes, a Geração Z é descrita como um grupo alienígena, totalmente alheios aos outros trabalhadores da Terra. E, embora existam algumas diferenças entre as gerações, elas empalidecem à luz das semelhanças entre as quatro cortes geracionais em ação hoje. É um mundo caro lá fora, e não apenas para a Geração Z.

No final, estamos todos na mesma tempestade. A Geração Z não é diferente de qualquer outra geração em sua luta entre o idealismo e o pagamento das contas. Eles estão apenas encontrando seu caminho em meio a todos esses desafios em uma idade jovem.

Os sonhadores agora estão ficando criativos para fazer face às despesas. Os idealistas que priorizam o emprego em uma organização que reflita seus valores, agora se veem classificando a remuneração como a principal razão para ingressar (ou sair) de uma empresa. À medida que o custo de vida continua a subir, a Geração Z – e o resto de nós – pode ter que tomar decisões difíceis sobre onde nossas carreiras nos levarão.

Compartilhe esta publicação: